Escola do vinho

Animais no vinhedo não é só uma questão biodinâmica

Os bichos domesticados e selvagens ajudam a viticultura nos mais variados aspectos


 

Gansos auxiliam no controle de pequenas pragas, especialmente besouros e aranhas 

Há quem pense que manter uma certa biodiversidade no vinhedo é uma vertente biodinâmica. Contudo, a presença de animais no campo é algo anterior ao aparecimento desse tipo de filosofia, estando ligada às tradições mais ancestrais da agricultura. 

O uso de cavalos para o arado, por exemplo, continua sendo muito comum, mesmo após a introdução dos tratores. Rebanhos de ovelhas, gansos, galinhas, porcos e outros bichos também foram criados ao redor dos vinhedos, mesmo após o surgimento de pesticidas para controle de pragas.

Ou seja, não é porque se criou uma nova tecnologia que práticas e sabedorias antigas deixaram de ser válidas.  

Cavalos 

Cavalos têm amplo uso no vinhedo

Os cavalos fornecem um meio natural de evitar a compactação do solo e a degradação potencial que pode ser causada pelos tratores. Assim são utilizados para a aração suave entre videiras. 

Além disso, comem parte da copa das plantas e fertilizam naturalmente o solo, diminuindo a necessidade de desfolha (corte manual das folhas superiores que impedem que o sol chegue na uva) e fertilizantes.  

Ovelhas 

As ovelhas comem ervas daninhas que crescem na base das vinhas e, à medida que pastam, fertilizam o solo.  

Um dos animais mais utilizados nos vinhedos

Geralmente os produtores deixam o rebanho livre durante a grande maioria do inverno e outono, até o início da primavera, mas evitam épocas de brotação. 

Galinhas 

Galos, galinhas, galinha d’angola e galináceos em geral, patrulham o vinhedo e ajudam a eliminar insetos e pequenas pragas que ficam na base das videiras e podem atacar as uvas. E elas também auxiliam na fertilização.  

Gansos 

Assim como as galinhas, os gansos também auxiliam no controle de pequenas pragas, especialmente besouros e aranhas. 

Eles ainda ajudam a alertar contra possíveis ameaças, como cobras, por exemplo.  

Porcos 

Os produtores tendem a dar preferência a uma raça de porquinhos domésticos de tamanho diminuto, pois, dessa forma, eles ajudam a manter a grama baixa e controlar as ervas daninhas ao mesmo tempo que são pequenos demais para alcançar as uvas.  

Lhamas 

Algumas vinícolas sul-americanas – mas também em outras localidades –, usam lhamas e alpacas para ajudar a controlar ervas daninhas nos vinhedos e também fertiliza os terrenos.   

Abelhas 

As abelhas ajudam a polinizar não somente as vinhas, mas todas as flores silvestres nativas e as plantas de cobertura geralmente usadas para atrair insetos benéficos – que vão comer alguns indesejados, como cigarras e ácaros.  

Morcegos 

Morcegos comedores de traças costumam ajudar produtores a enfrentar o problema da podridão cinzenta em seus vinhedos. Eles são usados para comer mariposas que causam a podridão cinzenta e para ajudar a erradicar outras pragas.  

Tatus 

Os tatus ajudam a controlar vermes e formigas comedoras de vinhas. Eles devoram diversos tipos de insetos terrestres, mas também podem comer uvas, portanto, é preciso ter controle sobre a população. 

Aves de rapina 

Falcões, gaviões, corujas e outras aves de rapina geralmente são ótimos para controlar populações de pássaros e roedores que tendem a infestar os vinhedos em busca das uvas no período da colheita.  

» Não tenho adega climatizada, onde devo guardar meu vinho?

» Qual é a taça que devo escolher? Há um modelo para cada tipo de vinho

» Qual é o vinho perfeito para a fondue de queijo?

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Arnaldo Grizzo

Publicado em 16 de Maio de 2021 às 18:00


Escola do vinho Vinho Animais Viticultura Vinhedo Cavalos Ovelhas Biodinâmico Gansos Galinhas Porco