Os campeões da Expovinis 2008


Anuwat Khamngoen/SXCA Expovinis Brasil chegou a sua 12ª edição no final de abril e um dos destaques do evento foi a eleição dos "Top Ten", iniciado na 3ª edição, e aperfeiçoada a cada ano. Em 2008, 13 jurados testaram às cegas 157 vinhos enviados pelos expositores. Cada expositor teve o direito de enviar duas amostras de sua escolha, para concorrer nas dez categorias.

O certame contou com a coordenação José Ivan Santos e presidência do júri de Jorge Lucki (que não participaram da degustação dos vinhos). O júri internacional foi composto de Fabrício Portelli (Argentina) e héctor Riquelme (Chile), Jorge Carrara (Folha de São Paulo), José Maria Santana (gula), daniel Pinto (SBAV-SP), gustavo de Paulo (ABS-SP), Ricardo Farias (ABS-RJ), gerson Lopes (ABS-Mg), Marcio Oliveira (SBAV-Mg), José Luiz Pagliari (SBAV-SP), Roberto gerosa (Veja), Manuel Beato (Sommelier do Fasano), e eu mesmo, Marcelo Copello, editor de vinhos de Adega.

Vejamos os campeões, categoria por categoria:

Espumantes
Esta categoria contou com 15 concorrentes de muito bom nível, mas uma das amostras se destacou e venceu com larga margem, quase unânime. O único Champagne da disputa levou o prêmio com louvor, o drappier la grande sendrée 2000 - - (Zahil, R$ 278,00). Elaborado com 45% Chardonnay e 55% Pinot Noir, permanece seis anos com suas borras. Amarelo palha com reflexos dourados, perlage perfeita, muito pequena e abundante. Aromas muito típicos dos champagnes com longo tempo sur lie, com notas de fermentos, brioches, frutas cristalizadas, mel, pão torrado. Paladar de acidez crocante, aguda, ótima cremosidade e complexidade. Para guarda.

Sauvignon Blanc
Esta foi a categoria com menos inscrições, apenas cinco vinhos competiram. Assim como no ano passado, o vencedor foi um chileno da região de Casablanca. Em 2007, o troféu foi para o Sauvignon Blanc da William Cole, e este ano para o "Casa del Bosque Reserva 2007" - -, importado pela Obra Prima, que levou meu voto, assim como de outros 6 jurados. O vencedor mostrou cor amarelo palha claro e brilhante com reflexos esverdeado, aromas de ótimo ataque e tipicidade, com ervas frescas, grama cortada e a característica nota de "gooseberry" (groselha branca). Paladar com bom equilíbrio entre frescor e maciez.

Chardonnay
Esta categoria contou com nove concorrentes e teve uma surpresa, o vencedor foi o brasileiro Cordilheira de san'tana Reserva Especial 2005 - - , da Campanha gaúcha (R$ 42,00), de cor amarelo dourado claro e brilhante, aromas frutados e delicados, mas sem muita expressão ou definição. Paladar magro e com algum amargor no final, curto, no conjunto é bem equilibrado e agradável.

Nesta categoria meu voto, no entanto, foi para o 2º colocado (perdeu por um voto), o chileno De Martino Chardonnay single Vineyard 2006 - - com nariz intenso, fruta madura, boa madeira que aparece bastante, mel, tostados, manteiga, paladar encorpado, equilibrado, com fim mineral.

Branco outras castas
Poucos vinhos também nesta categoria, apenas seis, mas a decisão do júri foi bem segura ao escolher ao o australiano Petaluma Hanlin Hill Riesling 2005 - - (KMM, R$ 118,00), com linda cor amarelo palha com reflexos esverdeados. Aromas de boa complexidade com florais, laranjas, anis, minerais, com característico toque de petróleo, querosene. Paladar encorpado, boa acidez com toque oleoso típico da casta, com 13% de álcool, muito longo com leve e agradável toque amargo no fim de boca. Com estrutura para guarda. Produzido em Clare Valley pelo enólogo Brian Croser, um dos grandes enólogos daquele país.

#Q#

Rosés
Esta categoria foi bem disputada, com 15 amostras de bom nível. Aqui a escolha foi bem definida e não houve surpresa, mas sim um fato inédito - o vencedor foi, às cegas e dentre tantos, o mesmo vinho do ano passado (em uma nova safra). Em 2007 tivemos como vencedor o provençal Château de Pourcieux 2006 e, mostrando sua consistência, este ano ganhou o Château de Pourcieux 2007 - - (Cantú, R$ 65,00), com todo o mérito. Elaborado com 60% Syrah, 20% grenache e 20% Cinsault, mostrou cor entre rosa e casca de cebola. Aromas muito elegantes de flores (rosas) e frutas (morangos), toque balsâmico de mentol. Paladar leve, fresco e macio, com 12,5%, muito bem equilibrado, fruta agradável aparece na boca, delicioso.

