Safra

A importância da safra

No rótulo, no contrarrótulo ou no lacre que reveste o gargalo, o ano indicado na garrafa não é apenas uma simples informação sobre a idade do vinho


Saber como diferenciar as safras ajuda a degustar melhor um vinho

A parreira é uma planta de ciclo anual e esse ciclo começa num ano – no outono – e termina no outro, na colheita que se inicia no verão. Ele é determinado não apenas pelos cuidados do viticultor com a videira, mas principalmente pelo clima. Excesso ou falta de chuva, calor intenso, ventos acima da média, granizo e outros fatores climáticos vão influenciar a qualidade das uvas e, por consequência, do vinho que será feito com elas. O ano impresso na garrafa pode ser, para quem sabe interpretar, um indicativo de uma safra boa, má ou mediana.

Seguindo as regras

A legislação brasileira determina que a safra impressa deve ser a do ano em que as uvas foram colhidas. Ou seja, embora o ciclo tenha começado em 2016, por exemplo, o ano da colheita será 2017 e esse deve ser o número mostrado na garrafa, não importando que esse vinho vá passar, por exemplo dois anos amadurecendo em barricas e só vá chegar ao mercado em 2020. No entanto, a mesma legislação não obriga o produtor a estampar a safra, mas muitos o fazem para auxiliar o cliente na hora da compra.

Leia mais:

+ O processo da colheita da uva

A diferença entre degustação vertical e horizontal

Como o vinhedo determina a qualidade dos vinhos?

Para os enófilos experientes, principalmente em se tratando de vinhos de países de longa tradição produtora, a safra pode ser um excelente indicativo de qualidade, determinando até mesmo o preço, como é o caso dos longevos vinhos de Bordeaux. As safras de melhor qualidade (existem várias tabelas de safras, que atribuem notas para cada ano), nas quais o clima auxiliou de maneira acima da média a maturação das uvas, costumam custar muito mais caro, fazendo com que – por exemplo – um Bordeaux da região do Médoc do ano de 2010 custe mais do que o mesmo vinho do ano de 2002. Assim, para um vinho com grande potencial de envelhecimento, uma boa safra faz diferença na hora do preço (e da qualidade, claro).

Mas, mesmo dentro da França, declarar a safra não é obrigatório. Os Beaujolais Nouveau passaram a declará-la há pouco tempo, por conta da exportação, mas sabe-se que esses são vinhos jovens (sendo o primeiro tinto a ficar pronto depois da colheita) e que devem ser consumidos logo. Já entre os Champagne, a data entra apenas em anos excepcionais e quando todos os vinhos que podem compor espumante foram feitos no mesmo ano, isso porque a legislação de Champagne permite que se misturem vinhos-base de diferentes anos para a segunda fermentação. Para o vinhateiro, essa é a garantia de que, ano após ano e independentemente do clima, a qualidade básica do Champagne seja a mesma. E isso, para esses vinhos, importa muito mais do que colocar a safra na garrafa.

“Vinhos não safrados costumam ter um estilo mais padronizado (e isso não quer dizer que sejam melhores ou piores – vide o exemplo de Champagne). Em muitos anos, quando a natureza não ajudou demasiadamente, mas também não prejudicou, vinhos muito bons podem ser feitos com a habilidade do enólogo e do viticultor e com a tecnologia disponível”, explica André Peres Júnior, enólogo da Vinícola Aurora. Quase todas as boas vinícolas guardam um pouco de vinho de safras excepcionais, seja para compor um blend diferenciado anos à frente, seja para lançar um novo produto mais amadurecido, seja apenas para saber como a uva, o vinhedo e a vinificação se comportam em uma safra realmente boa. Faz parte do trabalho do enólogo estudar tanto os bons quanto os piores anos.

Um vinhedo sofre

Uma mesma uva, de um mesmo vinhedo pode produzir vinhos diferentes de ano a ano

Granizo no final do ano é um dos maiores pesadelos dos vinhateiros do hemisfério sul, pois uma chuva de granizo em novembro e dezembro é capaz de derrubar os pequenos cachos em formação e comprometer plantações inteiras. Esse tipo de fenômeno não é raro na primavera, quando há um grande choque de temperaturas.

Quando chove muito na época da maturação, os grãos de uva são literalmente diluídos, pois o grão absorve a água e assim o açúcar diminui. Isso sem contar que vários dias sem sol e chuvosos (principalmente com alta temperatura) favorecem as doenças fúngicas e a podridão.

Já a falta de chuva causa um estresse hídrico, que pode causar perda de produtividade e de qualidade (quando acontece antes da maturação), e levar a grãos menores e muito concentrados em açúcar e pouca acidez, quando o estresse acontece durante a maturação.

Para complicar, o período de colheita para países como o Brasil, que cultivam muitas variedades de uvas, é bastante longo, podendo se estender por até quatro meses – uma vez que cada variedade amadurece em um momento diferente. E assim, em um determinado ano, a safra pode ter sido excelente para os vinhos brancos e apenas mediana para os tintos, sem contar que isso também varia de região para região, em um mesmo país.

“É importante lembrar que a safra dá tipicidade (mais ou menos açúcar, acidez, compostos fenólicos etc) e não necessariamente qualidade. A qualidade vem de muito antes, desde a escolha dos clones a serem plantados, o cuidado com o vinhedo e depois o trabalho na vinícola”, explica André Peres Júnior.

Assim, uma boa safra é conhecida pelos vinhos que produz e com um pouco de pesquisa de estilos (vide os Vinhos Verdes, que em sua enorme maioria devem ser consumidos em até dois ou três anos depois de produzidos, para que retenham suas melhores características). Por isso, o ano impresso na garrafa pode auxiliar a escolher alguns bons vinhos, mas pode não ser essencial para outros. Importante mesmo é tentar conhecer as características de cada safra e como elas infl uenciaram uma determinada região produtora e seus vinhos.

Degustação vertical

Quer entender verdadeiramente como o clima influencia um vinho? Pegue um rótulo que seja feito por um único produtor em um determinado lugar, os ditos Single Vineyards (vinhos de vinhedos únicos). Por exemplo, um borgonhês de um vinhedo Premier Cru, ou até mesmo um chileno ou argentino que atualmente estão colocando essa informação nos rótulos. Um exemplo no Brasil é o Miolo Lote 43. Lote 43 significa que esse vinho foi feito de uma parcela única de um vinhedo da Serra Gaúcha, o dito “Lote 43”. Enfim, tente comprar distintas safras de um mesmo vinho e, junto com os amigos, abra-as todas e prove. Logo você vai perceber que o vinho possui um estilo que se repete de safra a safra, porém, a cada ano apresenta sutis diferenças – que são as marcas do clima.

Veja também:

+ Confira o guia prático do vinho

Qual o momento correto para a colheita da uva?

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Da redação

Publicado em 5 de Setembro de 2019 às 16:00


Notícias Safra clhieta de uva safra de vinho guia do vinho