Revista ADEGA
Busca

Saúde

Segundo Gordon Shepherd, o vinho estimula mais o cérebro do que a matemática

Em seu livro, discorre sobre a intensa atividade cerebral durante a degustação da bebida


No livro “Neuroenology: How the Brain Creates the Taste of Wine” (uma possível tradução seria: “Neuroenologia: como o cérebro cria para degustar o vinho), o neurocientista Gordon Shepherd discorre sobre as atividades que ocorrem na mente humana enquanto degusta um vinho.

E, segundo o cientista da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, todo o processo que ocorre durante a prova de um vinho envolve mais atividades cerebrais do que ouvir música ou mesmo resolver problemas matemáticos complexos.

Ele afirma que isso acontece porque os problemas matemáticos requerem uma quantidade limitada de atividade cerebral, enquanto a degustação envolve múltiplos sistemas sensoriais, como visão, aroma e paladar.

Leia mais:

Diabetes: a vantagem do vinho

Vinho pode baixar taxas de depressão

CÉREBROS CALEJADOS

Em setembro do ano passado, um estudo publicado no boletim “Frontiers in Human Neuroscience”, alegou que os Masters Sommeliers possuem uma área sensorial, chamada córtex insular, e outra ligada à memória, chamada córtex entorhinal, mais grossas em seus cérebros, se comparados com a população em geral. O relatório apontava que essa diferença se devia ao intenso treinamento desses profissionais para poderem se capacitar.

+ Descubra outros benefícios do vinho para a saúde

Redação
Publicado em 26/06/2018, às 08h27 - Atualizado em 07/08/2019, às 16h00


Mais Notícias