Escolha sua safra

Degustar um vinho é bom, acompanhado de uma grande refeição é ótimo, mas unido a uma celebração é ainda melhor. Escolha sua safra, boa celebração e saúde!


Marcelo Copello

Safras são datas. Datas são marcos que acompanham nossas vidas e tornam-se referência de momentos diversos; bons, alegres, difíceis e etc. Estamos sempre associando coisas a essas ocasiões. Um perfume, uma música, uma viagem, enfim, pedaços de quebra-cabeças que enchem de significado a vida de cada um. Com os vinhos também é assim. Estão no dia-a-dia, mas celebrar os bons momentos da vida com vinho é outra história! Transformam-se em boas e inesquecíveis lembranças para guardar.

#R#

Para os amantes de vinho isso é uma grande e corriqueira realidade. A cada dia que passa mais enófilos fazem perguntas do tipo "Tenho um filho que nasceu na safra 2000 e gostaria de saber o que compro, pois gostaria de ter uma garrafa de um grande vinho da safra dele". Sempre é difícil responder, pois a pergunta é mesmo complexa e às vezes com uma resposta longa demais.

Nesse caso a primeira grande indagação é baseada no propósito de quando se quer degustar esse vinho. Temos boas safras em específicas regiões do mundo, mas que não agüentarão caso o desejo seja degustar quando o filho completar 18 anos, ou mesmo quando for se formar na faculdade ou ainda quando for noivar. Nesses casos não podemos só sugerir um bom vinho, mas um vinho que possa evoluir na garrafa por um longo período.

Enófilos de carteirinha chegam quase à loucura para transformar uma noite muito especial em uma noite inesquecível. O resultado é que todos os vinhos da mesa crescem num evento repleto de significado. Um enófilo apaixonado organizou uma surpresa para sua esposa no dia de seu aniversário. Nessa noite em questão eram 6 "loucos pela enogastronomia" os participantes, além do organizador e sua homenageada. Esse editor era um dos 'sortudos' presentes. A homenagem foi cheia de minúcias e cada vinho foi acompanhado por um especial prato.

No total foram 6 vinhos em ordem decrescente de acordo com a homenagem. Começou com um dos vinhos brancos de maior estirpe do planeta o Chateau de Beaucastel Chateauneuf du Pape Vielles Vignes 1999, produzido no sul do vale do Rhône, acompanhado de um camarão grelhado com queijo de cabra fresco com um fio de azeite de excelente qualidade. Uma homenagem ao nascimento do 2º filho do casal. O próximo na mesa foi o respeitadíssimo Beringer Private Reserve Chardonnay 1996, produzido no coração da Califórnia nos Estados Unidos.

Esse, homenageando o primogênito da família, veio acompanhado de uma pequena porção de risoto a parmegiana com um toque de manteiga trufada. O terceiro, mais um branco, foi o Tokay Pinot Gris Clos Saint Urbain Rangen de Than 1992 da Domaine Zind Humbrecht, produzido na Alsácia. Esse monumental vinho foi acompanhado por um foie gras fresco grelhado com figos ao forno cozidos no vinho do porto branco. Talvez a maior homenagem, pois 1992 foi o ano que o enófilo havia se casado com a homenageada da noite. O quarto grande momento da noite fazia referência ao ano do noivado.

A dupla na mesa foi o Cós D´estournel 1990, um bordeaux que hoje encara qualquer premier grand cru, ao lado de uma costeleta de cordeiro acompanhada de polenta com creme de funghi moriles. Uma referência para os amantes da boa mesa. O último vinho foi o Chateau La Mission Haut Brion 1971 acompanhado de queijo brie de meaux que raramente aparece por aqui no Brasil. Esse gran finale homenageava o ano de nascimento da aniversariante da inesquecível noite.

A primeira conclusão desse memorável evento é que o ideal do vinho é sempre estar bem acompanhado à mesa e, se possível, dividido com pessoas especiais e mais ainda com uma celebração. Esse trio é um enobrecedor de qualquer garrafa. Analisando o jantar segue o que a técnica e a história nos dizem. O ano de 1999 ao sul do Rhône foi uma safra muito especial, porém não extraordinária. 1996, essa sim foi uma safra muito especial em diversas regiões do mundo. Especificamente no Napa Valley a safra foi mediana, mas o vinho em questão, o Chardonnay Private Reserve é uma obra prima.

Em 1992 tivemos boas safras em pouquíssimas regiões do mundo. Na Alsácia tivemos nada mais que um ano bom. Já 1990 foi um ano abençoado. Tivemos excelentes safras em vários locais do planeta. Em Bordeaux a safra foi gloriosa e produziu talvez os melhores vinhos depois da lendária safra de 1982. 1971 não foi uma safra muito boa em Bordeaux, mas não pode ser considerada excepcional. Porém o La Mission 1971, talvez ajudado pelo significado do evento, foi aclamado o destaque da noite.

A segunda conclusão é que nem sempre as safras mais badaladas produzem os melhores vinhos. O trabalho do enófilo deve ser como o de um garimpeiro; encontrar o vinho mais especial, das safras que tenham um significado particular para ele. No caso desse evento nota-se que não foi necessário comprar o que os críticos aconselhavam. Por exemplo, se usássemos só como critério o que os especialistas pregam, provavelmente não seria o Beringer o vinho escolhido da safra 1996, pois sem dúvida na Borgonha ou em Bordeaux tivemos em 1996 uma safra muito mais especial que no Napa Valley.

