Revista ADEGA
Busca

Champagne Orgânica Extra Brut

Maior vendedor de Champagne lança rótulo orgânico

Com pouco mais de 40 anos, a empresa é a maior cooperativa da região de Champagne


Nicolas Feuillatte é a marca de Champagne que mais vende na França e um dos cinco mais vendidos no mundo
Nicolas Feuillatte é a marca de Champagne que mais vende na França e um dos cinco mais vendidos no mundo

Uma entre cada seis garrafas de Champagne vendidas nos supermercados franceses é da Nicolas Feuillatte. É a marca que mais vende na França e um dos cinco mais vendidos no mundo. Assim, os produtores concorrentes de Champagnes orgânicas celebram também o novo lançamento da vinícola - no próximo mês de maio - pois ele dará enorme visibilidade ao setor, ainda tímido de espumantes orgânicos e biodinâmicos.

Com o nome de Nicolas Feuillatte Collection Organic, o Champagne é um extra brut (tem 4,3 gramas de açúcar por litro) com base de uvas Pinot Noir (60%) e Chardonnay (40%), que vem dos terroirs Barséquanais e Vale do Marne, segundo a ficha técnica.

Inicialmente o produto será distribuído para os comerciantes de vinhos e Champagnes e só depois irá para as gôndolas dos supermercados. O valor será de 39 euros a garrafa (aproximadamente 240 reais). Para o lançamento especial na primavera parisiense, a loja localizada na luxuosa rua Faubourg Saint Honoré, receberá decoração exclusiva por dentro e por fora, com a cor verde escolhida para diferenciar a nova linha.

Com pouco mais de 40 anos, a empresa é a maior cooperativa da região de Champagne e deve seu nome a um parisiense que nasceu numa família de comerciantes de vinhos e bebidas. Depois da segunda guerra mundial, trabalhando nos EUA, ele decidiu investir em vinhedos em Champagne.

Maior vendedor de Champagne lança rótulo orgânico
O Nicolas Feuillatte Collection Organic é um extra brut de Pinot Noir (60%) e Chardonnay (40%),

As primeiras uvas colhidas foram vendidas para outros produtores. Mas em 1976 ele decidiu criar um produto com seu próprio nome, apenas para um grupo de amigos norte-americanos. O sucesso foi imenso e imediato e dez anos depois ele vendeu a marca para a cooperativa Centre Vinicole de la Champagne, que havia sido fundada em 1972 no coração da Côte des Blancs, e até hoje produz os Champagnes da marca. Ainda não há previsão de chegada ao Brasil.

Silvia Mascella Rosa
Publicado em 12/04/2022, às 16h00


Mais Mundovino