Revista ADEGA
Busca

Com olho no futuro

Champagne comemora 2021 e já se prepara para 2050

Região teve uma rápida recuperação após a queda em 2020 e agora estabelece métricas para longo prazo


Champagne comemora 2021 e já se prepara para 2050

Região de Champagne teve recorde de vendas em 2021

O ano de 2020 trouxe uma queda de 18% para as Maisons de Champagne. A pandemia fechou o setor que mais comercializa vinhos no mundo, o canal conhecido como HORECA – hotéis, cafés e restaurantes.

» Deiva, o primeiro branco espanhol de um ícone tinto

Os números poderiam ter sido piores, no início de 2020 a região chegou a enfrentar 40% de baixa, mas contou com uma recuperação forte na medida que as contaminações de Covid-19 regrediam e a vacinação iniciava.

Em 2021 os números comprovaram a recuperação. Um total de 320 milhões de garrafas de Champagne foram vendidas em todo o mundo. Um aumento de 31% em relação a 2020 e 8% em relação a 2019. Em valores, € 5,7 bilhões foram comercializados, um aumento de 36% em relação a 2020. Recordes históricos.

Agora, com a situação da pandemia – por hora – mais sobre controle, as Maisons se reuniram para discutir o futuro da região. Maxime Toubart e Jean-Marie Barrillère, co-presidentes do Comité Champagne (CIVC), anunciaram que estão preparando Champagne para enfrentar os desafios impostos pelas mudanças climáticas e uma modernização da região no que diz à sustentabilidade.

O Comité anunciou a estratégia para “preparar o champanhe para 2050”:

  • Trabalhando para a neutralidade de carbono, com metas estabelecidas em 25% de emissões compensadas até 2025 e 75% até 2075.
  • Até 2030 toda a área de vinhedos estará sob pelo menos uma das três certificações: Orgânica, Alto valor ambiental e Viticultura sustentável.
  • Redefinir regras e regulamentos para preservar a qualidade e o caráter de Champagne no contexto das mudanças climáticas. Detalhes sobre quais regulamentos podem mudar no futuro próximo não foram fornecidos, mas, Toubart e Barrillère confirmaram que isso pode incluir mudanças nas variedades permitidas e na porcentagem delas nos blends.
  • Ampliar e consolidar o reconhecimento legal da apelação, com foco especial nas questões em andamento nos EUA e na Rússia

A curto prazo o desafio, segundo o Comité, será manter o nível de qualidade dos espumantes mesmo com a crescente busca e consequente aumento nas produções. As Maisons ainda buscam aumentar o reconhecimento de Champagne como mais que uma simples bebida e sim um patrimônio cultural.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

André De Fraia
Publicado em 17/02/2022, às 11h00


Mais Mundovino