O mesmo vale para 1992, que foi muito boa na Califórnia, mas se destacou por produzir excepcionais vinhos do Porto. Na África do Sul 1992, talvez tenha alcançado a melhor performance desse difícil ano.

É comum encontrarmos publicações que comentam safras, mas quase sempre os comentários são sobre as regiões e suas safras. Agora vamos fazer pela primeira vez no Brasil um 'raio-x' das safras mundiais de destaque desde o pós 2ª guerra mundial, com comentários sobre cada uma delas.

1945 - Uma safra lendária que é reconhecida como a melhor safra do século. Esse comentário é baseado nos longevos vinhos da região de Bordeaux. Um detalhe importante dessa safra nessa região é que a colheita foi feita, em sua maioria, por mulheres, pois grande parte dos homens estava nos campos de batalha. O significado dessa safra milagrosa para os franceses é algo de muito valor. O Chateau Latour e o Mouton Rothschild 1945 estão entre os mais cobiçados vinhos do mundo ainda hoje. Temos ainda em 1945 uma grandíssima safra de Champagnes, Borgonhas, Rhônes (destaque para os longevos Cote-Rotie e Hermitage), Barolos e Babarescos, e por último Vinhos do Porto marcantes, profundos e longevos.

1946 - Na Europa nada de bom e consequentemente nada que ainda esteja "vivo". O destaque desse ano foi a Califórnia que produziu excepcionais vinhos.

1947- Na Espanha um excelente ano na Rioja. A Itália produziu excelentes Chiantis nessa safra (a maioria desses vinhos já "está passado"). No Rhône, na França, muito bons Hermitages e Cote-Roties. Na Borgonha tivemos uma muita boa safra que oferece hoje vinhos maduros que dão muito prazer. Em Bordeaux tivemos uma safra excepcional. Sauternes de primeiríssima linha. O destaque é para as regiões de Pomerol e Saint Emilion. O Chateau Cheval Blanc 1947 é sempre referência quando falamos de vinho do século XX.

1948 - Excelentes Portos Vintage. Boa safra na Rioja e Ribera del Duero na Espanha

1949 - Sublime em Bordeaux, destaque para Margauxs, Pauillacs e Sauternes. Elegantes e longevos Pinot Noirs da Borgonha. Esses vinhos são considerados benchmarch em elegância e finesse. Deliciosos vinhos foram produzidos na Alemanha. Os vinhos top e adequadamente guardados dessa safra estão deliciosos até hoje

1950 - Hoje só alguns vinhos do Porto podem ser considerados bons.

1951 - Somente excelentes Cabernets da Califórnia.

1952 - Maravilhosos Tokays da Hungria. Na Espanha excelentes tintos da Rioja e do Penedes. Espetaculares vinhos em toda região do vale do Rhône. Alguns vinhos de Pessac, sub-região de Bordeaux ainda estão muito apreciáveis. Destaque para o citado nessa matéria Chateau La Mission Haut Brion.

1953 - Bons Champagnes. Excelente Vega Sicília da Espanha. Gloriosos Ausleses da Alemanha (muitos ainda deliciosos). Excelentes Cote-Roties do Rhône e muito bons tintos da Borgonha. Uma safra espetacular em Bordeaux. A maioria desses vinhos estão "passando". A recomendação é degustá-los rapidamente. As exceções são os ainda com vida pela frente e valorizadíssimos Chateaux Mouton Rothschild, Margaux e Haut Brion.

1954 - Bons doces da Ilha da Madeira em Portugal e Tokays da Hungria.

1955 - Excepcionais vinhos do Porto (26 produtores declararam seus vinhos como Vintage). Muito bons tintos da Rioja - Espanha. Sauternes de grande destaque. Muito bons tintos de Bordeaux (Medoc e principalmente Graves) consumo rápido.

1956 - Safra difícil em quase todo planeta. Para um verdadeiro garimpeiro a missão é encontrar um elegante borgonha branco ainda com vida. Bons Tokays da Hungria.

1957 - Muito bons vinhos da Ribera del Duero (ExcelenteVega Sicília). Especiais vinhos da Toscana na Itália. Impressionantes Doces (Tokays) da Hungria. Muito apreciaveis Hermitages e Cote-Roties da França. È possível encontrar ainda bons Grand Crus da Borgonha. Apesar de uma safra muito difícil em toda região tivemos alguns produtores que produziram maravilhas. Destaque mais uma vez para o Chateau La Mission Haut Brion e Lafite Rothschild (verdadeiras raridades hoje - muito cobiçados).

#Q#

1958 - Bons Portos Vintage. Excepcionais Cabernets da Califórnia. Excelentes tintos do Piemonte (Barolos e Barbarescos).

1959 - Ano de muita fortuna para os amantes de bons vinhos. A melhor safra de Vinhos do Porto após 1945 e a melhor até a lendária 1963. Em Champagne tivemos uma safra que produziu exuberantes exemplares que ainda hoje estão cheios de vida, obviamente se bem guardados (sem dúvida a melhor de toda década). Muitos bons tintos na Califórnia. Excelentes Riojas na Espanha.

