Harmonizações

Qual é o vinho perfeito para a fondue de queijo?

Sempre com boa acidez, ele deve ser fundamentalmente branco. Quer tinto? Escolha os leves e frutados


Vinho e fondue, um par perfeito

Como muitos clássicos da gastronomia, a fondue (ela é menina, como a caipirinha) nasceu da escassez, quando a Suíça estava mergulhada nas batalhas que unificaram o país, entre os séculos 17 e 18, o povo comia o que tinha: queijos (sempre produzidos em abundância) fundidos (fondue, em francês) numa única panela, na qual eram mergulhados pedaços de pão velho.

Mais tarde, a receita sofisticou-se e passou a receber vinho, kirsch e fécula de batata. Assim como surgiram as versões bourguignonne (da Borgonha, na França) em que a carne é cozida num caldo tão rico que é bebido ao fim da refeição.

E também o de chocolate, um charme a mais, inicialmente criado para turistas – mas já adotado nos quatro cantões suíços.

Nesse quesito, porém, há um detalhe que vale a nota: o prato nacional da Suíça jamais é consumido em versões diferentes na mesma refeição. Se é de queijo, é só de queijo. Se é de carne, é só de carne, descartando a excêntrica ideia dos festivais de fondue que pululam Brasil afora nos meses de inverno.

No país dos Alpes, aliás, a fondue é consumida no ano todo! E, exatamente por isso, as receitas ganham pequenas variações, sem invencionices, que ressaltam mais sabor aqui, mais leveza acolá.

A maior parte das vezes, adicionando ingredientes aos dez tipos principais de queijos produzidos no país. Ao misturá-los, o gruyère está sempre presente, na maior parte das vezes, na companhia do vacherin ou do raclette. Mas fica ótimo também com emmental ou appenzeller.

A fondue à Vallais, com gruyère e raclette, é a mais tradicional.

Na Suíça ou na França, aliás, paga-se uma prenda, se deixar o seu pedaço de pão cair na panela. Normalmente, é um vira-vira do destilado disponível. Mas você e o seu grupo podem combinar o que quiser, contanto que seja antes de começar a comer.  

E o vinho, onde entra aqui? Na panela e na taça: 

Brancos

• Para fazer frente a todo o leite e gordura que compõem um fondue de queijos, é preciso um vinho com boa acidez.

• Na Suíça, ele é acompanhado de um branco de uvas produzidas no cantão de Valais, chamadas Fendant ou Chasselas, casta de boa acidez, que pode resultar em vinhos tanto muito simples quanto também com mineralidade, crocância e com um fundo de amêndoas.

• Como os vinhos suíços são raros no Brasil, podemos combinar o fondue de queijo com brancos da uva Sauvignon Blanc que puxam para um lado mais cítrico ou vegetal, com brancos da uva Pinot Grigio cheios de frescor e suavidade, com alguns Riesling delicados e até com um Chardonnay com pouca ou nenhuma passagem por madeira.

• Os brancos, com seu frescor, acidez e, por vezes, um pouco de untuosidade, garantirão que o fondue não empapuce e que a boca fique limpa para o próximo bocado.

• É importante, no entanto, evitar os brancos muito aromáticos, como os das uvas Torrontés ou Viognier. Os seus aromas irão se sobrepor aos do prato. 

Tintos

• Se não consegue resistir a eles, lembre-se que a acidez deve continuar presente e um frutado suave pode ser agradável (leia Pinot Noir).

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Robert Haulfoun

Publicado em 14 de Maio de 2021 às 18:00


Harmonizações Fondue Fondue de queijo Vinho Harmonização Vinho branco Vinho tinto Chasselas Pinot Noir