Revista ADEGA

Curiosidades

Caberlot: a história do rótulo toscano

O vinho original foi produzido por um possível cruzamento entre Cabernet Franc e Merlot

Guilherme Veloso em 4 de Julho de 2019 às 16:00

 

[Colocar Alt]

O inverno de 1985 será lembrado como um dos mais rigorosos na Toscana. Entre outros prejuízos, o frio dizimou incontáveis oliveiras em diferentes localidades. Mas, em pelo menos um caso, a tragédia climática resultou no lançamento de um vinho absolutamente original: o Il Caberlot, produzido pela Podere Il Carnasciale, situada a 30 quilômetros tanto de Siena como de Arezzo. Para entender a relação entre esses dois acontecimentos sem conexão aparente, é preciso recuar alguns anos e contar uma história que parece enredo de novela, com locações na Itália, Alemanha e França. 

Tudo começa no início dos anos 1960, perto de Pádua, quando o agrônomo Remigio Bordini identificou, num vinhedo quase abandonado, uma uva até então desconhecida, aparentemente resultado de um cruzamento natural entre a Merlot e, possivelmente, a Cabernet Franc. Bordini plantou um pequeno vinhedo com mudas da variedade para avaliar sua viabilidade comercial e registrou-a para fins legais. A uva desconhecida tornou-se oficialmente a “L32”.

Leia também:

Toscana: um roteiro enogastronômico

Por que a Merlot conquistou a fama que tem?

Quais receitas harmonizam com Cabernet Franc?

Como nas novelas, o cenário muda para Berlim, na Alemanha. Entram em cena um bem-sucedido diretor de criação de uma agência de publicidade internacional, Wolf Rogosky, e sua mulher, Bettina, ambos alemães. Quando estudante de arte, Wolf viajara pela Toscana e se apaixonara pela região. Nos anos 1970, o casal soube que, devido à crise econômica, havia muitas propriedades praticamente abandonadas à venda na região. E decidiu conhecer algumas delas in loco. Entre as que visitaram, a Podere Il Carnasciale não parecia, pelo menos à primeira vista, a mais promissora. Além do mau estado de conservação, pesava o fato de que não tinha luz elétrica ou água encanada. Mas a vista, a quase 500 metros de altitude, encantou os Rogosky e selou a compra, em 1972.

No início, em razão do trabalho de Wolf, as visitas eram esporádicas. O casal viveu em Nova York, Paris e Berlim. Wolf, amante de vinhos, sempre quis plantar vinhedos nas encostas rochosas do terreno. Mas não obteve a permissão necessária das autoridades, até que o frio inverno de 1985/1986 se encarregou de matar as centenárias oliveiras da propriedade. Vencidos os trâmites burocráticos, conseguiu, finalmente, a autorização. Faltava apenas decidir que casta ou castas plantar na área liberada. De imediato, ele descartou a opção mais óbvia, ou seja, a Sangiovese, matriz dos grandes tintos toscanos, a começar pelo Chianti. Na sua avaliação, outras propriedades da região tinham condições mais favoráveis para cultivá-la do que Il Carnasciale. Assim, decidiu consultar um especialista. E aqui entra em cena mais um personagem importante nessa história: o enólogo Vittorio Fiore, que fazia alguns dos vinhos de que Wolf e Bettina mais gostavam. Fiore conhecia Bordini e colocou Rogosky em contato com ele, sugerindo que tentassem a tal variedade desconhecida. Bingo!