Talvez os melhores Tokays em termos de maturidade hoje. Os brancos doces da Alemanha e da Alsácia foram e ainda são históricos. Maravilhosos Cote-Roties do Rhône. Potentes e magníficos tintos da Borgonha. Excelentes Sauternes e absolutamente marcantes vinhos de Pauillac e Ste Estephe. O destaque aqui vai para o Chateau Mouton Rothschild, que está entre os melhores já produzidos em todos os tempos, se não for o melhor.

Michele Giovannini/Stock.Xchng

1960 - Excelentes Madeiras e Portos (24 produtores declararam a safra como Vintage). A Espanha produziu um excelente Vega Sicília na Ribera del Duero.

1961- Safra lendária. Em Bordeaux a de maior destaque após 1945. Vinhos tintos com uma estrutura incrível em quase todas as apelações da região. Os Chateau Latour e Latour a Pomerol são ícones e ainda tem muita vida pela frente. No Rhône todos os vinhos foram esplêndidos. O Hermitage La Chapele de Paul Jaboulet é um das maiores referencias já produzidas a partir da uva Shiraz. Na Alsácia também tudo deu certo, produziram vinhos de gama superior. Tivemos para finalizar na França excelentes Champagnes. Na Itália temos excelentes Barolos, Barbarescos e Brunellos.

1962 - Muito bons exemplares em toda Bordeaux, com destaque para os brancos e Sauternes. Na Borgonha bons tintos e excelentes brancos. Champagnes acima da média. Muito bons Toscanos da Itália e Riojanos da Espanha. Excelentes tintos a base de Shiraz da Austrália.

1963 - Ano extraordinário no que diz respeito a vinho do Porto Vintage. O Fonseca está entre os mais espetaculares vinhos do Porto já produzidos. São hoje os Vintage mais valorizados. Muito bons tintos na África do Sul, Austrália e Estados Unidos. Excepcionais Tokays da Hungria

1964 - Safra diferenciada em Champagne (prontíssimos para serem degustados). Excelentes tintos da margem direita (Pomerol e Saint Emilion) e Graves em Bordeaux. Soberbos e intensos tintos na Borgonha. Espetaculares tintos em toda a região do Rhône. Muito bons tintos italianos tanto no Piemonte quanto na Toscana. Safra prodigiosa em toda Espanha, com destaque para a Rioja e Ribera del Duero.

1965 - Bons Tokays da Hungria e excelentes Cabernets nos Estados Unidos.

1966 - Excelentes vinhos em Bordeaux. Elegantes e firmes vinhos, tanto brancos como tintos, na Borgonha. Tintos do Rhône de alta qualidade e distinção. Excelentes tintos de Portugal. O famoso Barca Velha fez e continua fazendo história. Sublimes Shiraz da Autrália. Champagens muito especiais e Vinhos do Porto da melhor qualidade.

1967 - Safra muito boa na Toscana. Excelentes brancos da Alsácia. Maravilhosos vinhos do Rhône com destaque para os Chateauneufs du Pape. Esplendorosos Sauternes (o Yquem é disputadíssimo com preços altíssimos).

1968 - Excelentes Tokays da Hungria e muito bons Toscanos e Amarones da Itália. Grandes e longevos tintos tanto da Rioja quanto da Ribera del Duero na Espanha. Espetaculares tintos da Califórnia. Maravilhosos 'Madeiras Vintage'.

1969 - Alguns top cuvées de Champagne ainda estão muito bons. Verdadeiras maravilhas foram produzidas na região da Borgonha, tanto brancos como tintos. Os tintos de boa estirpe estão deliciosos hoje. Os tintos do norte do Rhône estão marcantes e ainda com muita vida. Uma das duas melhores safras para tintos na África do Sul na década de 60.

1970 - Uma safra muito importante para toda a região de Bordeaux. Na época foi recorde em produção. Saint Emilion e Pomerol são os destaques. O Petrus é um dos mais intensos já produzidos e ainda está jovem. Bons vinhos em todo Rhône. Muito bons vinhos do Piemonte na Itália e verdadeiras esculturas líquidas na Rioja e no Penedes na Espanha. Portos Vintage de extrema profundidade e elegância.

1971 - Excelentes vinhos foram produzidos em toda região de Bordeaux, mas os destaques são os brancos e os Sauternes (talvez hoje os mais incríveis para uma degustação). Na Borgonha fenômeno semelhante com tintos maravilhos e brancos inesquecíveis. Intensos e marcantes doces da Alsácia e especialíssimos e maduros tintos em todo Rhône. Em Champagne tivemos verdadeiros fenômenos produzidos, que estão prontíssimos para serem consumidos. Na Alemanha talvez tenhamos os mais diferenciados vinhos doces já produzidos. Na Itália tivemos vinhos de primeira linha nas duas principais regiões, Piemonte e Toscana, mas o grande destaque são os incríveis e vivos Barolos.

1972 - Bons Borgonhas foram produzidos. Hoje só os tops ainda têm vida e propiciam prazer. Atualmente ainda temos bons e maduros Hermitages. Excepcionais Tokays.

