A dificuldade de classificar vinhos da Alemanha

A nomenclatura de vinhos alemães é uma incógnita para muitos consumidores


Taça de vinho alemão

A nomenclatura usada nos rótulos dos vinhos alemães continua sendo um desafio para os consumidores, mesmo quem entende a língua. Hoje, existem duas classificações. A mais tradicional é a que associa “predicados” aos melhores vinhos, que vão de Kabinett a Trockenbeerenauslese (TBA), passando por Spätlese, Auslese, Beerenauslese e Eiswein, embora esse último possa ser considerado quase uma categoria à parte pelo modo como é produzido. Ao contrário do que se convencionou, essa classificação não indica necessariamente o grau de doçura dos vinhos, mas o teor alcoólico potencial que a presença de açúcar no mosto permite alcançar. Assim, dependendo da região, os Kabinett, Spätlese e mesmo os Auslese podem ser doces (semisecos, no caso dos primeiros) ou secos. Já os três últimos (Beerenauslese, Eiswein e TBA) são sempre doces.

Há não muitos anos, a VDP, associação que reúne 200 dos melhores produtores alemães, criou uma segunda classificação, que segue basicamente o modelo adotado na Borgonha. São quatro níveis: Gutswein, que seriam os vinhos genéricos da região produtora; Ortswein, o equivalente ao Village; Erste Lage (Premier Cru) e Grosse Lage (Grand Cru). A menção GG no rótulo de um vinho de produtor associado à VDP significa Grosses Gewächs, um vinho top e sempre seco. Mas essa classificação só vale para os membros da VDP, o que só aumenta a confusão.

Veja também:

O futuro do Riesling na visão de Frederik zu Knyphausen

Trockenbeerenauslese: a história dos aclamados vinhos doces alemães

+ Os melhores vinho da Alemanha no Melhor Vinho

Em resumo, os alemães parecem adeptos do bordão popularizado por Chacrinha, o “velho guerreiro”, figura lendária do entretenimento brasileiro: “eu não vim para explicar; vim para confundir”.

Da redação

Publicado em 26 de Fevereiro de 2019 às 15:00


Notícias Vinho alemão Riesling TBA VDP Trockenbeerenauslese

Artigo publicado nesta revista

Cult Wine Da Toscana

Revista ADEGA 159 · Janeiro/2019 · Cult Wine Da Toscana

Caberlot, História e Degustação Exclusiva