Junção

[Colocar Alt]

Variedade desconhecida, aparentemente resultado de um cruzamento natural entre a Merlot e, possivelmente, a Cabernet Franc, foi encontrada em um vinhedo quase abandonado

O primeiro vinhedo foi plantado em 1986, em alta densidade (11 mil plantas por hectare), com mudas fornecidas por Bordini. O plantio usou o sistema gobelet/alberello (troncos baixos, em forma de arbusto ou “vaso”, e podas curtas, para diminuir o rendimento das videiras). Inicialmente, foram ocupados apenas 0,3 hectare de terreno próximo à casa principal, o que, obviamente, limitava drasticamente a produção. Não fosse o talento criativo de Wolf, talvez o vinho que começou a produzir ficasse restrito à família e aos amigos, como ocorre muitas vezes nesse tipo de projeto. Mas ele tinha ambições maiores. Primeiro, como bom publicitário que era (morreu em 1996 e suas cinzas estão enterradas no jardim ao lado da casa principal), decidiu que o nome do vinho seria justamente o acrônimo formado pelas duas uvas que teriam dado origem à que foi plantada. E ainda conseguiu que a L 32 fosse oficialmente rebatizada com o nome que tem hoje, Caberlot, de apelo comercial muito maior.

Segundo, numa iniciativa que poderia parecer suicida do ponto de vista comercial, se considerada a já minúscula produção, decidiu só engarrafar o Caberlot em magnuns, equivalentes a duas garrafas normais, simplesmente porque acreditava que grandes vinhos necessitam de formatos maiores para se desenvolver plenamente. Note-se que até então não havia nenhum vinho produzido com a variedade descoberta por Bordini. Ou seja, plantar Caberlot era uma aposta no escuro. Mas a fé de Wolf no projeto era tanta que, para dar sorte, enterrou uma garrafa fechada de Sassicaia safra 1985, um dos chamados supertoscanos, no local destinado ao primeiro vinhedo.

Por muitos anos (o segundo vinhedo, com 0,8 hectare, só foi plantado em 1999), a produção do Il Caberlot não ultrapassou pouco mais de 500 garrafas magnum. Menos ainda (300 garrafas) na primeira safra, 1988, produzida com uvas provenientes do pequeno vinhedo experimental de Bordini. A veia publicitária de Wolf se fez presente, também, na escolha do rótulo. Uma simples cruz pintada à mão, que muda ligeiramente de formato e de cor a cada ano. A da safra 2015, atualmente à venda, é preta sobre fundo azul. Todas as garrafas são numeradas também à mão por Bettina.

A decisão de só engarrafar em magnum não foi seguida em 1989 e 1992, porque o casal Rogosky não considerou a qualidade à altura do padrão estabelecido para o vinho. Por isso, decidiram vendê-lo em garrafas de 750 ml. E houve um ano, 1990, em que o Caberlot não foi produzido simplesmente porque as uvas foram comidas por javalis, antes que os vinhedos fossem cercados. Assim, a primeira safra produzida inteiramente com uvas da própria Podere Il Carnasciale foi 1991.

Herança

Mas, a maior exceção à regra de só engarrafar em magnuns não foi fruto do clima ou do acaso. Por muitos anos, foram produzidas 24 garrafas de 750 ml exclusivamente para o estrelado restaurante L’Ambroisie, em Paris. “Meus pais eram clientes regulares de Monsieur e Madame Pacaud no L’Ambroisie, antes mesmo de ele se instalar na Place des Vosges”, explica Moritz, filho mais velho do casal. “Por muito tempo, fornecemos nosso azeite de oliva para o restaurante e meus pais decidiram engarrafar um pequeno lote do Il Caberlot exclusivamente para eles”. O fato de ser o único rótulo não-francês na carta desse templo da alta gastronomia obviamente atraiu muita curiosidade para um vinho praticamente desconhecido.

Podere Il Carnasciale foi comprado em 1972 pelo casal Rogosky

Após a morte de Wolf, Bettina decidiu continuar o projeto, inicialmente com a ajuda do filho Philip, “um ano e um dia” mais moço do que Moritz, como conta o mais velho. Philip trabalhou na propriedade dos pais de 1996 a 2002, quando decidiu dedicar-se exclusivamente à produção cinematográfica em Roma, onde vive. Curiosamente, Moritz, que até então se dedicara à carreira de designer de moda masculina, ocupou seu lugar. Educado em Nova York, Oxford e Paris, ele ainda mora em Paris com a família, quando não está na Toscana, mas trocou a moda pelo vinho.