1973 - Não temos vinhos franceses 'vivos' hoje. O que essa safra tem de melhor é o rótulo do Chateau Mouton Rothschild que nesse ano foi promovido a Gran Cru Classe (pintura de Pablo Picasso). Esse vinho, mesmo sem expressão, é um rótulo ainda valorizado no mercado. Muito bons Cabernets na Califórnia.

1974 - O clima não ajudou e tivemos um péssimo ano na França. Uma conclusão para os amantes de tintos de Bordeaux. Alguns produtores são especializados em produzir bons vinhos em safras difíceis. O Chateau Latour 1974 é um a experiência única. Excelente e marcante. Muito bons Barbarescos e Barolos. Uma das melhores safras da história da Califórnia (muitos aclamam como a melhor de todas até hoje).

1975 - Bons vinhos em toda Bordeaux, (Sauternes excelentes). Os vinhos top dessa região são talvez os mais tânicos dos últimos anos. O Chateau Latour degustado recentemente mostra ainda muita juventude. Não está pronto. Bons e maduros Brunellos di Montalcino. Muito bons vinhos da Rioja na Espanha e que estão muito bons para consumo hoje. Excepcionais Cabernets e Shiraz da Austrália. Agradáveis e prontíssimos Vinhos do Porto Vintage.

#Q#

1976 - Muito bons vinhos foram produzidos em Bordeaux, superiores aos de 1975 e mais uma vez os Sauternes se destacaram. Esses vinhos devem ser consumidos rapidamente, pois estão em seu ápice. Na Borgonha tivemos vinhos também bons. O La Tache 1976 é monumental e com uma finesse indescritível. O Norte do Rhône produziu tintos maravilhosos.

Os doces da Alsácia estão absolutamente maravilhosos hoje (safra excepcional). Especiais tintos foram produzidos na Austrália (Grange - perfeição liquida). Em Champagne tivemos excelentes vinhos, mas em sua grande maioria já passaram um pouco. Para os que querem celebrar com bolinhas essa safra tem que ir aos tops de linha como Krug Collection e Gosset Vintage (essa uma das maiores e melhores Champagnes já degustadas por esse editor).

1977 - Bons Brunellos di Montalcino foram produzidos. Especias tintos foram produzidos na Califórnia. Excelentes Malbec na Argentina. Uma das mais clássicas safras de Vinho do Porto de todos os tempos, ao lado de 1945, 1963, 1994 e 1997. Os melhores das casas Taylor´s, Fonseca, Graham's e Dow estão ótimos hoje, mas ainda tem algumas décadas pela frente.

1978 - Bons tintos de Bordeaux. Maduros e prontos para serem consumidos. Uma das mais clássicas safras da Borgonha, tanto para brancos como para tintos. Para amantes de Borgonha não há como escapar. No Rhône também deu tudo certo. Tivemos uma safra das mais espetaculares de todos os tempos. Os Cote-Roties e Hermitages estão entre os mais clássicos vinhos a base da uva Syrah já produzidos. Na Itália também tudo deu certo tanto no Piemonte quanto na Toscana. Tintos Italianos excepcionais foram produzidos nessa safra que foi a melhor de toda a década de 1970. Muito bons Cabernets foram produzidos na Califórnia. Agradáveis e intensos tintos da Austrália e África do Sul (estão na maioria em seu ápice).

1979 - Na França tivemos uma boa safra que nos trouxe bons tintos e brancos de Bordeaux, Borgonha e Rhône (nada de muito destaque, mas podemos encontrar excelentes garrafas). Os Champagnes são o que temos melhor dessa safra na França. Muito bons doces brancos tanto de Áustria (Auseles) quanto na Hungria (Tokays). Excepcionais Barolos e Barbarescos. Muito bons Brunellos e excelente Sassicaia. Diferenciados e deliciosos tintos da Austrália para degustar hoje.

1980 - Bons tintos da Borgonha e Rhône (consumo rápido, pois estão bem maduros). Elegantes e prontíssimos tintos da Rioja-Espanha. Excelentes vinhos foram produzidos em toda Portugal, com destaque para Dão e Bairrada. Muito bons tintos da Califórnia. Bons vinhos foram produzidos na Austrália, com destaque para os Cabernets, que estão em sua maturidade e prontos para consumo. Excelentes Portos e Madeiras foram produzidos e estão ótimos para serem consumidos.

1981 - Podemos encontrar bons vinhos tintos e Sauternes na região de Bordeaux. No sul do Rhône temos ainda excelentes Chateaunefs du Pape, dos produtores top . Na Rioja e na Ribera Del Duero temos bons e maduros tintos.

1982 - Talvez a mais aclamada e unânime safra de todos os tempos para a França, Itália, Espanha e Portugal, que produziram vinhos espetaculares em diversas de suas regiões. Em Bordeaux os tintos são sucessores dos grandíssimos 1961 e 1945. Os tintos top estão entre os mais cobiçados hoje por enófilos. Muito bons tintos e excelentes brancos da Borgonha. Excepcionais Champagnes que ainda causam furor. Espetaculares Barolos, Barbarescos e Brunellos foram produzidos na Itália.

