Revista ADEGA
Busca

Vinho & Saúde

Estudo britânico liga hábito de tomar vinho com menor risco de infecção por Covid-19

A pesquisa foi publicada no Frontiers of Nutrition e analisou os dados de mais de 470 mil pessoas


Estudo britânico liga hábito de tomar vinho com menor risco de infecção por Covid-19. Crédito da imagem: ViewApart / iStock / Getty Images Plus

Segundo estudo, consumidores de vinho tinto têm até 17% menos chance de contrair o vírus. Crédito da imagem: ViewApart/iStock/Getty Images Plus

Uma pesquisa publicada no Frontiers of Nutrition trouxe a notícia que tanto queríamos ouvir. Pessoas que bebem vinho têm menor risco de infecção pela Covid-19.

» Vinho, queijo e café. As chaves para um coração saudável

» Pós-Covid: conheça cinco formas para recuperar seu olfato e paladar enquanto se recupera

E mais! O mesmo não serve para consumidores de outras bebidas como cerveja por exemplo.

O estudo levou em conta os hábitos de consumo de álcool de 473.957 pessoas e descobriu que consumidores de vinho tinto têm até 17% menos chance de contrair o vírus do que alguém que não consome a bebida. Para os apreciadores de vinho branco e espumante o índice cai para até 8%.

“Estudos mostraram que os vinhos apresentam propriedades benéficas que independem da presença de álcool, devendo ser atribuídas ao seu conteúdo polifenólico”, diz o estudo. 

“O vinho tinto oferece benefícios adicionais a outras bebidas alcoólicas provavelmente devido ao seu maior teor de polifenóis, diminuindo a pressão arterial, inibindo a oxidação de partículas de lipoproteínas de baixa densidade e outros efeitos favoráveis ​​no estado redox celular, melhorando a função endotelial, inibindo a agregação plaquetária, reduzindo a inflamação e a adesão celular e ativando proteínas que previnem a morte celular.”

Quando comparado a outras bebidas como a cerveja, a chance de contágio aumenta em até 28% em relação a alguém que não bebe álcool.

Segundo o próprio estudo, é importante salientar que a pesquisa utiliza dados correlacionados, desse modo, não é possível dizer se outros fatores não estudados podem estar na equação.

Preferimos pensar que não! 😁😉

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

André De Fraia
Publicado em 24/01/2022, às 13h00


Mais Mundovino