Notas de Rebeldia: o duro caminho de um Master Sommelier no Netflix


Elijah, o personagem principal, deixa seu pai contrariado e resolve mudar os rumos de sua vida, dedicando-se aos estudos para trilhar o árduo caminho de um Master Sommelier

Lançado em março deste ano no canal de streaming Netflix, o filme “Uncorked”, cuja tradução para o português ficou como “Notas de Rebeldia”, conta a história de um jovem negro de classe média que descobre o mundo do vinho e sonha em se tornar um Master Sommelier – honraria criada em 1969 e que menos de 300 pessoas possuem no mundo até hoje. A “dramaticidade” do título em português vem do fato de Elijah (nome do protagonista interpretado pelo ator Mamoudou Athie) precisar desafiar a família para tentar algo diferente do esperado para seu futuro.

A trama se passa ao redor de uma família de Memphis que vive em função de um restaurante (típica churrascaria do centro-oeste norte-americano) herdado pelo pai do protagonista no qual quase todos os membros da família trabalham, inclusive o jovem Elijah, que faz meio período numa loja de vinhos. O pai, obviamente, quer que o filho dê continuidade ao legado da família e ainda planeja expandir os negócios. O jovem, contudo, mostra-se avesso a essa possibilidade e titubeante em relação ao seu futuro.

 

LEIA MAIS

» Para onde vamos? Um roteiro com 20 destinos de vinhos para enófilos e apaixonados

» As melhores fotos de vinho de 2020

 

Elijah, então, decide encarar o desafio de se especializar na área do vinho e ingressar no dificílimo curso para tentar o título de Master Sommelier – quem quiser conhecer mais sobre as dificuldades da prova há uma série de documentários sobre o tema chamada “Somm”, que esteve em cartaz na Netflix, mas não faz mais parte da grade. Para isso, ele desafia o pai, mas tem suporte da mãe e da namorada (a quem ele encanta fazendo uma comparação entre vinho e estilos musicais).

 

Várias cenas mostram degustações às cegas em que os estudantes precisam não somente apontar as características do vinho, mas dizer com precisão qual rótulo estão degustando

Apesar da narrativa um pouco previsível e do fim estilo Netflix, o filme tem uma boa levada e mostra o vinho de forma glamorosa, capaz de abrir a mente, apresentar uma nova cultura e um ambiente de sofisticação. O vinho acaba perpassando as diversas situações, às vezes sendo o contraponto esnobe, às vezes a porta de entrada para algo maior, às vezes como forma de ligar duas coisas distintas (assim como o “selo de paz” entre pai e filho através de uma garrafa especial) etc.

O filme mostra especialmente como funciona o mundo de quem sonha em se tornar um Master Sommelier, em que a pessoa precisa ser obcecada por vinho, estudar, provar, estudar, provar... Várias cenas mostram degustações às cegas em que os estudantes precisam não somente apontar as características do vinho, mas dizer com precisão qual rótulo estão degustando.

Mas há também vários momentos de glamour, como uma visita ao Domaine Long-Depaquit, de Albert Bichot, e pode-se dizer que o mote se resume a uma divagação do protagonista sobre o momento em que começou a se apaixonar pelo mundo do vinho: “Quando recebo um vinho, como da França ou da Espanha, sinto que estou lá”.

 


Da redação

Publicado em 22 de Junho de 2020 às 12:00


Notícias

Artigo publicado nesta revista