Qual a diferença entre um espumante feito pelo método tradicional e outro pelo método Charmat?

Entre as principais diferenças dos dois métodos está o tempo de produção


É comum vermos os termos “método tradicional” ou “método Charmat” nos rótulos dos espumantes. As diferenças entre eles têm grande importância, pois o modo de produção impacta nos vinhos de várias formas.

O método tradicional recebe esse nome porque é a forma como os primeiros espumantes foram elaborados. Esse processo, muitas vezes denominado Champenoise, foi primeiramente criado na região de Champagne, na França, pelos monges cistercienses – a lenda diz que Dom Pérignon o inventou – e manteve- se praticamente inalterado até os nossos dias.

Por esse método, as borbulhas do vinho são criadas graças a uma segunda fermentação em garrafa. Ou seja, primeiro fermenta-se o mosto para que ele seja transformado em vinho. Depois, já com o vinho engarrafado, ocorre uma segunda fermentação. Nos primórdios, isso acontecia pois, com o frio, os açúcares do mosto não eram totalmente consumidos e as leveduras também não estavam todas mortas. Assim, quando a temperatura começava a subir, uma nova fermentação começava dentro da garrafa e formava-se gás carbônico.
Com o tempo, contudo, esse processo foi aprimorado e hoje açúcares e leveduras são acrescentadas após a primeira fermentação.

O método Charmat, por sua vez, é mais recente. Ele teria sido patenteado em 1895 pelo italiano Federico Martinotti (e, por isso, na Itália alguns chamam de método Martinotti), mas ele foi desenvolvido em 1907 e patenteado novamente em 1907 pelo francês Eugène Charmat. Assim como no método tradicional, as borbulhas do Charmat também se devem a uma segunda fermentação, contudo, dessa vez não em garrafa, mas em um grande tanque de inox, chamado de autoclave. Esses tanques são especialmente desenvolvidos para suportar a pressão. Depois da primeira fermentação do mosto para ser transformado em vinho, ele é colocado em tanques, acrescido de leveduras e açúcares e aí se processa uma nova fermentação, que libera gás carbônico.

Diferenças


Entre as principais diferenças dos dois métodos está o tempo de produção. No método tradicional, são necessários alguns meses para que todo o processo resulte em um espumante. Já no Charmat, esse período pode ser reduzido para dias. Com isso, obviamente, reduz-se bastante o custo, por isso os Charmat tendem a ser mais baratos. Quanto aos aromas e sabores, o tempo de contato com as leveduras também gera algumas diferenças.

Nos espumantes de método tradicional, como o contato é mais intenso e prolongado, os aromas costumam ser mais pronunciados, com toques de fermento, e sabores também mais marcantes. O Charmat, por sua vez, tende a produzir espumantes mais leves, florais, cítricos etc. Ambos, porém, produzem ótimos exemplares para todos os gostos e bolsos.

Da redação

Publicado em 22 de Agosto de 2018 às 10:12


Notícias