Na Espanha talvez estejamos falando da safra de mais potencial de guarda até hoje. Impressionantes vinhos da Rioja, Ribera del Duero e Penedés. Excelentes Portos Vintage e Vinhos de Mesa foram produzidos em Portugal (excepcional Barca Velha e maravilhoso Palácio do Buçaco). Safra perto da perfeição em toda Austrália, destaque para os Cabernets de "South Austrália". Excelentes e longevos Cabernets foram produzidos na África do Sul.

1983 - Muito bons tintos (destaque para Margaux e Saint Emilion), excelentes brancos e excepcionais Sauternes foram o que Bordeaux nos propiciou. Bons tintos e excelentes brancos tivemos na Borgonha. Os brancos estão sublimes. Espetaculares Cote-Roties e Hermitages do Rhône, prontos para consumo, mas com anos ainda pela frente. Os vinhos doces da Alsácia estão absolutamente fenomenais e alguns Rieslings ainda resistem. Safra das melhores nessa região. Bons Champagnes. Excelentes Tokays da Hungria. Muito bons Barolos da Itália. Excelente Barca Velha e deliciosos Vinhos do Porto de Portugal.

1984 - Na Europa a safra foi muito difícil. Só a Espanha conseguiu produzir alguns bons vinhos (Rioja, Ribera del Duero e Penedés). A Califórnia produziu excelentes Cabernets que hoje estão no pico de maturação.

1985 - A mais espetacular safra de Champagne dos últimos anos. Um must para um enófilo. O furor continua, pois em Bordeaux tivemos uma safra para tintos que para alguns supera a espetacular 1982, principalmente para os que apreciam vinhos mais fáceis de degustar. Excelentes Brancos e Sauternes também foram produzidos. Na Borgonha temos vinhos absolutamente fantásticos. A comuna de Vosné Romanée produziu talvez os mais especiais vinhos de todos os tempos. Profundos, longevos e especialíssimos vinhos foram produzidos em todo o Rhône.

Na Itália tivemos um ano inesquecível. Barolos, Barbarescos, Brunellos e Super Toscanos estão entre os mais cobiçados. O Sassicaia, por exemplo, é disputadíssimo por colecionadores, atingindo preços inacreditáveis. Belíssimos Riojas e Riberas de Duero da Espanha. Bons Portugueses do Norte. Entre as melhores safras da História do Napa Valley na Califórnia. Os Tops Cabernets estão sublimes hoje e ainda tem alguns anos pela frente. Mais um consistente ano na Austrália (excelentes Shiraz e Cabernet). Excelentes Vinhos do Porto Vintage.

#Q#

Michele Giovannini/Stock.Xchng1986 - Excelentes e longevos tintos de Bordeaux e Sauternes. Os tintos são para longa guarda. Bons tintos e excelentes brancos da Borgonha. Bons tintos do Piemonte na Itália e muito bons Riojas da Espanha. Excepcionais e potentes vinhos foram produzidos na Austrália com destaque para "South Austrália".

1987 - Safra muito desvalorizada em se tratando de tintos de Bordeaux, mas podemos achar vinhos muito bons principalmente em Graves-Pessac. Safra também para garimpeiros, pois podemos achar bons exemplares de Borgonhas tintos.

1988 - Muito boa safra em toda Bordeaux. Tintos de muita qualidade e longevidade ( value for money ). Muito bons brancos e excepcionais Sauternes. Sublimes e encantadores tintos da Borgonha que estão deliciosos hoje e que tem muitos anos ainda para evoluir na garrafa. Excelentes tintos e brancos do Rhône. Excelentes Brancos da Alsácia. Grandíssimos Champagnes com excelente acidez para evoluir por mais alguns anos. Muito bons Barolos e Barbarescos. Excelentes Super Toscanos e Brunellos di Montalcino. Interessantes Cabernets e Shiraz da África do Sul. Na Ilha da Madeira tivemos uma das melhores safras da década.

1989 - Para muitos especialistas essa é a melhor safra de tintos de Bordeaux. Taninos muito bem resolvidos e muita fruta são o que mais impera nessa importante safra. As boas condições climáticas também fizeram uma produção maravilhosa tanto para brancos como para os Sauternes (entre os melhores dos últimos anos). Na região de Champagne o clima conspirou para mais uma excepcional safra.

Hoje podemos encontrar Milésimes deliciosos. Excelentes tintos e brancos em toda Borgonha e no Rhône (verdadeiras maravilhas). No Rhône tivemos talvez os melhores Chateaunefs de Pape da história e marcantes Cote-Roties e Hermitages. Os tops doces da Alsácia estão deliciosos para serem degustados, mas sem dúvida vão evoluir por mais 10 anos. Barolos e Barbarescos estão entre os mais prestigiados e especiais de toda a década de 80.

1990 - Essa safra foi histórica, pois na época foi de fato a primeira vez que tivemos 3 safras de muito sucesso na região de Bordeaux. Os tintos de todo o Medoc, Graves-Pessac e margem direita(Pomerol e Saint Emilion) foram de excepcional qualidade. A discussão se essa safra foi melhor que 1989 gera sempre longas conversas. Em Sauternes também tivemos uma safra de destaque que produziu vinhos para durar 50 anos. A França teve sorte mesmo, com sublimes ícones na Borgonha, tanto em Tintos como Brancos.

