Mundovino

Cabeça boa: quem bebe vinho socialmente fica com o cérebro mais ativo – e por mais tempo

Pesquisa com quase 20 mil participantes conclui que, além de ajudar no presente, o vinho reduz o risco de problemas cognitivos futuros


 

Bebedores moderados se saíram consistentemente melhor nos testes realizados

Uma equipe de pesquisa liderada por Changwei Li da Faculdade de Saúde Pública da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, descobriu que consumir bebidas alcóolicas moderadamente (o vinho é a mais saudável de todas, sabemos) está associado a uma maior facilidade no processo de aprendizagem, memória, atenção, vigilância, raciocínio e capacidade de resolver problemas.

Estas funções do cérebro conhecidas como cognitivas tendem a decair com o passar dos anos, porém esse estudo mostra ainda taxas mais lentas de declínio cognitivo em idades avançadas nos bebedores moderados.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores usaram dados de 19.877 participantes do Health and Retirement Study, estudo de quase 20 anos da Universidade de Michigan sobre o envelhecimento da população dos Estados Unidos.

A idade média dos participantes foi de 62 anos, cerca de 60% mulheres; 40% homens.

Para analisar a função cerebral cotidiana, os participantes receberam uma pontuação geral de saúde da mente com base em seu desempenho em três áreas: recordação de palavras, status mental e vocabulário.

Eles foram avaliados repetidamente ao longo de nove anos para ver como a memória, a inteligência e as capacidades gerais de conhecimento haviam mudado. 

Os resultados mostram que bebedores moderados se saíram consistentemente melhor nas três áreas em comparação com os que não bebiam.

Como a frequência de consumo de álcool foi auto relatada pelos participantes, há espaço para possível viés. 

E apesar do resultado, os pesquisadores não conseguiram apontar exatamente por que essa associação positiva existe. O estudo não tinha dados suficientes para tirar conclusões sobre bebedores contumazes, mas citou o uso excessivo de álcool como um grande problema para a saúde do cérebro.

» Exclusivo: Laura Catena dá uma aula de vinho em entrevista apaixonante

» Sim, há etiqueta ao pedir vinho em restaurantes

» No Caminho de Santiago, Catedral do vinho tem monumentos históricos e arte moderna ao seu redor

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Da redação

Publicado em 22 de Junho de 2021 às 13:00


Mundovino Vinho Saúde Função cognitiva Saúde do cérebro Beber moderadamente