Mundo Vino

Taça esperta contra o Alzheimer

Flavonóis encontrados no vinho estão associados a menor risco de Alzheimer


 

Um estudo da Rush University, em Chicago, descobriu que uma maior ingestão de flavonóis, uma subclasse de polifenóis bioativos encontrados em frutas, vegetais e no vinho, está associada a um menor risco de desenvolver Alzheimer. A pesquisa, publicada na revista Neurology, analisou dados do Rush Memory and Aging Project (MAP), um estudo em andamento baseado em Chicago. A partir de 2004, o Dr. Thomas Holland e sua equipe de pesquisadores conduziram avaliações neurológicas anuais e avaliações dietéticas de 921 participantes sem demência. 

LEIA MAIS

» O que é o Resveratrol e quais são seus benefícios

» Frequência de consumo de vinho interfere na saúde

A equipe avaliou a frequência usual de ingestão de 144 itens alimentares. Eles se concentraram em quatro flavonóis comumente encontrados em frutas e vegetais: isorhamnetinamiricetinakaempferol e quercetina. Eles organizaram os principais itens alimentares com seu flavonol correspondente. O vinho foi marcado com miricetina e isorhamnetina. Os participantes foram finalmente divididos com base nos níveis de consumo de flavonol. 

Dos 921 participantes do MAP que inicialmente não tinham demência, 220 acabaram desenvolvendo a doença de Alzheimer e os resultados aumentam as evidências crescentes que favorecem o consumo moderado de vinho como parte essencial de uma dieta cognitiva. Os participantes que seguiram uma dieta com maior ingestão de flavonol tiveram um risco 48% menor de desenvolver Alzheimer em comparação com aqueles que consumiram menos. 

kaempferol, encontrado em couve, feijão, chá, espinafre e brócolis, foi associado a uma queda de 51% no risco de desenvolver Alzheimer e demência. O consumo de miricetina, encontrado em vinho, chá, couve, laranja e tomate, estava associado a um risco 38% menor de desenvolver demência, enquanto a isorhamnetina, encontrada em vinho, peras, azeite e molho de tomate, estava associada a um risco 38%. Nenhum benefício foi encontrado para a quercetina. 

Thomas Holland diz que os vegetais são os maiores contribuintes para o consumo de flavonol, mas defende uma taça de vinho como uma boa fonte de flavonóis. Este estudo é uma peça do quebra-cabeça para qualquer pessoa que queira pensar em benefícios para a demência ou doença de AlzheimerPrecisamos pensar nisso como uma modificação do estilo de vida”, afirmou.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

 

Da redação

Publicado em 28 de Setembro de 2020 às 11:01


Mundovino vinho alzheimer

Artigo publicado nesta revista