Excepcionais tintos em todo o Rhône. Os Chateauneufs du Pape estão deliciosos. Os top Syrahs ao longo do rio Rhône ainda precisam de muita garrafa na adega, mas já propiciam muito prazer. Na Alsácia e no Loire tivemos talvez os melhores brancos dos últimos anos. Os Champagnes dessa safra se equiparam aos absolutamente espetaculares 1985. Clássicos exemplares de Champagne estão entre os mais disputados nos leiloes hoje em dia. A Europa toda foi agraciada por esse majestoso ano, porque tivemos também excelentes safras na Alemanha, Áustria e Hungria.

A alegria continua e na Itália tivemos talvez uma das mais especiais safras dos últimos tempos, pois tivemos grandes vinhos em quase todas as regiões. Barolos e Barbarescos são para longa guarda. Os Super Toscanos estão fantásticos (talvez dos melhores produzidos até hoje) e os Brunellos com muita vivacidade. Amarones de tirar o fôlego. Bons vinhos em toda Espanha (excepcionais na Ribera del Duero). Excelentes e deliciosos tintos foram produzidos na Austrália e Estados Unidos.

1991 - Bons tintos e brancos na Borgonha. Deliciosos Cote-Beaune para provocar os apaixonados por Pinot Noir. Excelentes Tokays da Hungria. Vinhos de excelente qualidade na Espanha (Rioja, Ribera del Duero e principalmente Penedés). Extraordinários vinhos foram produzidos na Califórnia. Muito bons vinhos tintos foram produzidos no Hemisfério Sul (África do Sul, Astrália e Nova Zelândia). Excelentes vinhos do Porto, deliciosos hoje e com guarda para mais 20 anos em alguns casos. A primeira e mais divulgada safra de boa qualidade do sul do Brasil. Ainda temos interessantes vinhos dessa safra para serem degustados rapidamente.

1992 - Uma safra difícil na Borgonha, mas os resultados foram vinhos muito bons e para consumo rápido. No Rhône tivemos bons tintos e brancos. Bons Champagnes foram produzidos e na sua maioria com boa evolução. Estão deliciosos hoje. Excelentes tintos da Califórnia. Alguns deliciosos como o Beringer Cabernet Sauvignon Reserve e o Silver Oak Napa Valley. Excepcionais tintos de Stellenbosch na África do Sul. Muito bons Vinhos do Porto. Algumas casas como Nieport e Taylor's produziram exemplares históricos.

#Q#

1993 - Safra controversa em Bordeaux. Podemos encontrar deliciosos tintos se tivermos paciência. Estão na sua maioria deliciosos para serem consumidos. Excelentes tintos da Borgonha também prontos para consumo. A comuna de Vosne Romanée tem verdadeiras maravilhas nessa safra pouco valorizada. No Rhône tivemos bons e ainda firmes tintos e brancos. Na Alsácia tivemos brancos acima da média. Excelentes Brancos doces da Áustria, Alemanha e principalmente da Hungria (Tokays). Bons e prontos Italianos tanto do Piemonte quanto da Toscana (esses últimos um pouco superiores). Vinhos sem constancia na Califórnia, mas podemos achar deliciosos Cabernets a preços convidativos(vale a pena tentar). Muito bons Portos Vintage. Excelentes Cabernets Chilenos(a primeira grande e moderna safra do Chile).

1994 - Histórica safra para vinhos do Porto. Intensos, profundos e extremamente longevos. Para celebrar hoje, amanhã e por mais 50 anos. Em Bordeaux muito bons tintos e excelentes brancos. Na Borgonha a historia foi a mesma (bons tintos e ainda melhores brancos). Apesar de desprestigiada podemos encontrar excelentes vinhos do norte do Rhône (e o melhor a convidativos preços). Bons e raros Champagnes. Bons brancos tanto doces como secos na Alemanha e Áustria. Excelentes tintos da Toscana/Itália, Ribera del Duero/Espanha e Alentejo/Portugal. Excepcionais Tintos foram produzidos na Califórnia (muita estrutura, corpo e longevidade - deliciosos). Excelentes vinhos foram produzidos na Austrália, com destaque para o oeste (western).

1995 - Excelente safra em Bordeaux para Tintos, Brancos e Sauternes. Uma safra salvadora para a região depois de 4 difíceis anos. Os tintos Top são vinhos para longa guarda. Na Borgonha não foi diferente, pois tivemos vinhos excelentes e alguns casos excepcionais. No Rhône completamos a trinca, pois os tintos e brancos são de altíssima qualidade. Os Brancos deliciosos hoje e os tintos começam a desabrochar por agora. Excelentes e resistentes brancos tantos do Loire quanto da Alsácia. Excelentes Champagnes que estão excelentes para serem degustados hoje.

Grande ano na Itália. Especiais e expressivos vinhos em quase todas as regiões. Barolos e Barbarescos para longa guarda. Os Chiantis e Super Toscanos estão deliciosos hoje e muito valorizados. Na Espanha, Riojas e Riberas del Duero de alta qualidade. Muito bons tintos em toda Portugal. Especiais tintos da Califórnia. Clássicos vinhos foram produzidos em toda Austrália e África do Sul. Nesses dois países as safras são consideradas espetaculares e estão entre as melhores do últimos anos. Bons Madeira e Portos Vintage. Excelentes Tintos na Argentina e Chile.

