Bordeaux: onde nascem os vinhos IGW

Grande parte dos vinhos para investimento nasceram na mais famosa vitivinícola da França


Em qualquer conversa no mundo sobre grandes vinhos, Bordeaux é o local onde se concentram todas as atenções do mercado de consumidores e investidores. Os melhores Châteaux de Bordeaux são sinônimos de status e reconhecimento, mesmo para pessoas que nunca tiveram a oportunidade do prová-los, tornando-os desta forma, objetos de desejo no mercado de alto luxo.

São estimados que aproximadamente 120 rótulos representem 90% de todos os investimentos em vinhos finos no mundo e o mais impressionante é que 25 vinhos concentrem 80% de todo o mercado. Por isso, não existem muitos motivos para investimentos em vinhos IGW (Investment-Grade Wines) fora da região de Bordeaux.

Por causa de sua importância, os vinhos de Bordeaux são os mais comercializados no mundo e uma verdadeira legião de comerciantes, críticos, colecionadores e amantes desses vinhos vão a Bordeaux todos os anos para provas no barril da safra do ano anterior (conhecido por “en primeur”) e saber os preços que os produtores vão estabelecer no mercado, como também para a maior feira do mundo: a Vinexpo.

Até os anos 90, com os preços dos vinhos relativamente baratos, a Seagram’s dominava a distribuição do mercado de Bordeaux através de sua subsidiária Château & Estate. Entretanto, até mesmo esta gigante na área de bebidas teve que abrir mão de seu virtual monopólio quando os preços começaram a subir dramaticamente a partir de 1995, o que permitiu a entrada de dezenas de novos négociants no mercado de distribuição. Atualmente existem cerca de 400 empresas no setor.

Quais são as chaves da rentabilidade em Bordeaux?
1) Fácil de entender
A classificação do Médoc em 1855 com 61 vinhos em cinco categorias diferentes ajuda muito a entender o processo de hierarquia em Bordeaux, pois fica mais fácil identifi- car quem é quem em cada nível e quem ficou fora da classificação: 5 Premiers Crus, 14 Deuxièmes Crus, 14 Troisièmes Crus, 10 Quatrièmes Crus e 18 Cinquièmes Crus.

Quando Robert Parker chegou à cena no final dos anos 70, ele questionou a famosa classificação dizendo que muitos Châteaux estavam “deitados sobre os louros”. A maioria ficou irritada com a declaração, mas o fato é que, com a ascensão de Parker e sua forma autoritária de criticar vinhos, ele fez com que muitos produtores melhorassem significativamente a qualidade.

2) Grande produção de vinhos excepcionais
Os melhores Châteaux de Bordeaux possuem uma habilidade única no mundo: produzir grandes quantidades de vinhos com altíssima qualidade. A consistência na qualidade combinada com enormes volumes de produção é o que possibilita grandes investimentos nas safras passadas e futuras de Bordeaux. Alguns exemplos:
> Château Latour: 15.000 caixas
> Les Forts de Latour: 12.500
> Château Lafite-Rothschild: 18.000 a 25.000
> Carruades de Lafite: 20.000 a 25.000
> Château Mouton-Rothschild: 25.000
> Le Petit Mouton: 3.500

3) Longevidade dos vinhos
Os vinhos de Bordeaux provaram durante séculos sua excepcional capacidade de envelhecer bem e, quanto maior a vida útil do vinho, maior é a chance de os comerciantes e investidores comprarem e venderem estes vinhos várias vezes. Para completar, os críticos fazem previsões do ciclo de vida de uma determinada safra, quanto tempo será necessário de adega, pico de maturidade e início do envelhecimento, dados muito utilizados por toda a cadeia de negócio para avaliar o correto preço de uma garrafa.

#Q#

4) Previsibilidade do mercado
Por causa de sua estabilidade, comerciantes e investidores podem estimar com razoável acerto como os vinhos de Bordeaux vão valorizar nos próximos 10, 20 e até 30 anos. Essas previsões são baseadas principalmente no histórico de comercialização de safras passadas, em que esses vinhos são largamente vendidos – principalmente em leilões no mundo todo e também através da bolsa eletrônica Liv-ex em Londres, que é uma espécie de Nasdaq para vinhos.

5) Avaliações dos vinhos
Existem muitas avaliações de vinhos em Bordeaux, mas a melhor fonte para vinhos IGW vem de Robert Parker, que conseguiu se estabelecer na região de uma forma ímpar, tornando suas pontuações tão importantes para os produtores que, dependendo do caso, um ponto de diferença em relação à safra anterior pode significar de 8 a 10 milhões de euros a mais de faturamento da vinícola no ano. Isso ficou bem claro na avaliação en primeur da safra 2008. Comerciantes londrinos, preocupados com a recessão econômica e também pelo fato de os estoques de Bordeaux das safras 2006 e 2007 terem “encalhado” por causa dos altos preços, fizeram uma grande pressão sobre os négociants e produtores em Bordeaux para baixar os preços da safra 2008.

Quando a pressão estava no máximo, alguns Châteaux iniciaram suas vendas com preços inferiores a 2004. Depois de alguns dias, foi divulgado o relatório de Parker com grandes elogios à safra de 2008, comparando muitos vinhos com a excepcional safra de 2005. Em poucas horas os preços dobraram (triplicaram no Château Lafite-Rothschild) e os vinhos foram vendidos rapidamente.

Tabela dos vinhos IGW de Bordeaux
O mercado de Bordeaux utiliza normalmente o jargão “Margem Esquerda” e “Margem Direita” do rio Gironde. Existem vinhos IGW em qualquer uma das margens, mas mesmo as melhores safras podem sofrer grandes oscilações de qualidade e preços. Confira a tabela dos vinhos IGW de Bordeaux 2009 com a classificação dos melhores produtores e safras.
Douglas Andreghetti - dpa@winestock.com.br


#Q#

Douglas Andreghetti

Publicado em 7 de Dezembro de 2009 às 15:39


Enobusiness

Artigo publicado nesta revista