Mundo Vino

Pesquisadores revelam genoma da maior praga da viticultura

Filoxera é estudada desde os século XIX e ainda não há uma forma de se livrar da praga


 

Um novo estudo, publicado na revista BMC Biology, lança luz sobre as origens e a propagação da filoxera e fornece uma análise detalhada da sequência do genoma do inseto, o que pode ter implicações mais amplas em seu manejo no vinhedo daqui para frente. 

LEIA MAIS

» Solução para uma das maiores pragas vinícolas da história pode vir de ovos de sapo

» A história do vinho

O inseto se alimenta das raízes da videira, restringindo a absorção de nutrientes e água e danificando a planta, deixando-a vulnerável a infecções. A videira fica enfraquecida e acaba morrendo. Desde que foi identificada, os viticultores controlaram a praga enxertando videiras em porta-enxertos americanos, que evoluíram para serem resistentes ao inseto. 

O estudo observa que a filoxera encontrada na bacia do rio Mississippi, alimentando-se de vinhas selvagens de vitis riparia, “provavelmente foi a principal fonte da invasão à Europa”. A propagação subsequente do inseto para partes da América do Sul e oeste da Austrália “foi o resultado de introduções secundárias de fontes europeias”. 

A análise da sequência genômica do DNA nuclear da filoxera encontrou um total de 2.700 genes, a maior família de genes já identificada em um genoma. Os pesquisadores acreditam que o grande número de genes é essencial para a interação entre a filoxera e as videiras. 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Da redação

Publicado em 19 de Outubro de 2020 às 13:00


Notícias Filoxera Vinho Genoma Praga

Artigo publicado nesta revista