Familia Torres reduz efeito estufa com ações ambientais e quer trator elétrico nos vinhedos


A vinícola fundada em 1986 está na quinta geração da família Torres, que mantém relação histórica com os vinhos de regiões da Catalunha como Penedès e Priorat. A empresa faz parte da Primum Familiae Vini, uma associação que representa 12 das famílias de vinho mais antigas do mundo

A vinícola espanhola Familia Torres reduziu suas emissões de carbono por garrafa em 30% em todo a cadeia, da vinha ao consumidor, comparando com os níveis de 2008, de acordo com o inventário de pegada de carbono da empresa em 2019.

A empresa de propriedade familiar em Penedès, na Catalunha, está comemorando o seu 150º aniversário e alcançou a meta um ano antes do previsto. O objetivo agora é a redução de 55% nas emissões de CO2 por garrafa, em comparação com os níveis de 2008, até 2030.

LEIA MAIS

» Château Latour é joia de Bordeaux que remonta à guerra entre França e Inglaterra

» Finca Sophenia faz vinhos que respeitam a terra aos pés dos Andes

 

"Fizemos um esforço enorme para atingir a meta, que na época considerávamos ambiciosa. Agora é o momento de pressionar por ações ambientais para mitigar o aquecimento global e proteger a viticultura de seus efeitos", afirma Miguel Torres, presidente da Familia Torres.

Uma das missões da Família Torres é gerar e desenvolver programas culturais e educacionais em sua região, apoiando iniciativas de voluntariado social e ambientais. O grupo não mede esforços para colaborar com a redução do aquecimento global que se coloca como um verdadeiro problema para a viticultura a nível mundial

 

Segundo ele, trabalhar com fornecedores com baixa pegada de carbono fez uma grande diferença, incluindo embalagens e distribuição, o que afeta quase 90% da pegada da vinícola. O segundo fator é o uso de energia renovável, medidas de eficiência energética e transporte sustentável, além da introdução de mais garrafas leves.

A Familia Torres trabalha com uma caldeira de biomassa em sua principal vinícola em Pacs del Penedès, que reduziu o consumo de gás em 95%. Além disso, 80% da frota de veículos da empresa é híbrida ou elétrica. A Torres estuda inclusive a viabilidade do uso de tratores elétricos na vinha.

 

 A Família Torres possui um magnífico grupo de vinhedos na Espanha, tanto pela extensão quanto pela variedade e a qualidade, e estende sua atuação para vinhas em Rioja, Ribera del Duero, Rueda e Rias Baixas, além de outros países de grande potencial como o Chile e os EUA, na Califórnia

 Outros grandes projetos do grupo para a captura de gases de efeito estufa causadores do aquecimento global, e a vinícola tem projeto vultuosos de reflorestamento em propriedade de 6.000 hectares na Patagônia Chilena, além do uso da tecnologia CCR (Carbon Capture Reuse) para reutilizar o CO2 liberado durante a fermentação do vinho.

 

Para proteger o meio ambiente, 80% da frota de veículos da empresa é híbrida ou elétrica. A Torres estuda inclusive a viabilidade do uso de tratores elétricos na vinha. A vinícola teve participação em três projetos para o Brasil, liderados pela ONG Childhood Brazil, onde foram fornecidas estruturas de acolhimento e atividades sociais de proteção infantil

Em 2019, a Familia Torres juntou-se à Jackson Family Wines na Califórnia para lançar o projeto vinícolas internacionais para a ação climática (IWCA), reunindo empresas dispostas a assumir o compromisso com a redução de emissões e descarbonização do setor vitivinícola.

A Familia Torres é membro da Primum Familiae Vini, uma associação que representa 12 das famílias de vinho mais antigas do mundo, e tem uma conexão histórica com Penedès, Conca de Barberà, Priorat e Costers del Segre. Sua presença, porém, se estende a vinhedos e vinícolas em importantes regiões espanholas como Rioja, Ribera del Duero, Rueda e Rias Baixas, além do Chile e da Califórnia.


Da redação

Publicado em 2 de Junho de 2020 às 12:00


Notícias