1996 - Excepcionais vinhos tintos e Sauternes em Bordeaux. Os Brancos são muito bons. Os melhores tintos da região são os vinhos do Medoc (norte). Muitos são abordáveis hoje, mas tem muitos anos de evolução em garrafa. Na Borgonha também tivemos uma grandíssima safra. Excepcionais tintos e Brancos históricos. Os tintos das grandes casas estão entre os mais valorizados dos últimos anos. Vinhos de qualidade foram produzidos no Rhône (tintos e brancos). Nas regiões do Loire e Alsácia os vinhos também foram de muito boa qualidade. Na Champagne tivemos vinhos que rivalizam com a grandíssima safra de 90. Clássicos e longevos Champagnes foram produzidos pelas principais casas da região.

Grandíssimos Barolos e Barbarescos foram produzidos. Vão durar muitas décadas. Muito bons e frutados vinhos da Rioja e Ribera del Duero. Deliciosos para consumo hoje e nos próximos 5 anos. Bons tintos Californianos. Os vinhos de Robert Mondavi, o Cabernet Sauvignon Reserve e o Opus One estão entre os mais especiais já produzidos. Vinhos de alta gama e profundidade foram produzidos em toda a Austrália. Em Barossa tivemos verdadeiras obras primas.

#Q#

1997 - A mais difundida e mais badalada safra de todo o século na Toscana, Itália. Realmente tivemos excepcionais vinhos, mas a grande maioria está amadurecendo rapidamente. Os Top Super Toscanos como Solaia, Sassicaia e cia ltda, tem ainda muita vida pela frente. Brunellos Riserva são muito bons, mas a preços exorbitantes. No Piemonte também tivemos grandes vinhos a base da uva Nebiollo, mas também tivemos Barberas de alta qualidade. Excelentes Amarones do Veneto/Italia. Ótima Safra em Champagne. Vinhos de alta gama em Bordeaux e Borgonha, com destaque para os Brancos. Os tintos das duas regiões são vinhos de amadurecimento precoce (estão deliciosos).

No Rhône tivemos excelentes Tintos e Brancos. Tanto na Alsácia quanto no Loire os brancos são extraordinários e estão absolutamente espetaculares para serem degustados hoje. Excelentes Brancos da Alemanha e Áustria (secos e doces). Os Cabernets, Pinot Noirs e Chardonnays da Califórnia dessa safra estão dentre os mais especiais já produzidos. Os tintos ainda têm tempo de evolução na garrafa. Os Chards estão na sua plenitude. Muito bons tintos na Austrália e África do Sul. Excelentes Vinhos do Porto Vintage (muito bons para quem gosta de um super concentrado Porto). Excelentes Cabernets no Chile e muito bons Malbecs na Argetina.

1998 - Excelentes vinhos na margem direita do rio Garone em Bordeaux (Saint Emilion e Pomerol). Alguns tops do Medoc também se destacaram. Bons e vivos brancos nessa região. Excelentes Sauternes. Na Borgonha o sol castigou as videiras durante a colheita, mas o resultado foi bom. No Rhône tivemos vinhos de alta gama tanto no sul quanto no norte. Especialmente no sul, talvez estejamos falando de uma das melhores safras dos últimos 10 anos (soberbos Chateauneufs du Pape).

Na região de Champagne tivemos uma safra inconstante, mas com excepcionais exemplares. Os melhores estão começando a ser lançados. Na Itália o destaque vai para os Vinhos da costa da Toscana (Maremma-Bolgheri). Tivemos ainda excelentes vinhos em todo o Piemonte (Barolos e Barberas de altíssima qualidade). Excelentes vinhos da Ribera del Duero e Rioja. Elegantes tintos no Alentejo/Portugal. Muito bons vinhos foram produzidos na Austrália, África do Sul e Nova Zelândia.

1999 - Excepcionais Champagnes. A grande rival de 1990 e 1996. Safra de altos e baixos em Bordeaux. Com paciência podemos encontrar tintos excepcionais e a excelente custo-benefício(a safra de 2000 foi muito valorizada e com isso acabou desvalorizando alguns ótimos 99). Brancos muito bons e Sauternes maravilhosos. Na Borgonha tivemos talvez a mais espetacular safra depois da benchmark 1990. A revista inglesa Decanter publicou que os Romaneé Conti são os melhores produzidos até hoje. Os Brancos também são de alta expressão.

Excelentes e alguns excepcionais Cote-Rotie e Hermitages do Rhône (Vinhos do norte melhor que do sul). Excepcionais brancos doces da Áustria, Alemanha e Hungria (Tokays). Na Itália tivemos mais um ano sublime. Excelentes vinhos no Piemonte (Barolos e Barbarescos).

Na Toscana a safra foi uma das rivais da badalada 1997... Se não melhor. Na Espanha ótimos tintos de Rioja, Navarra e Ribera del Duero. Sensacionais tintos da Califórnia e da Austrália, principalmente no oeste (Western Austrália). Excepcionais Pinot Noirs da Nova Zelândia. Exuberantes e deliciosos tintos tanto do Chile quanto da Argentina.