[Colocar Alt]

Wolf Rogosky e Remigio Bordini, criadores do Caberlot

A Podere Il Carnasciale conta, hoje, com 4,5 hectares distribuídos por cinco parcelas diferentes de vinhedos. As mais recentes (de 2010 e 2013) foram plantadas numa quota mais baixa (250 metros) do que as mais antigas (450 metros de altitude), com um duplo objetivo, segundo Peter Schilling, que responde pela enologia com o italiano Marco Maffei. Primeiro, o de facilitar a maturação da própria Caberlot, que precisa de calor; segundo, o de garantir que, mesmo diante de um desastre climático, como o que dizimou as oliveiras em 1985, haverá uvas para produzir algum vinho. Todo o trabalho no vinhedo é manual e, em parte, realizado por um grupo de admiradores do vinho vindos de diferentes partes do mundo, que se intitulam “Amigos do Caberlot”.

A produção é totalmente orgânica e o rendimento, como esperado, baixo: 3 toneladas por hectare. Após a colheita, o mosto é fermentado, sem engaços, em pequenos tanques de inox, correspondentes a cada parcela de vinhedo e a cada dia de colheita. A malolática e o amadurecimento do vinho se dão em barricas de carvalho francês, 60% novas, por 22 meses, com uma única trasfega. Ao final desse período, testa-se o vinho de cada barrica para decidir o que será destinado ao próprio Il Caberlot e o que dará origem ao Carnasciale, o segundo vinho, lançado pela primeira vez em 2000. Uma vez tomada essa decisão, o Caberlot, do qual serão produzidas em torno de 3 mil garrafas por safra, só será liberado 16 meses depois de engarrafado; o Carnasciale, com produção em torno de 8 mil garrafas, após seis meses. Este último chega ao mercado em garrafas normais de 750 ml. Ao irmão mais velho são reservadas apenas garrafas magnum e, mais recentemente, double-magnum.

Novidades

[Colocar Alt]

A partir da safra 2016, a Podere Il Carnasciale passou a produzir um terceiro vinho, 100%. Sangiovese. O “Ottantadue” (82) utiliza uvas próprias e de um outro produtor. As primeiras são provenientes de um pequeno vinhedo de 0,8 hectare plantado pelos Rogosky para um vizinho em 2004 e adquirido por eles em 2015. As que são compradas vêm de um vinhedo certificado como orgânico, situado nas proximidades.

Outra novidade recente foi a introdução de uma edição limitada de garrafas de 750 ml, mas com um conceito diferente. Para se manter fiel ao espírito do Il Caberlot, Moritz decidiu criar um rótulo com o nome Sommelleria e chamar as garrafas de “demi-Magnum”. O objetivo por trás desse aparente truque de marketing, que parece inspirado por seu pai, é vender essas garrafas exclusivamente a restaurantes por intermédio dos sommeliers. “Minha ideia”, explica Moritz, “é que um cliente possa descobrir e provar o Il Caberlot Sommelleria no restaurante, onde se tem a melhor apresentação e o melhor serviço para um grande vinho; e depois, por praticamente o mesmo preço, compre a magnum para sua casa e adega”.

Veja também:

