Brasil vitícola em três momentos

Enólogos, médicos, pesquisadores e apreciadores se encontraram na Serra Gaúcha para pensar e degustar os vinhos brasileiros


Gilmar Gomes

Setembro foi um mês movimentado na Serra Gaúcha. Durante três eventos (XII Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia, II Simpósio Internacional Vinho e Saúde e XVI Avaliação Nacional de Vinhos), foi possível descobrir alguns meandros de uma indústria que nós, apreciadores, só conhecemos engarrafada e rotulada. Em paralelo, o grupo 'Wines from Brazil' recebeu 12 jornalistas estrangeiros que conheceram a região, vinícolas e vinhos com o objetivo de reforçar nossa imagem de país vitícola no exterior.

Sílvia Mascella Rosa
Dr. Gregory Jones falou sobre os efeitos das mudanças climáticas

ADEGA estava lá com algumas perguntas que nem sempre aparecem nas rodas de degustação. Com o que se preocupam os enólogos brasileiros? Quais são as pesquisas na área de saúde e vinhos? Quais as impressões daqueles que provam nossos vinhos pela primeira vez?

E as respostas logo começaram a aparecer, com a presença do Ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, na abertura do congresso. As lideranças da cadeia produtiva da uva e do vinho têm se manifestado, ao longo deste ano, em busca de maior apoio governamental e a vinda do ministro e seu discurso foram um sinal de que o grupo se faz ouvir. Para os produtores, no entanto, a presença mais importante foi a da governadora, Yeda Crusius. No ano passado, sua ausência foi sentida e lamentada nos eventos. Neste, ela veio, fez um discurso contundente em favor do vinho brasileiro, assinou acordos para disponibilizar recursos para o setor e brindou com espumante.

Ao longo do congresso, discutiu-se desde o patrimônio histórico-cultural das regiões produtoras, as novas tecnologias de produção e cultivo, até os desafios do mercado, pois quem faz quer vender. A palestra do Dr. Gregory Jones, geógrafo da Universidade do Oregon, sobre as mudanças climáticas e suas implicações chamou a atenção. Ele contou que, até bem pouco tempo, muitos vinhos eram chaptalizados (recebiam açúcar), pois as condições do clima impediam que as uvas amadurecessem completamente. Agora, com o aquecimento global, o processo fica cada vez mais raro, indicando um futuro em que coisas antes impossíveis - como o cultivo de Merlot no Reno - possam acontecer.

Dos dias de convivência com vários enólogos do País, duas coisas ficam claras: são poucas as empresas que ainda dormem sobre os louros do passado e consideram que não há espaço para inovação. A estas só resta reclamar do mercado. A maioria, contudo, já percebeu que, para vencer em um cenário competitivo, é imperativo ter qualidade, sensibilidade e tecnologia.

Um exemplo é a Vinícola Don Guerino, em Alto Feliz. A família Motter é mais uma entre os imigrantes italianos que só faziam vinhos de mesa, mas a produção de fermentados finos têm levado a empresa a outro patamar, aproximando- a do consumidor mais exigente. A mudança tem resultados evidentes nas taças (veja seção CAVE) e reforça uma indústria preocupada em agradar.

Moderação e benefícios
Beber vinho, segundo vários estudos científicos, é mais que prazer. No Simpósio, médicos e pesquisadores foram unânimes em dizer que, embora a tônica seja a moderação, os benefícios do vinho são inegáveis. Isso ficou claro nas apresentações, como na do neurologista Vincenzo Solfrizzi, da Universidade de Bari, que tratou sobre os efeitos positivos do vinho contra a progressão da demência e do Alzheimer; na da nefrologista chilena Cleo Bosco, com estudos sobre o efeito protetor do vinho nas doenças renais; e da médica francesa, Dominique Lanzmann, que trouxe uma pesquisa mostrando os benefícios do consumo moderado na incidência de vários tipos de câncer.

Uma mesa redonda sobre Vinho e Coração reuniu o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Jorge Guimarães, a pesquisadora do INCOR, Silmara Coimbra, e o presidente da Liga de Combate à Hipertensão, Eduardo Barbosa. Cautelosos e didáticos, eles destacaram os benefícios do consumo moderado de vinho no aumento do HDL (conhecido como "bom colesterol"), a atuação de substâncias - como os flavonóides e o resveratrol - na prevenção do estresse oxidativo e frisaram a necessidade da mudança de estilo de vida para prevenir doenças cardíacas. É claro que não sugeriram que alguém, que nunca bebeu nada alcoólico, começasse a beber vinho regularmente. Mas os palestrantes afirmam que, para pessoas de boa saúde, que já apreciam a bebida, a moderação e a constância, aliada a outros bons hábitos, pode, sim, trazer benefícios a longo prazo.

#Q#
Gilmar Gomes
Médicos trataram dos benefícios do vinho para a saúde

Conhecer e avaliar
Avaliações, em qualquer setor, são sempre envoltas em controvérsia. A 26ª edição da Avaliação Nacional de Vinhos, grandiosa e significativa, não está imune a isso. Vários produtores não inscrevem suas amostras por acreditar que, ao avaliar fermentados que ainda não estão prontos, a seleção pode funcionar de maneira negativa. Ainda assim, o certame vem crescendo. Ao todo, 62 empresas de seis estados forneceram 317 amostras desta safra. Os enólogos da ABE as recolhem nas vinícolas, fazem as análises químicas e as degustações prévias que resultam em um painel dos 30 vinhos mais representativos da safra e em 16 amostras selecionadas como melhores. Em 27 de setembro, 16 degustadores provaram os vinhos juntamente com 800 pessoas e fizeram seus comentários para a platéia. O que mais chamou a atenção dos especialistas (brasileiros e estrangeiros) foi a alta qualidade média da safra (como ADEGA antecipou na edição 30) e a boa perspectiva desses vinhos. A jornalista Sheila Purrit, presidente do Wine Writers Circle of Canadá, ficou impressionada com o alto nível e fez um apelo para que os enólogos brasileiros não abusem da madeira, comprometendo o caráter da fruta que aparece em muitos de nossos vinhos. Para o público, ela afirmou: "Encontrei cuidado e limpeza nas cantinas, evolução técnica e boas práticas de produção. Volto ao Canadá para escrever que o Brasil é mais do que o país do biquini e da Bossa Nova, é também um país de vinhos". Após uma semana imersa nesse mundo, e de olho no aniversário de ADEGA só me resta dizer: saúde, vida longa e bons vinhos!

Gilmar Gomes
Alta qualidade média da safra 2008 chamou a atenção de especialistas na Avaliação Nacional de Vinhos

*Sílvia Mascella Rosa viajou para Bento Gonçalves a convite da Associação Brasileira de Enologia (ABE).

Sílvia Mascella Rosa*

Publicado em 22 de Outubro de 2008 às 10:29


Terroir Brasil

Artigo publicado nesta revista