#Q#

2000 - Essa safra em Bordeaux foi a que teve mais marketing em toda história do vinho. Sem dúvida estamos falando de tintos excepcionais, mas a preços que não se justificam (minha franca opinião corroborada por alguns críticos de renome). Os tintos do Medoc foram lançados no mercado a preços dos já maduros e consagrados 1989 e 1990. Tivemos ainda em Bordeaux muito bons tintos e excelentes Sauternes. Bons Tintos e excelentes brancos na Borgonha.

Bons vinhos de uma maneira geral no Rhône, Loire e Alsácia. Excepcionais Tokays na Hungria. Tânicos e potentes vinhos tanto no Piemonte quanto na Toscana. Extraordinários Amarones no Vêneto. Bons tintos na Espanha para consumo rápido. Maravilhosos tintos do Douro e Alentejo. Muito bons tintos em toda América (EUA, Chile e Argentina). Espetaculares e longevos Portos Vintage.

2001 - Os tintos de Bordeaux estão sensacionais e têm na proximidade com a aclamada 2000, sua grande atratividade. Vinhos de alta qualidade a preços muito mais baixos que os irmãos da safra anterior. Os Sauternes estão entre os mais impressionantes já produzidos (O Chateau Suduiraut é o mais intenso doce já provado por esse editor). A profundidade e a doçura desses líquidos dourados são impressionantes. Absolutamente deliciosos hoje e com muitas décadas pela frente.

Bons tintos da Borgonha. Sublimes e deliciosos Chateauneufs du Pape no Sul do Rhône. O 6º ano seguido de bons Barolos e Barbarescos. Na Toscana tivemos uvas de excelente qualidade que produziram vinhos de altíssima qualidade. Na Espanha também tivemos uma grande e especial safra. Os tintos da Rioja e Ribera del Duero estão entre os melhores dos últimos 20 anos. Esplendidos tintos nos EUA (excelentes Cabernets e Shiraz). Muito bons tintos no Chile, Argentina e África do Sul.

2002 - Apesar de uma safra com muitas variações, temos excelentes exemplares de tintos em Bordeaux. Os brancos e Sauternes são de muito bons para excelentes. Na Borgonha temos excelentes brancos e tintos (absolutamente deliciosos já na juventude). Excelentes e excepcionais brancos respectivamente no Loire e na Alsácia (talvez a melhor safra dessa região nos últimos 15 anos). Na região de Champagne a promessa é grande para termos excepcionais exemplares. Excelentes Cabernets na Califórnia. Vinhos de alta gama tanto no Chile quanto na Argentina. Excelentes tintos e brancos na Austrália (excelentes em Western Austrália) e Nova Zelândia. Excelentes tintos foram produzidos no sul do Brasil (a melhor safra depois de 1999).

2003 - O maior calor de todos os tempos assolou grande parte da Europa com temperaturas que chegaram a 50ºC. Apesar desse fenômeno que preocupou (e muito os produtores de várias regiões) os resultados foram excelentes na França, Itália, Espanha e Portugal. Esplendidos vinhos tintos de Bordeaux. A safra mais valorizada após a badaladíssima 2000. Grandes vinhos com alto potencial de guarda. Muito bons Tintos na Borgonha. Na Alsácia tivemos a colheita mais cedo dos últimos cem anos. Muito bons vinhos também no Loire. No Rhône a previsão é termos uma safra muito variável alternando excelentes vinhos com alguns nem tanto.

O Sul do Rhône terá melhores vinhos que o norte (previsão otimista de uma safra clássica). Na Itália temos já excelentes tintos da Toscana e Vêneto (grande ano para os Amarones). Na Espanha teremos os melhores vinhos provenientes do Penedes. Em Portugal depois de muito sofrimento os vinhos do Douro estão se consagrando como os melhores já produzidos. São muito potentes e já deliciosos, o que preocupa é se serão longevos ou não. Excelentes tintos também do Alentejo. Na Bairrada espetaculares tintos. Na África do Sul tivemos um ano espetacular. Tintos de longa guarda e brancos absolutamente fantásticos (Sauvignon Blanc e Semillon). Muito bons tintos e brancos na Argentina e tintos de alta qualidade no Chile.

2004 - Ainda cedo para dizer, mas excelentes tintos são esperados de Bordeaux. Os preços dos tintos dessa região baixaram entre 20 e 40 por cento se comparados com a safra anterior. A diferença de qualidade não é tão grande assim. Bons tintos da Borgonha. Excepcionais tintos e brancos em todo o Rhône. Os Chateauneufs du Pape são sublimes. Excelentes chilenos tanto brancos como tintos (esse chegando ao mercado agora). Na Argentina tivemos também bons exemplares.

2005 - Poucas informações conclusivas até o momento. Em Bordeaux as informações que nos chegam é que as pontuações dos grandes críticos apontam para uma safra espetacular para os grandes tintos e lamentavelmente a preços nada convidativos. Os Sauvignons Blanc da Nova Zelândia que estão chegando ao mercado são deliciosos (uma grande e especial safra).

Escolha sua safra, boa celebração e saúde!!!!

Luiz Gastão Bolonhez

Publicado em 18 de Abril de 2006 às 12:11


Capa

Artigo publicado nesta revista

Escolha a sua safra

Revista ADEGA 7 · Maio/2006 · Escolha a sua safra