8.dez - 1 mi de garrafas de Brunello falsificadas

1 milhão de garrafas de Brunello di Montalcino falsificadas

Produtores do vinho mais celebrado da Itália são acusados de falsificação


Cidade de Montalcino.

Com pouco mais de 5 000 moradores, a pequena e montanhosa cidade de Montalcino, no sul da Toscana, é a capital do vinho italiano. Foi lá que nasceu o Brunello, tinto visto como o ícone máximo da enologia local. Além de ser considerado um dos melhores vinhos do mundo, o Brunello é um dos mais caros - no Brasil, algumas garrafas custam 3 500 reais.

Tudo na cidade gira em torno do Brunello, das lojas ao turismo. Seus moradores falam com orgulho das tradições do vinho: para obter a certificação de um Brunello, o produtor precisa obedecer a uma miríade de regras. A principal delas é utilizar apenas a uva Sangiovese, típica da Itália, na produção do vinho. O envelhecimento em barris de carvalho por no mínimo quatro anos é outro pré-requisito. E a lista continua.

Nos últimos meses, porém, o orgulho dos moradores de Montalcino foi abalado por um tumulto que colocou a reputação de seu principal vinho em risco. Segundo uma investigação policial efetuada por autoridades locais, alguns dos principais produtores da cidade vinham adulterando seus Brunello, seja com uvas trazidas de outras cidades da Itália, seja pela mistura com vinhos de quinta categoria. Tradicionais produtores, como Antinori, Frescobaldi, Argiano e Banfi, estão envolvidos no escândalo. Mais de 1 milhão de garrafas da safra 2003 foram apreendidas pela polícia e repousam num galpão da vizinha Siena. Não se sabe se as garrafas estão armazenadas na posição horizontal.

O que diferencia a polêmica do Brunello das outras é a magnitude do trabalho dos falsários. Nada menos que 100 produtores foram investigados pelas autoridades. Por essa razão, os Estados Unidos ameaçaram suspender todas as importações de Brunello - e, temendo uma crise ainda maior, o governo italiano retirou da associação de produtores de Montalcino a incumbência de conferir a classificação de origem dos vinhos. Os americanos, então, recuaram. E, numa atitude histórica, a vinícola Banfi aceitou retirar a classificação Brunello di Montalcino de seus vinhos investigados. Os Banfi afirmam que a decisão não é uma confissão de culpa.

 

Fonte: Portal Exame

Leia mais sobre o Brunello di Montalcino:

+ Brunello di Montalcino Castel Giocondo 1996

+ Brunello di Montalcino 2001

+ Brunello di Montalcino Riserva 1998

+ Brunello di Montalcino Val di Suga 2001

+ La Casa Brunello di Montalcino 1999

Da redação

Publicado em 8 de Dezembro de 2008 às 09:39


Notícias