Escola do Vinho

Dupla decantação, saiba o que é e como funciona essa técnica


 

Um decantador serve para separar os sedimentos do vinho e exaltar os aromas e sabores da bebida através da aceleração no processo de oxidação

Para falar dessa técnica muito apreciada em Bordeaux, tanto que um dos nomes para ela é decantação bordalesa, vamos relembrar alguns tópicos.

Primeiramente, lembraremos que a decantação tem duas funções primordiais. Uma delas é colocar o líquido em contato com o oxigênio para que ele possa “aerar” e assim desprender mais facilmente moléculas de aroma e, teoricamente, suavizar taninos (tese com a qual nem todos os especialistas concordam). Por isso, por exemplo, tendemos a decantar vinhos muito jovens, com taninos mais marcantes e maior sensação de adstringência. A outra função é decantar mesmo, na acepção da palavra, ou seja, separar sedimentos. Por esse motivo, decantam-se vinhos antigos com muitas borras formadas pelo tempo de guarda ou por não terem passado por processo de filtragem, por exemplo.

 

LEIA MAIS

» As mudanças no decantador de vinhos ao longo dos anos

» Para que serve um decanter?

 

Dito isso, a dupla decantação nada mais é do que trasfegar a bebida da garrafa para um decanter e depois voltá-la novamente para o recipiente original, agora já sem os sedimentos.

 

Para quê

Dessa forma, essa técnica de decantação não apenas separa os sedimentos, como aera a bebida duas vezes – a primeira quando o líquido é vertido no decanter e a segunda quando volta para a garrafa. Contudo, a principal ideia por trás da dupla decantação não é somente a aeração mais intensa do líquido, mas também a retirada dos sedimentos e a possibilidade de servir o vinho em seu recipiente original, livre de borras.

 

 

Como fazer?

O método da dupla decantação não é tão complicado quanto se possa supor. Primeiramente, você deve fazer a decantação convencional. Ou seja, abra a garrafa e despeje cuidadosamente o líquido dentro do decanter. Se houver borra, lembre-se de deixar a garrafa em pé por algumas horas antes, abra, verta lentamente o líquido no decanter tendo uma fonte de luz (uma vela ou lanterna) sob o gargalo para controlar a saída dos sedimentos que estão no fundo. Se quiser aproveitar cada mililitro da bebida, termine a operação passando a borra por um filtro.

Com o vinho dentro do decanter, é hora de lavar a garrafa para retirar os sedimentos que ficaram grudados no fundo ou nas paredes do vidro. O ideal é usar água sem cloro – água mineral é uma opção – para não interferir na bebida. Coloque um pouco de água, feche a garrafa e agite bem para limpar. Deixe a garrafa de ponta cabeça por alguns instantes para retirar toda a água. Em seguida, acrescente uns 20 ml do vinho para avinhar a garrafa e garantir que não sobrou água. Dispense esse “resíduo”. Caso não haja borra, essa etapa de limpeza é desnecessária.

Feito isso, o vinho pode ficar no decanter por quanto tempo você quiser antes de retornar para seu invólucro original. Caso acredite que o líquido precise “respirar” por mais tempo do que apenas as duas ações de trasfego proporcionarão, deixe-o descansando até o momento ideal de voltá-lo à garrafa. Para isso, o ideal é ter um funil à mão. Se a rolha estiver íntegra, você pode até mesmo levemente encaixá-la novamente no gargalo e servir a bebida “como se nada tivesse acontecido”.

 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

André De Fraia

Publicado em 2 de Setembro de 2020 às 12:00


Notícias