Tem canguru no vinhedo: avaliamos 4 vinhos australianos de terroirs diferentes


No Brasil não é usual degustar vinhos australianos de ponta, menos ainda uma prova comparativa de diferentes terroirs da terra dos cangurusMas ADEGA pôde degustar quatro Shiraz puro sangue da mesma safra (2016), mesmo preço e terroirs diferentes. Uma experiência de terroir (Clare Valley, Barossa Valley, Eden Valley e Adelaide Hills), processo de estágio (barricas de 225 litros, barricas de 500 litros, tanques de aço inoxidável e tanques de concreto), e do uso de fermentação parcial com engaços em alguns. Degustar os quatro rótulos lado a lado é diversão garantida para uma confraria que quer desbravar este pedaço menos explorado do Novo Mundo. Confira. 

 

Two Hands Bella’s Garden 2016 - (AD: 93 pts)

Two Hands, Barossa Valley, Austrália - World Wine, R$ 570 

Um vinho que consegue ser potente e guloso, e manter o equilíbrio. Muita fruta madura temperada pelo frescor da acidez e com taninos presentes e finos. Ameixas e até figo explodem na boca com muita especiaria doce, enquanto a pimenta negra domina o fim de boca e prepara o paladar para mais um gole. O tom lácteo e a especiaria doce ganham espaço à medida que a temperatura da taça vai subindo. Bastante extrato para evoluir, mas já pode ser apreciado jovem, e é um vinho para aquele dia frio (mas sempre podemos apelar para o ar condicionado). 

 

 

Two Hands Charlie’s Garden 2016 - (AD: 94 pts)

Two Hands, Eden Valley, Austrália, World Wine - R$ 570

Já percebemos a cor mais clara no serviço. Mais fresco como sua fruta, que é menos madura. Tem perfil clássico e finesse. Mirtilo e couro caminham juntos. Uso fino de madeira estilo Bordeaux. Depois tudo se explica ao sabermos que vem de vinhedos de maior altitude do sul da Austrália. Os taninos são finos e granulados. A fermentação integral de 20% das uvas também ajuda a compreender seu perfil. O estágio é determinante neste vinho com 18 meses em 25% barricas de 500 litros, 29% de barricas de 225 litros e 46% em tanques de concreto. Consegue conjugar a rusticidade e textura do concreto e o moccha da madeira. No fim de boca, tem cravo envolvente. 

 

Two Hands Harriet’s Garden 2016 - (AD: 92 pts)

Two Hands, Adelaide Hills, Austrália, World WineR$ 570

Também mais fresco, muito cravo, defumado, amora suculenta, toques animais e rosa intensa. Em boca, tem camadas de frutas vermelhas e laranja lima bem madura. Um Shiraz elegante em seus modestos 13,5% de álcool. O corpo médio e leveza da fruta contribuem para esta sensação. Passa 18 meses em barricas de carvalho francês, sendo 15% novas. 

 

Two Hands Samantha’s Garden 2016 - (AD: 93 pts)

Two Hands, Clare Valley, Austrália, World WineR$ 570

100% Syrah com estágio de 18 meses em barricas. O nariz traz aromas profundos de mirtilo e amora, com toques de couro e café, e tanta pimenta negra que chega a picar. Com o tempo em taça, vai revelando um lado floral e balsâmico. Em boca, consegue a potência esperada dos Shiraz, mas com muito equilíbrio. A qualidade da fruta preta madura se confirma temperada por um pouco de ervas entre os taninos potentes e com textura sedosa. Tem tudo no lugar e potencial para evoluir. Vale a pena decantar ou ter paciência na taça para deixa-lo expressar todo seu potencial, principalmente um mineral salino que fica escondido no princípio. 

Da redação

Publicado em 11 de Fevereiro de 2020 às 14:32


Notícias

Artigo publicado nesta revista

PINOT NOIR

Revista ADEGA 168 · Outubro/2019 · PINOT NOIR

A uva mais desafiadora do planeta seleção com mais de 40 rótulos