Almanaque do vinho

Portuguesa, com certeza. A francesa, porém, alentejana, Alicante Bouschet

Uva nasceu em laboratório na França, foi importante na Lei Seca dos EUA, mas em Portugal que encontrou sua casa


A Alicante Bouschet hoje é encontrada até em terroirs clássicos como Chianti

Já era coisa de família. Louis Bouschet em 1824 havia criado a Petit Bouschet, uma casta que se destaca em locais quentes, tanto que um dos principais terroirs da uva é a Argélia.

Mas o nome da família na vitivinicultura mundial seria marcado pelo filho de Louis, Henri Bouschet em 1866 pegou a criação do seu pai e fez um cruzamento com a Grenache. Nascia ali a Alicante Bouschet.

Batizada com o sobrenome da família Bouschet e Alicante por ser uma das formas que a Grenache era conhecida, a uva se espalhou e chegou a ser uma das mais plantadas do mundo.

O principal fator que levou a Alicante Bouschet a cair no gosto dos produtores é que se trata de uma casta tinturada. Ou seja, além da casca, a polpa também tem cor. Os vinhos assim são mais estruturados e encorpados mesmo com tempo menor de maceração.

Alicante Bouschet e sua polpa roxa

Esse fato levou a uva a ser uma das mais utilizadas durante a Lei Seca nos Estados Unidos. Imagine que com a proibição de fabricação, transporte e vendas de bebidas alcóolicas um punhado de uvas poderia facilmente e rapidamente se transformar em vinho.

E era isso o que acontecia. Os comerciantes vendiam “tijolos de Alicante Bouschet” que os “enólogos”, que eram os próprios compradores, colocavam em banheiras cheias de água e pronto, vinho. Ou quase isso...

Fato é que em meados do século 20 a Alicante Bouschet começou a ser deixada de lado. O estilo de vinho encorpado poderia ser feito com outras uvas e ali começou um declínio da casta.

É aí que entra Paulo Laureano. O enólogo português é conhecido por transformar a francesa Alicante Bouschet na portuguesa Alicante Bouschet. Ou como ele gosta de dizer “a naturalizei portuguesa. E digo ainda mais, a naturalizei como alentejana”.

Crédito: https://www.eater.com/2011/6/28/6673733/alicante-bouschet-prohibitions-darling-grape

Antigo pé de Alicante Bouschet em Lodi na Califórnia que foi usado durante a Lei Seca

Ele disse em entrevista à ADEGA que queria uma casta que trouxesse cor e estrutura, mas que não deixasse de lado o equilíbrio. “Elas valem pelo equilíbrio, tal como os vinhos. Uma uva é boa porque consegue dar um bom teor alcoólico, boa acidez, boa estrutura, boa composição aromática”, completou o enólogo.

Porém, lembram que uma de suas ascendências é a Petit Bouschet que se dá bem em locais quentes como a Argélia? Pois é, é aí que entra o Alentejo.

“E a Alicante Bouschet só consegue fazer isso [dar equilíbrio ao vinho] com duas premissas: número elevado de horas de sol e temperaturas elevadas. Por isso, é mais do que uma uva portuguesa, é uma uva alentejana. Porque a Alicante só tem a expressão enológica que tem, no Alentejo”, explica Paulo.

Hoje a casta volta a conquistar terroirs mundo afora. Além de Portugal, Espanha, Califórnia, Chile, Brasil e até Chianti são alguns dos locais que temos a presença da Alicante Bouschet.

E para encontrar os mais bem pontuados vinhos feitos com a casta das melhores importadoras do Brasil, clique aqui.

Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

André De Fraia

Publicado em 10 de Setembro de 2021 às 19:00


Almanaque do vinho Alicante Bouschet História Uva Alentejo França Lei Seca Paulo Laureano Portugal