Lista

Dez vinhos raros que brilharam em 2018

No último ano, ADEGA provou vinhos fantásticos e fora do mercado. Veja quais são


Além do nosso já tradicional TOP 100 (disponível na edição 158 da ADEGA), no último ano ADEGA decidiu elencar 10 vinhos sublimes que nos emocionaram em degustações fantásticas das quais nossa equipe teve a felicidade de participar. Estes vinhos não entram no nosso TOP 100 convencional, pois não são vinhos de safras correntes e não estão diretamente disponíveis no mercado (a não ser em leilões ou compras específicas de importadores e distribuidores). Apesar disso, decidimos relembrar os principais destaques de 2018, porque definitivamente são vinhos fantásticos.

CHÂTEAU LATOUR 1961

Este vinho “perfeito” foi provado em uma vertical de 10 safras históricas de Latour. Servido em garrafa magnum. Mostra ameixa, cânfora, notas terrosas e de ervas maceradas. Frutado e concentrado, confirma o nariz, tem ótima acidez, taninos finíssimos e longa persistência, com toques minerais e de sous bois. Intenso, denso e incrivelmente equilibrado, ainda tem potencial para evoluir. AD: 100 pts.

CHÂTEAU TROTANOY 1975

Este vinho brilhou em uma prova com clássicos do Pomerol. Um jovem esportista na taça, austero e coeso, com especial perfil floral, leve toque medicinal e ervas. Fruta muito viva, ameixa madura. Depois, confirma a cereja. Em boca, está muito coeso, com final de vibrante de acidez e taninos lapidados que deixam brilhar sua mineralidade. Límpido e cristalino. Inteiro e impecável. AD: 99 pts.

PETRUS 1975

No mesmo flight do Trotanoy, este foi outra estrela de uma mesma noite de grandes vinhos. Estupendo. Nariz extremamente exuberante, quase canela. Iodo e sangue. Couro e caça. Trufa preta. Água corrente. Terroso. Robusto. Aromas florais vão ficando cada vez mais óbvios à medida que abre em taça. Apesar de ainda apresentar fruta madura e taninos presentes, o equilíbrio sugere que está pronto. AD: 99 pts.

CHÂTEAU LAFLEUR 1995

Outro destaque do Pomerol. Um vinho estupendo de um pequeno vinhedo de 4 hectares. Floral, blueberry fresco e musgo na floresta. Austero e extremamente elegante. A qualidade dos taninos é surpreendente. A palavra que o define é nobreza. Muita flor seguida de camadas de fruta. Denso. A acidez torna-o ainda mais elegante. Melhora a cada gole. AD: 98 pts.

CHÂTEAU MARGAUX 1982

“Campeão de um flight com 11 safras históricas de Margaux, este 1982 deveria ser o benchmark para elegância dos grandes Bordeaux, com um fabuloso perfil floral entrelaçado ao couro. Em boca, a fruta está perfeita, a curva de evolução aponta um platô, o patamar imutável de um vinho eterno. Concentração, fruta suculenta, taninos maduros (quase doces), equilíbrio e acidez. AD: 98 pts.

CROFT VINTAGE PORT 1945

Em uma prova com 17 safras de Croft Vintage, este foi sublime. Impossível dissociar esta safra de seu contexto histórico, elaborada ao fim da II Guerra Mundial. O vinho é uma verdadeira celebração, uma homenagem ao futuro. Apresenta juventude incrível e em nada revela seus 73 anos. Nem a cor, nem o aroma, que permanece vivo e presente. Em boca, também é um jovem. É como se estivesse iniciando seu processo de evolução. AD: 98 pts.

KROHN VINTAGE PORT 1963

Um dos destaques do International Tasting 2018, este Vintage 1963 seguramente está entre as melhores safras do século passado. Ainda pleno e jovem, mostra exuberantes aromas e sabores de cerejas maduras e ao licor acompanhados de notas florais, especiadas, terrosas, de cogumelos e de frutos secos. Super equilibrado, mostra perfeita harmonia e precisão entre potência, untuosidade, profundidade e volume de boca, com excelente equilíbrio entre acidez e doçura. AD: 98 pts.

CHÂTEAU D’YQUEM 1986

Como se sobressair em uma degustação de Latour? Só sendo um branco doce tão icônico quanto os tintos. Este Yquem impressionou tanto pela juventude quanto pela exuberância e complexidade aromática. Incrivelmente concentrado, mas com equilíbrio entre acidez e doçura na mesma proporção. Untuoso e de excelente persistência. Memorável, justifica a fama de ser considerado por muitos a melhor safra produzida desde a lendária 1937. AD: 97 pts.

KRUG CLOS DU MESNIL BLANC DES BLANCS BRUT 2002

De um vinhedo de apenas 2 hectares, este puro-sangue Chardonnay consegue aliar uma estrutura sobre-humana com cremosidade e incrível vibração. Além da flor branca, perfil cítrico com grapefruit e lima da pérsia com sua parte branca, caminha no paladar para a textura de fim de boca garantindo sua ímpar vocação gastronômica. De tão persistente consegue se manter no paladar mesmo após a comida. AD: 96 pts.

BÂTARD-MONTRACHET GRAND CRU 2008

Oriundo de um vinhedo com 1/8 de hectare e apenas 300 garrafas produzidas por ano. Todas numeradas com 00000, ou seja, vinhos que não podem ser comercializados. De Villaine brinca que este vinho é degustado apenas na vinícola ou em eventos em que ele está presente. Incrível sedução, consegue aliar flor, mineralidade e opulência, e encontrar grande equilíbrio. A textura é o destaque. Um vinho ainda jovem aos 10 anos. Vibração, untuosidade e volume! AD: 94 pts.

Christian Burgos e Eduardo Milan

Publicado em 23 de Janeiro de 2019 às 15:00


Notícias Vinhos antigos Melhor vinho

Artigo publicado nesta revista