Revista ADEGA
Busca

Produto cancerígeno?

Parlamento europeu rejeita alerta de câncer nos rótulos de vinho

Sobretaxas fiscais e questão ligada a patrocínios foram parcialmente aceitas


Parlamento europeu rejeita alteração nos rótulos de vinho com alerta de câncer

Vinícolas brindam (com moderação!) vitória no Parlamento Europeu

O Parlamento Europeu rejeitou em votação a inclusão do álcool como um produto nocivo à saúde.

Caso aprovada, a medida obrigaria os produtores de vinho a colocar um aviso nos rótulos no estilo do utilizado nos maços de cigarro.

» Mercado mundial de vinhos se recupera em 2021 e bate recorde histórico

“O Parlamento Europeu recentrou a necessidade de se combater o consumo nocivo de bebidas alcoólicas no combate ao câncer e não o consumo por si”, comentou Ana Isabel Alves, secretária-geral da ACIBEV – Associação de Vinhos e Espirituosas de Portugal – ao jornal português Expresso. Segundo ela o “fundamentalismo antiálcool” presente nos últimos debates entre os Eurodeputados tende a ter um fim agora com a resolução

As medidas discutidas no Parlamento Europeu, além de obrigar o aviso nos rótulos de bebida alcóolica, eram de proibir qualquer patrocínio por empresas do ramo e aumentar a carga de impostos sobre o álcool.

Os patrocínios foram parcialmente aceitos, limitando-se às cervejarias e eventos dirigidos a menores de 18 anos. Já o aumento de imposto foi aceito, porém, como uma recomendação aos estados membros.

No final, Ana Isabel Alves pondera que foi um resultado positivo e que “agora é tempo de a Comissão Europeia trabalhar em medidas legislativas focadas no consumo abusivo do álcool, que não ponham em risco a nossa cultura, as nossas comunidades, os nossos territórios e que respeitem a nossa tradição gastronômica de que o vinho faz parte”.

Interessante é que no relatório final o tabagismo, que até então estava sendo esquecido, foi lembrado pelo Parlamento Europeu que resolveu considerar os novos produtos como cigarros eletrônicos e aromatizadores de tabaco, da mesma forma que o cigarro, ou seja, impostos mais altos, avisos à saúde e proibição de publicidade.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

André De Fraia
Publicado em 16/02/2022, às 13h00


Mais Mundovino