Revista ADEGA
Busca

Combustível

Quem se exercita mais consome mais vinho? Pesquisa diz que sim

Os resultados de um estudo indicam que os bebedores com níveis mais altos de condicionamento físico exibiram uma tendência aumentada para o consumo de vinho


Pesquisa verificou os dados de mais de 40 mil pessoas
Pesquisa verificou os dados de mais de 40 mil pessoas

Um estudo publicado na revista Medicine & Science in Sports & Exercise, liderado por Kerem Shuval, do centro de pesquisa Cooper Institute, com sede em Dallas, descobriu que pessoas que se exercitam mais tendem a beber mais também.

Ele e sua equipe entrevistaram cerca de 40 mil participantes que se inscreveram no Cooper Center Longitudinal Study (pacientes de 20 a 86 anos que visitaram a clínica para exames médicos preventivos entre 1988 e 2019). A idade média do estudo foi de 45,9 anos e cerca de dois terços eram homens. 

A aptidão cardiorrespiratória foi medida com um teste em esteira – os participantes correm em uma esteira enquanto uma máquina mede quanto oxigênio consomem. Com base na velocidade e na nota final, os pesquisadores calcularam o equivalente metabólico máximo dos participantes (a quantidade de oxigênio que seus corpos precisam durante o repouso). Os indivíduos foram divididos em grupos de baixa, moderada e alta aptidão. 

O consumo de álcool foi medido por meio de um questionário, com foco em quantas doses por semana os participantes consumiam (a dose foi definida como 150 ml de vinho). Os pesquisadores separaram os participantes em três grupos: consumo leve, consumo moderado e consumo pesado. 

Quem se exercita mais também bebe mais?
Maratona do Médoc e seus vinhos para "hidratação"

Os resultados mostraram que os mais aptos eram mais propensos a beber. As mulheres na categoria de condicionamento moderado foram 1,58 vezes mais propensas a beber moderada ou pesadamente em comparação com suas contrapartes de baixo condicionamento, e aquelas classificadas como de alto condicionamento foram 2,14 vezes mais propensas a beber moderada ou pesadamente. Os homens na categoria de condicionamento moderado tiveram 1,42 vezes mais chances de se enquadrar nos grupos de consumo moderado ou pesado de álcool, e os homens de alto condicionamento físico foram 1,63 vezes mais propensos a beber moderada ou pesadamente em comparação com o grupo de baixo condicionamento. 

Apesar de suas maiores chances de beber mais, os homens classificados como de maior aptidão eram menos propensos a sofrer de problemas de dependência de álcool. Entre os bebedores pesados do sexo masculino, os indivíduos com baixo condicionamento físico tiveram 45,7% de chance de dependência de álcool, enquanto os indivíduos com condicionamento moderado tiveram uma chance de 41,7% e os indivíduos com condicionamento físico alto tiveram uma chance de 34,9%. 

Análise 

“Os resultados indicam que os bebedores com níveis mais altos de condicionamento físico exibiram uma tendência aumentada para o consumo de álcool. Intervenções com foco no aumento da aptidão podem considerar simultaneamente reduzir o consumo de álcool”, apontaram os autores. A relação entre exercício e álcool pode ser explicada por um mecanismo psicológico chamado “efeito de indulgência", onde atingir metas fornece uma “licença” para beber como mecanismo de recompensa. Uma limitação do estudo é que os participantes estavam autorrelatando seu consumo de álcool, o que muitas vezes pode estar sujeito a medições imprecisas (pode ser que os participantes de maior aptidão física se sentissem mais à vontade para compartilhar seus hábitos de consumo). 

Redação
Publicado em 07/05/2022, às 08h00


Mais Mundovino