Moscatel

A diversidade da Moscatel

As variedades da Moscatel produz espumantes, vinhos tranquilos e podem ser consumidas ao natural


No Brasil, a uva Moscatel produz excelentes espumantes

"A pianae" era o nome em latim da uva Moscato, em tempos longínquos quando ela veio da Grécia para a Itália. São as uvas conhecidas há mais tempo pelo homem e acredita-se que tenham sido as primeiras a deixar a Ásia nas mãos dos fenícios, em direção ao ocidente há mais de 5 mil anos. Da Grécia, elas se espalharam por todo o Mediterrâneo e multiplicaram-se. Seu nome significa "preferida das abelhas", por conta do grande teor de açúcar que essa Vitis vinifera acumula quando madura.

Algumas variedades são excelentes para consumo ao natural (ou como passa) por terem cachos grandes e resistentes. São também vinificadas, mas representam um desafio para os enólogos: "A dimensão e consistência dos cachos e bagas são atributos que dificultam a extração de suco para a vinificação. Felizmente, existem tecnologias específicas para esta uva na vinícola, pois seus aromas característicos e sabor adocicado ficam bem em muitos estilos de vinhos", explica o enólogo Christian Bernardi.

Leia mais:

Como nasce um espumante?

Qual o estilo do espumante brasileiro?

Farroupilha recebe título de Capital Nacional do Moscatel

Cores e nomes

O ampelógrafo Pierre Galet (ampelógrafo é o botânico especializado no estudo das videiras) cita em seu dicionário de cepas 150 variedades de Moscatel, que variam entre uvas brancas e tintas, viníferas e híbridas (combinações genéticas de uvas de mesa e de uvas finas). Mas todas elas têm uma coisa em comum: o aroma.

Nada é mais característico do que o aroma das uvas Moscatel. Uma composição delicada do perfume de uva madura, almíscar, mel, pêssego, damasco e um suave floral. É inconfundível.

[Colocar Alt]

Outra característica importante é que são uvas que, quando vinificadas, podem produzir desde vinhos secos, aromáticos e frutados, passando por espumantes e chegando aos de sobremesa, muitos deles naturalmente doces. Nenhuma outra casta tem tanta versatilidade.

No Brasil, a principal produção de vinhos com a uva Moscatel é a de espumantes. Com teor alcoólico um pouco mais baixo, doçura e perfume acentuados, é um vinho que conquista muitos paladares. "Acredito que o espumante Moscatel no Brasil é uma forma de iniciação nos vinhos finos. É um produto delicado, leve e de qualidade muito boa, que agrada muitos paladares e combina com nosso clima", afirma Benildo Perini, da Vinícola Perini, de Farroupilha, cidade gaúcha que produz mais de 50% das uvas Moscatel do País.

O mundo da Moscatel

Muitos países têm vinhos Moscatel e, em geral, eles têm variedades de uva especialmente adaptadas às suas terras. No sul da França, são encontrados os fortificados (mais alcoólicos e doces) como o Beaumes-de-Venise, feitos a partir da cepa Moscatel Branco de Grãos Pequenos; na Itália, a variedade Moscato Bianco é a base da composição do famoso espumante Asti da região do Piemonte, e a Moscatel de Alexandria compõe o vinho de sobremesa doce e dourado da Sicília, o Moscato de Pantelleria.

A mesma variedade (de Alexandria) também é muito popular na Espanha e em Portugal, sendo que, em terras lusitanas, resulta no famoso vinho doce Moscatel de Setúbal. Já no Novo Mundo, especialmente nos Estados Unidos, a variedade mais utilizada é a Moscato Canelli, enquanto os sul africanos utilizam uma variedade tinta chamada de Muskadel em seus vinhos doces e rosados. Sejam brancos, espumantes ou de sobremesa com cor dourada e bastante estrutura, os vinhos da uva Moscatel são distintos e perfumados e vêm deliciando paladares há milênios.

Veja também:

+ Vinhos Moscatel brasileiros avaliados pela ADEGA

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76%

Sílvia Mascella Rosa

Publicado em 29 de Agosto de 2019 às 18:00


Notícias Moscatel espumantes uvas de vinhos espumante brasileiro