Almanaque do vinho

Sicília, as principais características e uma seleção de vinhos deste grande mosaico cultural

A ilha italiana possui 23 denominações de origem de vinhos bastante diferentes


Sicília

A bela ilha italiana da Sicília

Séculos de explorações, dominações e invasões.

Não à toa, a Sicília, apesar de pertencer à Itália, é uma miríade de culturas diferentes, o que se reflete em seu povo, seus costumes, sua culinária, sua arquitetura e, obviamente, seus vinhos. É preciso ter em mente esse mosaico criado por tantas culturas para compreender a essência dos sicilianos. 

Mas falando essencialmente de seus vinhos, é necessário lembrar que a Sicília, apesar de ser uma ilha, na ponta da bota da Itália, tem um território bastante vasto, com cerca de 25,5 mil quilômetros quadrados. E há ainda as ilhas e arquipélagos vizinhos como as Eólias, Ustica, as Égadas, Pantelleria e as Pelágias.

Além da cultura com influências romanas, gregas, árabes, bizantinas entre outras, o território tampouco é uniforme, com menos de 15% de planícies (a maior parte na região da Catânia). Na parte leste, os Apeninos sicilianos continuam a partir dos Apeninos da Calábria, e no centro e oeste há maciços isolados, com exceção do vulcão, o Monte Etna (3.350 metros) e da cordilheira Madonie, que inclui o pico mais alto da ilha: Pizzo Carbonara (1.979 metros). 

Os principais rios da ilha são o Salso (ou Imera Meridionale) e o Platani, com níveis de água extremamente baixos no verão. A Sicília possui clima mediterrâneo, com verões quentes, invernos amenos e chuvosos e estações do ano muito variáveis. Na costa, especialmente no lado sudoeste, o clima é fortemente afetado pelas correntes africanas, resultando em verões tórridos.

Vinhedos ao pé do vulcão Etna

A miríade de tipos de solo, majoritariamente basálticos, também ajuda a criar uma enorme variedade de terroirs. Aliás, a Sicília apresenta nada menos que 23 denominações de origem. 

Para encontrar os vinhos sicilianos mais bem pontuadas das melhores importadoras do Brasil, clique aqui.

Os conquistadores 

Diz-se que os fenícios introduziram a vinha na Sicília, embora a videira selvagem já estivesse presente na flora espontânea. 

Tancredi Dolce & Gabbana Edizione Limitata 2016

Tancredi Dolce & Gabbana Edizione Limitata 2016 - AD 93 pontos - Donnafugata, Sicília, Itália

Durante séculos, os fenícios comercializavam vinho siciliano em todo o Mediterrâneo. A colonização grega começou com a fundação de Naxos e Siracusa em meados do século VIII a.C. Outras importantes cidades foram posteriormente construídas, fundadas por cartagineses, como Zyz, Mothya e Solunto, e pelos Elimi, como Eryx e Segesta. Os gregos difundiram o cultivo da videira. 

A primeira menção na Europa da presença de uma cultura de vinha encontra-se na Odisseia, nas passagens dedicadas à ilha dos Ciclopes, identificada no arquipélago das Égadas. 

O Vale dos Templos de Agrigento com construções do século 5 a.C.

A Sicília teve períodos com alternância de diferentes culturas, dos bizantinos aos muçulmanos, passando pelos normandos, chegando aos aragoneses e espanhóis. Mais tarde, os movimentos das frotas inglesas, durante o período napoleônico, favoreceram o surgimento de uma produção vinícola no porto de Marsala. 

Enfim, é por tudo isso que hoje a Sicília oferece uma vasta gama de vinhos de diferentes estilos.  

As uvas autóctones

Embora as variedades internacionais tenham muito destaque em determinados vinhos sicilianos, deve-se apontar algumas uvas indígenas como as responsáveis por alguns dos vinhos mais originais da ilha.

Cusumano Shamaris Grillo 2019

Cusumano Shamaris Grillo 2019 - AD 91 pontos - Cusumano, Sicília, Itália

Entre as tintas, as mais comentadas são: Nero d’Avola, Frappato e Nerello Mascalese. 

A Nero d’Avola é mais cultivada e dá origem a vinhos de cor e sabor profundos, com boa estrutura, acidez e taninos não muito pungentes. Esta casta é principal da única Denominazione di Origine Controllata e Garantita (DOCG) da ilha, a Cerasuolo di Vittoria. 

ALTA MORA ETNA BIANCO 2019

Alta Mora Etna Bianco 2019 - AD 91 pontos - Alta Mora, Sicília, Itália

A Frappato, embora normalmente misturada com outras cepas, também pode ser engarrafada sozinha. Ela tende a gerar vinhos fáceis de beber com taninos suaves, mas também pode apresentar mais corpo dependendo da vinificação. Já a Nerello Mascalese ocupa segundo lugar em volume. É uma uva que prospera nos solos vulcânicos do Etna e costuma ser misturada com a Nerello Cappuccio, uma variedade mais rústica. 

