Revista ADEGA
Busca

Escola do vinho

A história do Barolo

Como nasceu um dos ícones italianos


Barolo, o vinho dos reis e o rei dos vinhos

A fama de Barolo está intrinsecamente ligada à unificação do reino da Itália no século XIX. Na época, o país era composto por diversos pequenos estados, cada um controlado por um reino diferente. Após viagens pela pela França, Inglaterra e Suíça, o filho de um latifundiário piemontês, Camillo Benso (futuro Conde de Cavour) decidiu implementar o que havia aprendido em suas terras.

Diz-se que ele apreciou os vinhos borgonheses que provou na corte de Savoia, que reinava sobre a Sardenha (esta dominava o Piemonte), e desejava que os vinhos locais tivessem a mesma qualidade. Desejo compartilhado com a francesa Juliette ColbertdiMaulévrier, conhecida como Marquesa de Barolo, casada com o importante aristocrata Carlo TancrediFalletti.

A mudança teria vindo com o enólogo francês Louis Oudart, contratado por Cavour e também pela marquesa. Quando ele chegou, a Nebbiolo era cultivada em grandes rendimentos e colhida muitas vezes precocemente, pois amadurecia apenas no final de outubro ou, às vezes, em novembro. Depois de colhidas, as uvas iam para adegas sujas, onde ocorria uma fermentação errática geralmente interrompida pelo inverno, antes de todo o açúcar ser fermentado. Barolo então era um vinho doce. Oudart teria mudado completamente esse panorama e começado a produzir vinhos secos.

No entanto, uma pesquisa recente de Kerin O’Keefe afirma que o mentor desse novo Barolo não teria sido Oudart, mas um enólogo italiano chamado Paolo Francesco Staglieno, autor de um manual de vinificação chamado “Istruzione intorno al miglior metodo di fare e conservare i vini in Piemonte”, publicado em 1835. Teria sido ele o enólogo chamado por Cavour para trabalhar em sua propriedade em Grinzane entre 1836 e 1841. Quando Oudart veio para Alba, Cavour já estaria seguindo as diretrizes de Staglieno e produzindo vinhos secos. 

» Nebbiolo, a famosa uva do Piemonte e seus outros nomes

» Projeto lançará primeiro Barolo carbono zero

Assim como a viticultura piemontesa, Cavourtambém ajudou a transformar a Itália. Ele apoiou a unificação do país sob a Casa de SavoiaQuando Vitor Emanuel II declarou o Reino da Itália independente em 17 de março de 1861, Cavour foi nomeado Primeiro Ministro, mas ele morreuapenas quatro meses depois.Os vinhos de Barolo logo passaram a ser os favoritos da nobreza italiana, então localizada em Turim, e começaram a ser conhecidos como “o vinho dos reis e o rei dos vinhos”.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

Redação
Publicado em 06/03/2021, às 16h00 - Atualizado em 06/04/2021, às 17h45


Mais Escola do vinho