Revista ADEGA
Busca

Macacos me bebam!

Estudo mostra que comportamento de macacos pode explicar nossa apreciação por álcool

Estudo recente comprova que macacos escolhem frutas que já contêm ligeiro teor de álcool


A explicação seria o maior valor nutricional da fruta fermentada, será?
A explicação seria o maior valor nutricional da fruta fermentada, será?

Muita gente vai ficar feliz com a nova justificativa. Não será mais necessário dizer que é o Brasil, a economia, ou a vida afetiva que nos fazem consumir álcool. São os macacos. Como? Não os macacos exatamente, mas o fato de sermos descendentes de primatas pode ter nos condicionado a apreciar o álcool e sermos capazes de consumir sem nos envenenar.

Um novo estudo, da Universidade Northridge da Califórnia concluiu que macacos (a espécie estudada foi o macaco-aranha, de um santuário nas ilhas Tigre no Panamá) consomem, deliberadamente, uma variedade de ameixa que contêm etanol, por conta do maior valor nutricional da fruta fermentada. Mais calorias, mais energia. Essa mesma ameixa é utilizada há centenas de anos pelos povos da América Central para fazer chicha, uma bebida levemente alcoólica.

"Os macacos não estão ficando bêbados, pois os frutos analisados (que foram parcialmente comidos pelos animais) possuíam entre 1 e 2% de álcool, mas eles possuem a capacidade de metabolizar esse composto, como comprovado através de exames da urina deles, e sabemos que eles comem muita fruta", explicou o biólogo Robert Dudley, da Universidade de Berkeley, que é coautor do estudo. "O que não sabemos, ainda, são os efeitos fisiológicos e comportamentais nos animais", completou.

Robert Dudley é autor do livro "O Macaco Bêbado: Porque bebemos e abusamos do álcool", lançado em 2014 já com base na hipótese, que existe há 25 anos, da conexão entre a apreciação humana das bebidas alcoólicas e nossos ancestrais primatas. No livro o pesquisador já afirmava que os macacos comiam frutos que chegavam a ter até 7% de álcool e também mencionava outros animais selvagens que apreciam frutas com as mesmas 'qualidades', como uma das espécies de lêmures, a Lóris e o Ptilocercus lowii (um pequeno animal um pouco parecido com os esquilos) e que, além do gosto pelo álcool, também aprecia alimentos apimentados, coisa que nenhum outro mamífero além dos humanos, aprecia.

A pesquisadora-chefe do estudo, a antropóloga Christina Campbell, comentou que pela primeira vez puderam comprovar sem sombra de dúvidas que os primatas selvagens, sem interferência humana, escolhem frutas com etanol. "Este é só um estudo, há muito a ser feito, mas indica a hipótese de que a tendência humana de consumir álcool pode estar profundamente arraigada na afinidade dos primatas frugívoros em consumirem frutas já fermentadas", disse a pesquisadora. O estudo completo foi publicado em março deste ano no jornal científico Royal Society Open Science, caso você queira utilizar como justificativa para tomar mais uma taça de vinho, lembrando que o consumo moderado de vinho é o melhor para a saúde e bem-estar! #ficaadica

Silvia Mascella Rosa
Publicado em 29/04/2022, às 14h10


Mais Mundovino