Revista ADEGA
Busca

Vinho e Parkinson

Como o vinho pode ajudar a melhorar a vida dos portadores do Mal de Parkinson

Os flavonoides presentes nos vinhos e em algumas frutas foi apontado como figura importante na dieta de portadores de Parkinson


Imagem Como o vinho pode ajudar a melhorar a vida dos portadores do Mal de Parkinson

Um novo estudo descobriu que uma dose moderada de vinho tinto, frutas e vegetais pode reduzir o risco de mortalidade para aqueles que sofrem da doença de Parkinson.

A pesquisa da Penn State University, Harvard e outras instituições, publica da narevista Neurology, analisou dados do Nurses' Health Study (NHS), que começou em 1976 com 121.700 enfermeiras, com idades entre 30 e 55 anos, e do Health Professionals Follow-up Study (HPFS), que começou em 1986 com 51.529 profissionais de saúde do sexo masculino, com idades entre 40 e 75 anos.

O autor principal Xiang Gao e sua equipe analisaram informações sobre 599 mulheres e 652 homens que haviam sido diagnosticadas com Parkinson e foram acompanhados a cada quatro anos até 2012. Os resultados mostraram que, quando as pessoas diagnosticadas com doença de Parkinson ingeriam mais flavonoides (maior ou igual a três porções por semana de qualquer uma das categorias de flavonoides), elas tinham um risco de mortalidade de 25 a 40% menor. Mais especificamente, os pesquisadores descobriram que aqueles que comiam mais antocianinas, encontradas em vinho tinto e frutas vermelhas, tinham uma taxa de sobrevivência 66% maior em comparação com aqueles no grupo de consumo mais baixo.

Aqueles que consumiram mais flavan-3-ols, encontrados em maçãs, chá e vinho, tiveram uma taxa desobrevivência 69% maior em comparação com o grupo mais baixo.

como-o-vinho-pode-ajudar-a-melhorar-a-vida-dos-portadores-do-mal-de-parkinson
O flavan-3-ols, encontrado em maçãs, chá e vinho, está ligado a uma vida mais longa aos portadores de Parkinson

Para referência, as pessoas do grupo mais alto consumiram cerca de 673 miligramas de flavonoides por semana, enquanto as do grupo mais baixo consumiram cerca de 134 miligramas por mês. Uma taça de vinho tinto contém cerca de 200mg.

“O estudo fornece mais evidências sobre os efeitos neuroprotetores de frutas e vegetais. Observamos que a ingestão pequena a moderada de vinho tinto pode estar associadaa uma menor mortalidade entre indivíduos com Parkinson, mas não incentivamos as pessoas que atualmente não bebem álcool a começar”, disse Xiang Gao.

Ele ainda liderou um estudo de 2012 que analisou o consumo de flavonoides de 130.000 homens e mulheres antes do início do Parkinson e descobriu que uma dose semanal substancial de frutas e vegetais ajudou a prevenir o distúrbio do sistema nervoso. Ele diz que os flavonoides podem retardar a perda de neurônios e protegercontra o declínio cognitivo, que está associado a um maior risco de mortalidade.

Embora os resultados pareçam promissores, Gao tem certeza de que o estudo pode ser aprimorado e cimentado com uma melhor avaliação da dieta (os questionários de frequência alimentar nem sempre são precisos) e da progressão do Parkinson, especialmente porque os pesquisadores usaram a mortalidade como uma medida indireta do transtorno do sistema nervoso.

Redação
Publicado em 02/07/2022, às 08h00


Mais Mundovino