+ Vinhos de Merlot avaliados pela ADEGA

+ Vinhos de Cabernet Franc avaliados pela ADEGA

A terceira, e talvez mais importante novidade, é a construção de uma nova e moderna adega de vinificação para o vinho, batizada de La Cantina Ca’berlot. Como tudo o que se relaciona ao vinho, ela é cercada de simbolismos. Para começar, o autor do projeto da nova adega, o arquiteto suíço Valerio Ogliati, é filho do também arquiteto Rudolf Ogliati, que restaurou a antiga casa em ruínas da propriedade. Totalmente em concreto e em boa parte subterrânea, para minimizar o impacto ambiental, a nova adega funcionará por gravidade e abrigará também espaços para receber visitantes e realizar degustações especiais. A forma de financiar, pelo menos parcialmente, a construção é tão original como o próprio vinho. Foram oferecidas 40 quotas no valor de 25 mil euros cada uma a quem quiser fazer parte do grupo “Amici del Ca’berlot”, que não é o mesmo dos que participam das vindimas. Cada quota dará ao investidor/amante do vinho, entre outras regalias, o direito de receber anualmente, ao longo de 25 anos, uma garrafa Salmanazar, ou seja, de 9 litros, do Il Caberlot, da qual só serão produzidas exatas 40 garrafas por safra. Ainda que o participante possa optar por receber seis magnuns (do vinho) em lugar da Salmanazar, a expectativa é que a valorização dessa última supere os rendimentos normais de qualquer aplicação financeira. A construção deve ter início em 2019 e, se tudo correr bem, ficará pronta a tempo de processar a safra 2020.

Mas engana-se quem por ventura pensar que o Il Caberlot é apenas uma curiosidade genética turbinada por marketing criativo. Trata-se de um dos grandes tintos toscanos, ainda que não seja muito fácil identificar sua origem quando provado às cegas. Para muitos, ele faz lembrar os vinhos de Saint-Émilion, o que é natural, já que estes têm por base, justamente, Merlot e Cabernet Franc. Mas há também quem veja semelhanças com os grandes Syrah do Rhône ou identifique notas encontradas em exemplares chilenos de Carménère, uva com a qual partilha uma trajetória até certo ponto parecida. Afinal, a redescoberta da Carménère no Chile se deu em vinhedos supostamente plantados com Merlot.

VINHOS AVALIADOS DE CABERLOT

AD 94 pontos

CABERLOT 2015

Il Carnasciale, Toscana, Itália (Mistral – não disponível). Degustar este vinho é um privilégio para qualquer enófilo, afinal é como presenciar o “nascimento” de uma casta. Mas não se trata apenas de uma curiosidade, é ver a natureza criando uma nova casta que é realmente capaz de gerar grandes vinhos. Daquelas coisas que tinha tudo para dar errado, mas deu muito certo. Confirma as linhas de seu irmão Carnasciale, mas com muita imponência. Mais concentração, tanto de frutas quanto taninos. Também há mais presença de “óleo da madeira”. Apresenta ainda um elegante mentol. Merece ser decantado para que sua força dê espaço à crescente elegância aromática, em que a fruta vermelha, o perfil vinoso e o toque balsâmico abrem espaço para o protagonismo floral de dama da noite. Muito longevo, ainda tem a marca da boa passagem por madeira com um aspecto lácteo e café que premiará a paciência até 2025 (ou mais). CB

AD 93 pontos

CARNASCIALE 2016

Il Carnasciale, Toscana, Itália (Mistral – não disponível). Tensão de vinho italiano com uma finesse de França. O nariz entrega a origem Cabernet Franc da variedade Caberlot. As camadas de aromas vão se sucedendo, toque animal e rústico inicialmente, passando por “merde de poulet” (jeito chique de falar titica de galinha) e, por fim, um fascinante floral. Quando não mexemos a taça, prevalece o animal. Em boca, tem muita cereja fresca. Encantam os taninos e acidez por serem as marcas de um vinho capaz de grande longevidade. Bastante seco e muito gastronômico. A fruta deliciosa vai ganhando protagonismo gravitando entre a cereja e o morango. CB


Notícias Caberlot Merlot Cabernet Franc Toscana vinhos italianos história do Caberlot

Artigo publicado nesta revista

Revista ADEGA 159 · Janeiro/2019 · Cult Wine Da Toscana

Caberlot, História e Degustação Exclusiva


Douro Primeira Prova

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
Digital
1 ano
Digital
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaDigitalDigital
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241224
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 432,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 64,80R$ 100,00
Desconto
EconomizaR$ 151,20R$ 332,00
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também Guia ADEGA Guia ADEGA Vinhos do Brasil 2018/2019 + Poster "as cores do vinho"

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas