5 vinhos alemães que a Angela Merkel ia adorar


No último sábado (21), a chanceler alemã saiu do mercado com quatro garrafas de vinho italiano

No dia 21 de março de 2020, Angela Merkel,  a chancelar alemã, foi flagrada fazendo compras para a sua quarentena, contra o Coronavírus. E lá estavam quatro garrafas do italiano Ricossa Docetto D’asti, um bom vinho. Mas vale dizer que, da própria Alemanha da mandatária há também ótimos rótulos, com características semelhantes.

Não foi difícil fazer uma breve seleção para sugerir aqui:

Reichsgraf von Kesselstatt Riesling Trocken 2014 - (AD: 90 pts)

Mosel, Alemanha - Vind'Ame

Branco seco elaborado exclusivamente a partir de uvas Riesling advindas de solos de ardósia, fermentadas com leveduras indígenas e sem passagem por madeira, mas mantido em contato com as suas leveduras por dois meses. Um Riesling de dicionário, cheio de frutas brancas seguidas de notas florais, herbáceas e, principalmente, minerais. No palato, é frutado e de médio corpo, tem acidez refrescante, boa textura e final persistente, com toques cítricos, confirmando os traços minerais encontrados no nariz. Álcool 10%.

Balthasar Ress Rheingauer Landwein Orange Trocken 2016 - (AD: 94 pts)

Rheingau, Alemanha - World Wine

Uma experiência nova como degustador, meu primeiro laranja alemão à base de Pinot Blanc e Riesling. Este vinho de uvas brancas vinificados como tinto tem o mosto 3 semanas em contato com as cascas. A cor é dourada, o nariz é inebriante e se confirma em boca floral, maça assada, laranja e deliciosa glicerina. Creio que a elegância das castas com que é elaborado consegue encontrar um patamar mais elevado de finesse, que faz de outros laranjas uns brutos. Um vinho que te faz pensar e pede outro gole, e depois outro, e depois mais um. Pode ser guardado por anos pela proteção que a vinificação em laranja confere aos vinhos, mas tomaria desde já para me deliciar justamente com esta elegância e grande personalidade. Álcool 11,5%.

 

LEIA MAIS:

» A dificuldade de classificar vinhos da Alemanha

» Trockenbeerenauslese, o rei dos vinhos alemães

» Como ler rótulos da Alemanha?

 

Gau-Odernheimer Spätburgunder 2014 - (AD: 92 pts)

Weingut Becker Landgraf, Rheinhessen, Alemanha

Tinto elaborado exclusivamente a partir de Spätburgunder - Pinot Noir -, com estágio de 15 meses em barricas de carvalho, sendo 30% novas. Mostra aromas agradáveis de cerejas e framboesas de perfil mais maduro, bem como notas florais, herbáceas e minerais, além de toques especiados e terrosos. No palato, confirma a fruta de ótima qualidade encontrada no nariz, tem acidez vibrante e taninos de boa textura, que trazem equilíbrio ao conjunto. Tem final persistente e profundo, cheio de frescor, suculência e finesse, convidando a mais um gole. Álcool 13,5%. Compre aqui.

Baron K Riesling Kabinett 2013 - (AD: 90 pts)

Rheingau, Alemanha - Vind'Ame

Branco elaborado exclusivamente a partir de uvas Riesling, com maturação em grandes tonéis de madeira. Mostra profusão de frutas brancas e cítricas acompanhadas de notas florais e minerais. No palato, é frutado e de médio corpo, tem boa textura e acidez vibrante, que equilibram o seu lado levemente adocicado, trazendo mair sensação de frescor ao conjunto. Álcool 10,5%.

Baron Knyphausen Kiedricher Sandgrub Riesling Auslese 2005 - (AD: 94 pts)

Rheingau, Alemanha - Vind'Ame

Branco doce de colheita tardia elaborado exclusivamente a partir de uvas Riesling (parcialmente botritizadas) advindas do vinhedo Kiedricher Sandgrub, classificado como Erste Lage (equivalente a um Premier Cru). Frutas brancas e de caroço maduras aparecem por todos os lados escoltadas por notas florais, minerais, de cera e de mel, com muita cremosidade, excelente equilíbrio entre acidez e doçura e final longo e persistente, com toques salinos, que trazem tensão ao conjunto. Álcool 10,5%.

Da redação

Publicado em 22 de Março de 2020 às 11:24


Notícias