Tintos Nacionais
A categoria mais concorrida do ano, com 39 vinhos. Eu pessoalmente esperava um nível melhor, pois muitos eram de qualidade inferior, com erros graves em sua elaboração, o que mostra que embora o vinho brasileiro tenha evoluído, a qualidade ainda não está disseminada entre muitos produtores (com exceção dos espumantes). Venceu o nordestino Rio sol 2006 - -, que levou meu voto. Elaborado com Cabernet Sauvignon e Syrah, é rubi violáceo muito escuro, mostra aroma de fruta negra muito madura, violetas, geléias. Paladar de médio corpo, com bom equilíbrio, boa acidez e maciez. Agradável e bem elaborado.

Outro que mereceu destaque e levou o 2º lugar foi o Marson gran Reserva Cabernet Sauvignon 2004, que acompanho a várias safras e sempre merece elogios.

Tintos Castas Bordalesas
Doze rótulos concorreram aos troféu dos vinhos elaborados com uvas bordalesas (Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot). Foi notado às cegas o predomínio de vinhos do Novo Mundo, com maciez alcoólica prevalecendo sobre uma melhor acidez e equilíbrio dos vinhos clássicos europeus. Neste contexto um argentino acabou levando a melhor (embora sem meu voto), o urano Cabernet sauvignon 2006 - -, da bodega Eral Bravo de Mendoza (ainda sem importador). 100% Cabernet Sauvignon, amadurecido 12 meses em barricas francesas (70%) e americanas (30%). Vermelho granada escuro com reflexos violáceos. Aromas onde fruta ultra madura e caráter vegetal se destacam, com musgo, terra molhada, café, azeitona preta, além de notas típicas da casta (cassis, amoras, frescor de ervas). Paladar de bom corpo, bastante macio, acidez moderada, com taninos doces, longo com toque de tostado no fim de boca.

Marcelo Copello
Os vencedores

Tintos Novo Mundo
Vinte e quatro vinhos brigaram pelo troféu nesta etapa. Assim como no ano passado, a força do Shiraz da Austrália se impôs. Em 2007, o The Octavius 2001 humilhou a concorrência, e este ano foi a vez do Kilikanoon Covenant shiraz 2004 - - (decanter, R$ 235,80) subir ao pódio. Mérito também para nosso editor de vinhos, meu colega Luiz gastão Bolonhez, que já testou este vinho para Adega. Nota de campeão!

Tintos Velho Mundo
Vinete e três vinhos participaram desta que foi a escolha mais difícil, dado o altíssimo nível das amostras. Esta foi sem dúvida a categoria mais disputada, com grandes vinhos. O vencedor foi identificado às cegas por vários jurados como sendo um português contendo a uva Touriga Nacional. Bons vinhos não negam sua origem e assim foi: the winner is Quinta Nova Nossa senhora do Carmo grande Reserva douro 2005 - - (Vinea Store). Mais uma vez palmas para Luiz gastão Bolonhez, nosso editor de vinhos testou recentemente este vinho para Adega alertando para sua qualidade de vencedor.

#Q#

Doces e Fortificados
Aqui também o nível dos participantes (nove vinhos) foi excepcional. O júri deu o primeiro lugar para um excelente vinho doce botrytizado, que para alguns jurados, às cegas, tratava-se de um Sauternes. Na hora que veio o resultado para muitos foi surpresa, mas não para nós de Adega, pois o campeão - grandjó late Harvest 2005 - - (Barrinhas, R$ 120,00), foi bem avaliado por mim em nosso número 24. Na ocasião, escrevi sobre este vinho do douro - "um excelente vinho de sobremesa, melhor Late harvest de Portugal".

TABELA DE AVALIAÇÃO
ESTRELAS CLASSIFICAÇÃO PONTOS
Extraordinário ( de 95 a 100 pontos)
(93 a 94)
Excelente (90 a 92)
(88 a 89)

Muito Bom

(85 a 87)
(83 a 84)
Bom (80 a 82)
(76 a 79)
Médio (70 a 79) (70 a 75)
- Fraco (50 a 69) (50 a 69)
= Beber
= Beber ou Guardar
= Guardar
OBSERVAÇÕES
= BEST BUY - Melhor custo-benefício
Preços aproximados no varejo, sujeitos à variação.
Marcelo Copello

Publicado em 7 de Maio de 2008 às 09:06


Enobusiness

Artigo publicado nesta revista