Entre as brancas, pode-se citar as indígenas Catarratto, Grillo, Inzolia e Carricante, por exemplo. A Catarratto é a branca mais plantada e já teve fama de produzir apenas vinhos de volume, mas vem sendo mais bem tratada recentemente. Grillo e Inzolia são muitas vezes usadas na base do blend do tradicional vinho Marsala, mas têm ganhado destaque em vinificações monovarietais, especialmente a Grillo, graças ao seu estilo bastante cítrico. Já a Carricante é a variedade que mais se destaca ao redor do Etna, com vinhos de boa acidez. 

As denominações

A Sicília tem nada menos que 23 denominações de origem controlada em seu território, sendo que a DOC Sicilia, genérica, abarca toda a ilha. 

Vindima na vinícola Donnafugata na Sicília

Ela foi criada em 2011 e é bem ampla, aceitando as mais diversas variedades locais, como Grillo, Nero d’Avola, Frappato, Catarratto, Inzolia, Grecanico, Perricone entre outras, assim como também as internacionais como Chardonnay, Cabernet Sauvignon e outras.

Contudo, há denominações específicas em microrregiões. Destacamos algumas.  

Etna 

Nem é preciso dizer que o Etna é a principal referência para tudo na Sicília. 

Alta Mora Guardiola Etna Rosso 2015

Alta Mora Guardiola Etna Rosso 2015 - AD 93 pontos - Alta Mora, Sicília, Itália

Seu solo fértil é favorável a diversas culturas, inclusive a vinha. O clima é quase alpino, com luz solar intensa, mas também com o dobro da precipitação das regiões ao redor. As principais uvas são Nerello Mascalese, considerada a “Pinot” do Etna, devido à sua capacidade de transmitir o terroir; e a Carricante, para os brancos, que tendem a ser bem minerais. Pelas regras, a Carricante pode ser misturada com outras brancas locais como a Catarratto, por exemplo.

Já a Nerello Cappuccio é geralmente misturada com a Mascalese. Os blends da DOC devem conter no mínimo 80% de Nerello Mascalese, com no máximo 20% de Nerello Cappuccio. A região é marcada pelos terraços de pedra que seguem antigos fluxos de lava e que, de certa forma, acabam por criar os “Crus” locais.  

Cerasuolo di Vittoria 

Em comparação com a região do Etna, o canto sudeste da Sicília tem altitude mais baixa e temperaturas mais altas. Aqui é a casa da única DOCG da ilha, denominada Cerasuolo di Vittoria.

BAGLIO RE CHARDONNAY 2019

BaglioRe Chardonnay 2019 - AD 89 pontos - Cusumano, Sicília, Itália

Seus vinhos são blends que devem ter Nero d’Avola entre 50% e 70%, com o restante de Frappato. A Nero d’Avola traz cor, estrutura e profundidade à mistura, enquanto a Frappato oferece aromas e frescor. Existem duas categorias de vinhos: o Rosso e o Classico.

O primeiro deve ser envelhecido por cerca de oito meses, enquanto o segundo, que deve ser feito a partir de uvas cultivadas na chamada zona tradicional, deve ser envelhecido por, pelo menos, 18 meses.  

Marsala

Marsala é um vinho histórico da Sicília.

BEN RYÉ PASSITO DI PANTELERIA 2017

Ben Ryé 2017 - AD 93 pontos - Donnafugata, Sicília, Itália

A cidade de Marsala fica na parte sudoeste da ilha e foi um porto importante durante séculos. As uvas-base de seus famosos vinhos fortificados tendiam a ser Inzolia e Catarratto, mas a Grillo também tem ganhado proeminência. Contudo, são permitidas 10 variedades, que incluem as tintas Nerello Mascalese e Nero d’Avola. 

Os vinhos são feitos em um método semelhante ao Jerez, ou seja, com sistema de solera.

Nadaría Nero d'Avola 2018

Nadaría Nero d'Avola 2018 - AD 89 pontos - Nadaría, Sicília, Itália

E como Jerez, Marsala tem várias categorias relacionadas à idade:

  • Fine (um ano) 
  • Superiore (dois anos) 
  • Superiore Riserva (quatro anos) 
  • Vergine / Soleras (cinco anos) 
  • Vergine / Solera Stravecchio (10 anos)

A cor e o açúcar residual também são anotados e os matizes são divididos em: 

  • Oro (ouro) 
  • Ambra (âmbar)
  • Rubino (rubi)

E ainda quanto ao teor de açúcar:

  • Secco (40 g/l) 
  • Semissecco (40 a 100 g/l)  
  • Dolce (mais de 100 g/l) 

BUTIRAH SYRAH 2018

Butirah Syrah 2018 - AD 91 pontos - Feudo Principi di Butera, Sicília, Itália

Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Arnaldo Grizzo

Publicado em 4 de Setembro de 2021 às 14:00


Almanaque do vinho Sicília Vinho Itália Dicas de vinhos Vinho italiano Vinho Siciliano Donnafugata