O que se colhe é o que seu pai planta

Conheça as principais características da colheita do fruto da oliveira, que só alcança o seu auge depois de 20 anos


O auge da oliveira vai dos 35 aos 150 anos, atravessando assim diversas gerações

Até não muito tempo atrás, em muitas das regiões produtoras de olivas, existia uma tradição em que a cada nascimento de uma criança era plantada uma oliveira, de tal maneira que as duas se desenvolveriam juntas. Como a oliveira só começa a frutifi car entre o seu quinto e décimo ano de vida, a criança já teria alcançado o seu período escolar e o início de uma fase produtiva de ambas, que encontrariam juntas o seu auge depois de 35 primaveras.

Os pais semeavam para os seus fi lhos e netos, já que as árvores possuem um ciclo de vida muito mais longo que o do homem. O auge da oliveira dura até os seus 150 anos, sendo, assim, colhida por diferentes gerações e iniciando a produção de olivas de uma família.

A colheita dessas oliveiras familiares eram normalmente elaboradas seguindo orientações que também eram passadas de pai para fi lho. Recomendava- -se que fosse executada manualmente, logo que os frutos começassem a trocar a sua coloração. Outro método utilizado era a varejadura, na qual os galhos eram cutucados com longas varas, o que provocava a queda das azeitonas. Estes eram os únicos métodos conhecidos pelos agricultores da época, mas, com o passar dos anos e a evolução da tecnologia, foi se tomando um maior cuidado para obter um produto fi nal de melhor qualidade.

O melhor momento para a colheita das azeitonas para azeite é quando a polpa fica mais tenra



#Q#

Momento da colheita
De todo o processo da produção do óleo de oliva extra virgem, a colheita é possivelmente a mais importante, pois, sem uma colheita de qualidade, não se produz um bom azeite de oliva, devendo-se ter um máximo cuidado para não danifi car o fruto.

O período de colheita depende muito da variedade da oliveira e do produto fi nal para o qual ela será utilizada: azeitona de mesa ou óleo de oliva. No caso das azeitonas verdes de mesa, a melhor época é quando o fruto já alcançou o seu maior tamanho, mas antes de mudar sua cor; e as pretas quando, tanto sua pele quanto sua polpa, já se tornaram violáceas sem perder a consistência. Já para as azeitonas destinadas à produção do azeite, o melhor momento é quando a polpa começa a alterar sua coloração e a fi - car mais tenra. Escolhido o ponto de maturação, resta escolher um dos métodos de colheita:


Colheita manual
Como o próprio nome diz, este é um método literalmente manual, os frutos são colhidos um por um. Este processo é considerado por muitos o melhor método, porque permite escolher cada fruto e evita que ele possa cair ao solo e se danificar, chegando ao lagar com o mínimo de impurezas.

Contudo, também existem inconvenientes. Como cada trabalhador colhe, em média, cerca de 10 quilos de azeitonas por hora, esta colheita requer um número muito grande de empregados, tornando- -se cara e trabalhosa.

#Q#

Colheita manual Apanha

Apanha
Este é também um processo de colheita manual, porém, em vez de retirar os frutos um a um dos galhos, eles são colhidos tardiamente, aguardando a maturação total do fruto. Depois disso, eles são colhidos um a um, mas já no solo. Este método possui um inconveniente gravíssimo, porque, ao permitir que as azeitonas estejam completamente maduras - e, pior, que toquem o solo -, elas podem sofrer grandes alterações moleculares, que dão ao óleo um alto teor de acidez e pouca resistência ao ranço.


Varejadura
Este é um método bastante tradicional e consiste em golpear com uma vara os galhos da oliveira, de maneira que a sua consequente vibração faça as olivas caírem nas longas lonas pretas esticadas sobre o chão. Este é um sistema muito trabalhoso e pouco satisfatório, pois pode tanto danificar o fruto e iniciar processos oxidativos indesejados, quanto ferir os galhos e comprometer safras futuras.

Varejadura Colheita com pentes


Processos de colheita podem ser manuais ou mecânicos, cada um com suas vantagens



#Q#

Colheita mecanizada
Este é um processo semelhante à varejadura, porém mecanizado. Uma máquina faz com que o tronco ou os galhos da oliveira vibrem. Assim, as azeitonas caem sobre as redes previamente penduradas sob a copa das árvores. O grande defeito deste método é que a máquina pode danificar ainda mais as oliveiras do que a varejadura. Por outro lado, o uso das redes evita o contato do fruto com o solo, preservando mais a qualidade do produto. Outro fator positivo é a redução dos custos da colheita, pois, com a mecanização, acelera- -se o processo e reduz a necessidade de mão-de-obra.


Colheita com pentes
Esta é uma variação da colheita mecanizada, sendo muito utilizado em diversas regiões italianas. São equipamentos que possuem espécies de "mãos mecânicas", que transmitem vibrações ao caule e aos galhos, derrubando as olivas sobre as redes penduradas. Este é o mais barato e mais rápido dos sistemas utilizados.

João Caderón

Publicado em 23 de Julho de 2010 às 08:45


Azeite

Artigo publicado nesta revista