Vinho verde: pratos certeiros e ousados para combinar com tanto frescor


A saborosa acidez é capaz de limpar o paladar e abrir ótimas oportunidades de harmonização 

Vinhos Verdes costumam ser sinônimo de calor. Não há como negar que os rótulos dessa clássica denominação de origem portuguesa prontamente rementem ao frescor. Mas, além disso, também à saborosa acidez que, como é notório, é capaz de limpar o paladar e abrir ótimas oportunidades de harmonização.

Na maioria das vezes, pensamos nos Vinhos Verdes como vinhos de consumo franco, para beber sem pensar, para refrescar e, muitas vezes, esquecemo-nos de que essas suas características intrínsecas de acidez também os tornam ecléticos à mesa.

 

LEIA MAIS:

» Os segredos do Vinho Verde

» Vinho Verde: a bebida portuguesa do calor

 

Pensando nisso, ADEGA pediu à sommelière do restaurante ‘A Mano, de Brasília, Ana Clara Carvalho, que sugerisse opções de harmonização para Vinhos Verdes. Confira.

 

Opções certeiras

 

- SALADA CAPRESE

Pode-se montar uma cama de folhas baby com massa filo crocante, creme de burrata e tomate italiano confitado, por exemplo. Um bom Vinho Verde para acompanhar pode ser um blend tradicional (com Trajadura, Loureiro, Arinto e Azal, por exemplo); extremamente aromático, assim como a salada. O frescor desse corte de uvas combina com a cremosidade da burrata, que pede acidez.

 

- ESPAGUETE À CARBONARA

Um clássico da cozinha italiana, o espaguete pode ser feito com creme de parmesão, gema de ovo caipira e guanciale, por exemplo (essa é uma variação). Para acompanhar, optaria por um Vinho Verde de Alvarinho, com notas minerais e de frutas tropicais, que se apresente de forma mais elegante, e com comportamento mais seco. Como a gema no Carbonara cobre a boca com seu sabor característico, pede-se um vinho que tenha a capacidade de limpar o paladar.

 

 

- RISOTO DE FUNGHI

Outro clássico italiano, feito com arroz e funghi porcini (e creme de grana padano, por exemplo). Uma dica de acompanhamento seria um Vinho Verde feito com a uva Avesso. Seco, o vinho apresenta a intensidade e a estrutura de sabor necessárias para valorizar um prato tão aromático e forte.

 

Opções ousadas

 

- RAVIÓLI DI BRIE AL TARTUFO

Uma massa fresca recheada de queijo Brie e mel trufado com manteiga e trufas negras. Aqui, novamente vamos optar por um blend (Alvarinho e Trajadura, por exemplo), com notas bem aromáticas. Como se trata de um prato forte, necessita-se de uma bebida com a mesma potência aromática. Para completar, o dulçor do vinho completa o queijo e o mel.

 

- CARPACCIO DE CAMARÃO

Lâminas de camarão com lulas a provençal e vinagrete podem harmonizar com um Vinho Verde de uva Loureiro, por exemplo. O sabor delicado dos frutos do mar pede aromas e notas também sutis.

 

- POLVO

Experimente tentáculos de polvo em crosta de manjericão com purê de cenoura. A carne do polvo e o purê pedem vinhos com um pouco de estrutura, então uma sugestão é buscar blends mais encorpados, mas que mantenham a leveza e a cremosidade.

 

Da redação

Publicado em 5 de Abril de 2020 às 00:33


Notícias