Revista ADEGA
Busca

Mundovino

Trabalhadores da Möet & Chandon entram em greve na França

A exigência é que se pague o que ficou conhecido como o “bônus Macron”


Sede da Moët & Chandon em Epernay

Sede da Moët & Chandon em Epernay

Trabalhadores da gigante Moët & Chandon em Epernay, na França, entraram em greve contra uma decisão da empresa de não pagar o “bônus Macron”.

» Pesquisas mostram que o vinho ajuda até na saúde do seu fígado

Segundo o sindicato que representa os trabalhadores, o grupo LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton SE, proprietário da marca de espumantes, não cumpriu com a norma instituída em 2018 e que leva o nome do primeiro-ministro francês Emmanuel Macron. Segundo a lei, todos os trabalhadores que têm ganhos mensais de até três salários mínimos devem receber um bônus anual de 1.000,00 Euros livre de impostos.

"A administração da Moët et Chandon e LVMH não quer pagar o bônus Macron este ano e os funcionários não entendem a razão", disse Alexandre Rigaud, representante sindical local, que completou que os trabalhadores da LVMH receberam o bônus nos dois anos anteriores.

O sindicato ainda informou que a revolta dos trabalhadores foi maior esse ano depois que Bernard Arnault, CEO do grupo LVMH, se tornar a pessoa mais rica do mundo com uma fortuna de US$ 186 bilhões.

Cerca de 300 funcionários aderiram à paralisação e, segundo o sindicato, a empresa tem até o final da semana para resolver a situação.

A LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton SE informou apenas que está negociando com os trabalhadores.

Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

André De Fraia
Publicado em 06/09/2021, às 10h00 - Atualizado às 13h54


Mais Mundovino