Chuva de granizo atinge região de Bordeaux e danifica 7 mil hectares

De acordo com relatório não oficial, porém, 20 mil hectares sofreram com tempestade


As chuvas de granizo voltaram a atormentar as regiões vitivinícolas francesas em 2014. Desta vez, uma violenta tempestade atingiu a região francesa de Médoc, ao norte de Bordeaux em junho, causando serveros danos às propriedades. Segundo Alain Meyre, dono do Château Cap Léon Veyrin e presidente da ODG Médoc, relatórios preliminares indicam que 7 mil hectares em Bordeaux foram danificados. 

Divulgação

Produtor teve 210 hectares danificados

A área atingida é o lar das propriedades  produtoras de famosos Crus Bourgeois, bem como de outros produtores que atuam com a cooperativa local. De acordo com um dos relatórios, 2 mil hectares de vinha da região tiveram de 80% a 100% de perda da produtividade, e outros 494 hectares perderam 50% de sua safra. "Nós perdemos um terço do nosso Grand Vin", comentou o proprietário do Château Loudenne, Guy Durand Saint Omer.

Contudo, apesar da devastação causada em algumas plantações, a qualidade da vindima 2014 não está em perigo. “Estamos no período de floração, porém, a quantidade produtiva foi danificada. A qualidade, no entanto, não”, afirmou o diretor comercial das propriedades da família Delon, Pierre Graffeuille. Mas a situação não é a mesma para os outros. No caso do Château Potensac, 210 hectares foram danificados. “Estimamos que perdemos cerca de 50% da colheita", afirmou seu proprietário, Pierre Graffeuille.

Com dados mais precisos acerca dos danos causados à produtividade da região, a diretora de comunicações da Câmara da Agricultura, Sandrine Cazaux, informou que uma contagem não oficial mostrou que cerca de 20 mil hectares foram danificados com a chuva de granizo. “Algumas das vinhas tiveram de 20% a 30% de danos, mas outros tiveram de 80% a 100%”, completou.

A chuva também prejudicou os planos dos produtores da região de Cognac no que diz respeito à produção da célebre bebida local. Em alguns casos, a parte da videira que daria frutos no próximo ano foi danificada, tornando-a vulnerável a doenças. Por isso, a plantação terá uma colheita reduzida no ano que vem.

Apesar dos danos, muitos produtores não possuem seguro contra granizo, por ser caro. E, por haver possibilidade de contratar esse tipo de seguro, o governo não pretende ajudar os donos de terras. Uma saída alternativa, portanto, é a compra de uvas de outros produtores na mesma denominação, medida de emergência usada somente em casos especiais.

O Château Potensac é um exemplo de um produtor que possui o seguro de proteção contra granizo. Mas, mesmo assim, Graffeuille teme por seus vizinhos que têm sobrevivido safra a safra, que não terão estoque de safras antigas suficiente para vender e fazer dinheiro. “Estou muito preocupado com os pequenos vinhedos da região. Eles vão ter muita dificuldade” desabafou.

Da redação

Publicado em 11 de Julho de 2014 às 09:00


Notícias Granizo Médoc Alain Meyre Guy Durand Saint Omer Pierre Graffeuille