Revista ADEGA
Busca

Sites .wine e .vin causam conflito entre Estados Unidos e França

Franceses argumentam que domínios precisam de maior proteção, americanos querem liberação imediata, como estava previsto


Um confronto legal pode nascer entre o governo francês e o estadunidense devido a problemas relacionados à falta de proteção aos registros de domínios .wine e .vin. 

Divulgação

Governos se enfrentam nas questão dos registros de site .wine e .vin

Após semanas discussões, os franceses se mostraram chateados quanto à recusa do ICANN (Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números) em suspender o lançamento dos domínios relacionados a bebidas. O ICANN é a entidade responsável por liberar e administrar nomes de domínios mundo afora.

Associações de produtores europeus e também da Califórnia, já passaram um ano fazendo um estudo sobre quem seria capaz de registrar um nome como Champagne, Bordeaux, Napa ou Barolo a partir do registro .wine ou .vin. Os produtores argumentam, no entanto, que tal sistema ainda estará sujeito a fraudes e que também poderá confundir os consumidores.

A busca por um consenso fez surgir uma disputa internacional. A França, contudo, não foi o único país a se opor aos planos do ICANN. Foi o governo italiano quem enviou ao conselho um pedido para que fosse reconsiderado o lançamento dos registros .wine e .vin. “Esta não é apenas uma questão comercial, mas também de sensibilidade política”, disse Antonello Giacomelli, do ministério do desenvolvimento econômico da Itália. “Indicações geográficas europeias e mundiais devem receber o mesmo nível de proteção online que recebem offline”, completou.

Esta também é a opinião da Comissão Europeia, que tem aplicado sua própria pressão política para obter do ICANN as devidas proteções para seus vinhos. Porém, governos dos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia afirmam que tal ação não se faz necessária.

O presidente do ICANN, Stephen Crocker, informou planeja manter a liberação dos registros, como já era previsto. Mesmo assim, acredita-se que a disputa possa acabar no tribunal, ou até mesmo na Organização Mundial do Comércio.

Redação
Publicado em 25/07/2014, às 08h30 - Atualizado em 03/12/2014, às 08h04


Mais Notícias