Curiosidades

Tokay: a história do vinho real

Tokay, um dos vinhos doces mais celebrados do mundo, é obtido através do apodrecimento parcial das uvas


O Tokay é um vinho apreciado por Beethoven, Voltaire, Papas e monarcas

O temor de uns pode ser o sonho de outros. Enquanto viticultores do mundo todo perdem o sono com medo que suas plantações sejam atacadas por fungos, outros rezam para que isso aconteça. Na Hungria, o principal vinho, o Tokay (ou Tokaji), é produzido através de uvas podres atacadas pelo fungo Botrytis cinérea, que gera um efeito conhecido como “podridão nobre” e deixa o suco do fruto concentrado, resultando num vinho doce sem par.

História do Tokay

Este vinho, celebrado por diversas personalidades da história da humanidade, nasce em Tokaj-Hegyalja, uma região do nordeste da Hungria, cercada pelos Montes Cárpatos, às margens dos rios Tisza e Bodrog, a aproximadamente a 200 km de Budapeste. Em húngaro, o “jota” se pronuncia “i”. Por isso, ao se popularizar, o Tokaji ficou conhecido como Tokay.

Leia mais:

Royal Tokaji lança o vinho mais caro do mundo

+ Vinhos de sobremesa que todo enófilo deveria provar

Trockenbeerenauslese: a história dos aclamados vinhos doces alemães

[Colocar Alt]

Beethoven era um grande apreciador do Tokay, vinho que é citado até no hino nacional húngaro

Não se sabe ao certo desde quando os vinhos Tokay são produzidos. Uma das histórias diz que em 1650 a região corria perigo de invasão pelo Império Otomano, assim, o encarregado da vinicultura determinou que a colheita fosse adiada, já que os islâmicos condenavam o consumo de álcool. Com a demora, uma aparente desgraça aconteceu quando as uvas foram atacadas pelo fungo.

Para não perder a safra, os cachos contaminados foram separados e só depois adicionados ao mosto feito com as uvas não afetadas. No ano seguinte, quando o vinho foi consumido, percebeu-se que a bebida era um néctar divino.

Tokay: o vinho de reis

[Colocar Alt]

Luís XIV levou a bebida doce à corte francesa

O Tokay logo se transformou no vinho predileto de diversas personalidades, como os músicos Beethoven, Rossini, Liszt, Schubert (que dedicou um de seus famosos “lieder” ao vinho), Haydn e Johann Strauss (que cita o Tokay na ópera “O Morcego”), por exemplo. Expoentes da literatura como Goethe, Alexandre Dumas, Bram Stoker (do clássico “Drácula”) e Friedrich Schiller (que cita o vinho no livro “The Piccolomini”), entre tantos outros, também apreciavam o Tokay e eternizaram a bebida em seus poemas, livros e canções.

Reza a lenda que Luís XIV, em 1703, foi presenteado por Ferenc Rákóczi II, Príncipe da Transilvânia, com algumas garrafas de Tokay. O monarca apreciou tanto que logo ele foi servido à corte em Versalhes. Seu sucessor, Luís XV, também apreciador do líquido, ofereceu uma taça à Madame de Pompadour, sua amante, e teria dito a famosa frase: “vinho dos Reis, Rei dos vinhos”, que até hoje permanece como slogan do Tokay.

Podridão nobre

O fungo Botrytis ataca apenas algumas regiões privilegiadas do mundo (como os países do centro da Europa) e é comum em locais de alta precipitação e umidade, como é o caso da região húngara de Tokaj-Hegyalja. Lá, o clima, que conta com verões muito quentes, é perfeito para a proliferação do fungo. Ao atacar os grãos o fungo perfura a casca, criando uma espécie de “peneira” que faz escoar parte do líquido, mas que acaba por fazer o açúcar ficar em alta concentração na polpa restante.

Veja também:

Os vinhos da Hungria

Os grandes vinhos da "podridão"

+ Os mistérios dos sabores do vinho

Carolina Almeida

Publicado em 27 de Julho de 2019 às 10:30


Notícias Hungria vinhos da Hungria Tokaji Tokay vinho podre uvas podres vinho real