Curiosidades

A história do vinho “bebível” mais antigo do planeta

Vinho de quase 550 anos ainda repousa nas caves histórias do hospital de Estrasburgo


Vinho só foi provado em três ocasiões e o general Leclerc, libertador de Estrasburgo, foi o último a degustá-lo, em 1944

O “Banca Monte dei Paschi di Siena” é considerado o primeiro banco do mundo, tendo iniciado suas atividades em 1472 como montepio – instituição ligada à religião na qual os pobres podiam obter empréstimos e penhorar seus pertences por taxas mais baixas do que as oferecidas pelos usurários da época (lembrando que a usura – a famosa agiotagem – era um dos pecados mais em voga na Idade Média). E é interessante pensar que uma instituição financeira perdure tanto, tendo passado e “sobrevivido” nesse tempo todo pelas mais diversas fases da economia mundial – do feudalismo à Revolução Industrial, das navegações às moedas virtuais – e, obviamente, por todas as crises que ocorreram.

Mas, aos 547 anos, o Monte dei Paschi di Siena segue firme com suas atividades. Que outra “instituição” poderia durar tanto tempo, sobreviver a tantas crises, altos e baixos etc.? Será que um vinho poderia? Pouco provável, não? No entanto, parece que sim, que um fermentado de uva pode suplantar os cinco séculos de existência e ainda ser bebível. Uma barrica contendo um vinho de 1472 ainda “sobrevive” no coração da Alsácia.

Leia mais:

Como criar um vinho clássico?

Vinho velho é sinônimo de vinho bom?

Qual a história do primeiro vinho a ser produzido no Brasil?

A adega do Hospices de Strasbourg contém o que é considerado o vinho “passível de ser consumido” mais antigo do mundo. A adega do hospital foi construída em 1395, quando a instituição teve que ser transferida para fora da cidade de Estrasburgo, na França. Na época, os monges ofereciam abrigo aos pobres, peregrinos e doentes e os pacientes costumavam “pagar” pelos serviços com doações de terras, muitas delas, com vinhedos, ou então de colheitas de todos os tipos, de cereais a uvas. Foi assim que o Hospices passou a ser dono de diversas terras, precisou criar meios para estocar os mantimentos e, obviamente, vinificar as uvas que recebia. Vale lembrar que, durante a Idade Média, o vinho muitas vezes era ministrado como parte do tratamento dos doentes. Aliás, diz-se que os pacientes do hospital de Estrasburgo recebiam cerca de 2 litros por dia. Isso sem falar do uso do vinho nos trabalhos religiosos, é claro.

É vinho!

A adega do hospital conta, na verdade, com três barricas verdadeiramente muito antigas dentre as cerca de 50 peças abrigadas em uma área de 1.200 metros quadrados. Desses barris, três estão datados como sendo de 1472, 1519 e 1525. E, dentro do de 1472, com capacidade para 300 litros, repousa um vinho branco seco, que, foi atestado como apto para ser bebido da última vez que foi analisado organolepticamente, em 1994. Na época, enólogos do laboratório inter-regional da “Direction Générale de la Concurrence, de la Consommation et de la Répression des Fraudes” de Estrasburgo realizaram um exame e seu veredicto foi: “o vinho tem uma cor muito bonita, brilhante, muito âmbar, um nariz poderoso, muito fino, muito complexo, com aromas reminiscentes de baunilha, mel, cera, cânfora, especiarias finas, avelã e licor de frutas...”

Mais recentemente, porém, a bebida precisou passar por um processo delicado, pois sua barrica estava vazando e necessitou de reparos. “O velho barril estava muito velho e vazou”, disse Thibaut Baldinger, chefe da adega do Hospices de Strasbourg. Depois de descobrir que alguns litros evaporaram, o hospital colocou a bebida em um tanque de aço inoxidável em abril de 2014, enquanto se aguardava a fabricação do novo barril. Xavier Gouraud e Jean-Marie Blanchard, dois dos mais respeitados toneleiros da França, construíram uma barrica idêntica à anterior, em forma de ovo.

Assim, em 2016 foi feita uma rápida transferência do líquido para outra barrica e quem ajudou no procedimento atesta que o vinho ainda vive. A enóloga Pelagie Hertzog disse: “É um mistério enológico. O vinho tem muita estrutura e perma nece muito ácido apesar dos séculos”. Esta, contudo, não foi a primeira vez que o vinho precisou mudar de recipiente. Tem-se notícia de que esse tipo de procedimento foi feito pelo menos outras duas vezes. A última havia sido em 1718.

Um sobrevivente

Quem acha que o vinho possa ter sofrido durante esse processo (com tantas tecnologias disponíveis, ele sequer teve contato com o ar), nem imagina pelo que ele precisou passar para chegar até os nossos dias. Assim como o “Banca Monte dei Paschi di Siena”, o vinho de Estrasburgo superou diversas crises.

Uma das mais graves foi o incêndio de 1716 que assolou todo o Hospices. A adega subterrânea com seu teto de tijolos abobadados, porém, milagrosamente permaneceu intacta. Anos mais tarde, eclodiu a Revolução Francesa. As terras da igreja foram expropriadas e o Hospices perdeu grande parte de seus vinhedos. Os vinhos da adega, mais uma vez, sobreviveram.

Com menos terras para cultivar e com foco na parte médica – que foi paulatinamente deixando de receitar vinho como remédio –, o hospital também foi deixando de lado a adega. Nesse tempo, vieram ainda sucessivas guerras, especialmente as I e II Guerras Mundiais. E, ainda assim, aquela barrica de 1472 sobreviveu intacta.

Até que, em 1994, já totalmente sem vinhedos, a adega foi abandonada. Os barris de madeira degradaram-se rapidamente, com os menores começando a apodrecer, e os maiores secando. Devido à falta de resultados e sem perspectiva de desenvolvimento, a adega estava condenada. Assim como o vinho. Porém, uma nova política de gestão do Hospices procurou restaurar o legado vínico do local, transformando-o em um museu, abrindo espaço para visitações e venda de vinhos novamente produzidos lá. Agora, a adega é uma fonte de renda para o hospital.

Três vezes apenas

[Colocar Alt]

Barrica contendo o vinho “bebível” mais antigo do mundo precisou passar por reparos recentemente

Há alguma perspectiva de esse vinho histórico ser provado? Na verdade, não. Durante seus quase 550 anos de vida, em apenas três ocasiões ele foi degustado. A primeira foi em 1576, para celebrar um acordo de assistência mútua com a cidade de Zurique, na Suíça. Na época, o vinho já tinha impressionantes 104 anos. A prova seguinte ocorreu em 1718, dois anos depois de o incêndio ter destruído o hospital, para celebrar a reconstrução do Hospices (agora já se passavam 246 anos da safra). E, por fim, em 1944, quando a cidade de Estrasburgo foi libertada na II Guerra pelo general Philippe Leclerc de Hauteclocque, que teve a honra de degustar um vinho de 472 anos de idade. O general, todavia, morreu apenas três anos após e não poderá dizer se o vinho evoluiu desde a última vez que o provou. E assim segue a lenda da adega do Hospices de Strasbourg, até que um novo fato histórico seja razão para que alguém deguste o vinho mais antigo do mundo.

Veja também:

O vinho e a história da humanidade

Como harmonizar vinhos antigos sem que percam o protagonismo

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Arnaldo Grizzo

Publicado em 30 de Outubro de 2019 às 14:30


Notícias Alsácia vinho mais antigo do mundo vinho antigo curiosidades do vinho Estrasburgo

Artigo publicado nesta revista