Escola do vinho

Como a bagaceira, a aguardente de uva, inspirou a criação da nossa cachaça

Destilado português que surge dos restos da vinificação tem papel importante na história da aguardente brasileira


A bagaceira pode ser considerada um dos pais da cachaça

A bagaceira é feita a partir da destilação do mosto fermentado das partes sólidas da uva, como cascas, sementes e até mesmo cachos.

Ou seja, enquanto o vinho é o mosto fermentado da polpa da uva, a bagaceira utiliza todo o resto para produzir a bebida destilada.

Essas estruturas, têm em seu interior, óleos essenciais que dão à bagaceira aromas e sabores típicos que são muito apreciados.

Apesar de não muito consumida por aqui, a bagaceira pode ser considerada um dos pais da cachaça. Foi graças ao know-how português que as primeiras destilarias de cana-de-açúcar foram instaladas no Brasil.  As inicialmente conhecidas como “casas de cozer méis”, logo se multiplicaram produzindo açúcar e rapadura.

Em 1756, o rei de Portugal, Dom José I, resolveu taxar a nova bebida inventada no Brasil, tornando a cachaça em uma das maiores fontes de impostos para a coroa portuguesa. A sede do reino passava por dificuldades após o grande terremoto de Lisboa que ocorreu no ano anterior e utilizou o dinheiro arrecadado para reconstruir a capital.

Propaganda de 1899 da Bagaceira Macieira

Com o passar do tempo, a cachaça passou a ser mal vista e até proibida pela Coroa. Porém, esse movimento saiu pela culatra e a bebida se tornou um dos símbolos da independência do Brasil que se vingou na mesma moeda, proibindo o destilado português no país.

Tanto que na região nordeste do país o termo “bagaceira” ganhou a conotação de “coisa ruim” e logo se espalhou para o resto do país.

O retorno do destilado português ao Brasil só ocorreu entre as décadas de 1930 e 1950 e, mais tarde, em 1992, quando da abertura das importações que vigora até hoje.

Das marcas importadas, a que mais se destacou foi a produzida pela família Macieira, fundada em 1865 pelo patriarca José Guilherme Macieira.

Naquele tempo, as relações culturais entre Portugal e França eram muito estreitas e as visitas dos filhos das famílias endinheiradas àquele país eram frequentes.

Clássica bebida portuguesa feita com as sobras da vinificação

O filho de José Guilherme Macieira visitou a região de Cognac e tomou gosto pela produção da bebida. José Maria Macieira convenceu seu pai a produzir, em Portugal, uma bebida com as mesmas características.

Em 1885, vinte anos após a fundação da empresa, o Brandy Macieira passou a ser produzido na Vila de Bombarral, coração da Estremadura, e lançado no mercado português. Foi a primeira vez que a aguardente vínica recebeu um outro nome para o mesmo tipo de produto e fez com que ganhasse reconhecimento mundial pela qualidade final e pelo termo Brandy.

O Macieira teve ainda dois grandes apreciadores, o poeta português Fernando Pessoa e o escritor brasileiro Jorge Amado.

Nos anos 1980, Amado, sempre que visitava Portugal, recebia uma caixa com garrafas de Macieira original do produtor.

Nesse tempo, Macieira era produzida no Brasil e a qualidade era obviamente diferente. Hoje em dia, somente a produzida em Portugal é comercializada por aqui.

Outro produtor tradicional de aguardente vínica é a Aveleda, empresa que, há mais de três séculos, é dirigida pela mesma família. Ela é líder de mercado na região dos Vinhos Verdes e têm seus vinhos em mais de 90 países.

A Adega Velha produzida pela Aveleda tem a seu favor a utilização dos Vinhos Verdes, que têm maior acidez e produzem excelentes aguardentes, tanto bagaceiras como vínicas. Ela tem uma cor âmbar, buquê complexo e harmonioso de flores silvestres com um toque de madeira nobre.

Mas é bom lembrar que a grande variedade das castas portuguesas permite elaborar aguardentes e bagaceiras com aspectos diferenciados, capazes de satisfazer gostos muito diferentes apesar da pouca divulgação e consumo no Brasil.

» Você sabia que o 1º vinho brasileiro nasceu no Brás, na capital paulista?

» Rússia sanciona lei polêmica visando as marcas de Champagne

» De onde vem a ideia de que vinho bom é vinho velho?

Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Da redação

Publicado em 7 de Julho de 2021 às 13:20


Escola do vinho Bagaceira Aguardente Portugal História Macieira Aveleda