Revista ADEGA

Drops

Arquitetas espanholas criam vinícola sustentável; entenda

Projeto da vinícola Valdemonjas alia beleza com autossuficiência hídrica e energética

Da redação em 18 de Outubro de 2018 às 20:00

Incrustada nas suaves ondulações de Ribera del Duero, não muito distante de vinícolas consagradas como Vega- -Sicilia e Aalto, quase nas margens do sinuoso rio Duero (que se transforma no Douro quando passa para o lado português), fica a Valdemonjas, um projeto familiar (da família Agüera Moyano) cujo design arquitetônico venceu o prêmio “Architizer A +” em 2016.

Duas arquitetas espanholas, Ana Agag e Silvia Paredes, que desenvolveram suas carreiras no famoso escritório Foster & Partners, deram forma a essa vinícola inovadora localizada no município de Quintanilla de Arriba, em Valladolid, e, com ela ganharam o mais prestigiado prêmio de arquitetura mundial. A principal ideia por trás do projeto da Valdemonjas é a sustentabilidade. Ela foi pensada para ser autossuficiente, já que não ficaria conectada à rede de água e eletricidade da região. “O uso sustentável da água tem sido uma das nossas preocupações desde o início. É por isso que um telhado inclinado foi projetado para nos dar a possibilidade de coletar água da chuva em tanques subterrâneos. Nós também projetamos um sistema de filtração e tratamento de água eficiente”, apontou Silvia Paredes.

Já a energia é provida por sistema de geração independente com painéis fotovoltaicos que foram integrados ao telhado do edifício de modo que, enquanto captam a energia solar, também servem para sombrear a entrada e a recepção das uvas. A fachada oeste também usa sistemas de controle solar, assim como ventilação natural dos espaços, o que dispensa ar condicionado.

Design e integração

 “É uma vinícola familiar, projetada e feita a partir do amor, do respeito e da paixão pelo terroir. Um dos nossos principais objetivos era a integração com paisagem existente”, apontaram as arquitetas. Dessa forma, o design é todo pensado também no processo de recebimento das uvas de forma a usar a gravidade. Graças aos dois andares, não são usadas bombas na vinificação.

O projeto concentrou a maior parte do trabalho da vinícola em uma nave central, que serve para a vinificação, a fermentação etc. A entrada da uva é feita pelo leste para um andar superior diretamente conectado à planta de processamento. A saída do produto acabado é feita no oeste através de um vestíbulo térmico que se abre para a mesma planta de processamento, o que deixa assim a saída em uma situação muito próxima do acesso com rodas existente.

 

[Colocar Alt]

A vinícola foi pensada para ser autossuficiente, pois não ficaria conectada à rede de água e eletricidade da região

Nos lados da nave central estão as naves “dormentes”: ao sul, a planta de envelhecimento em barril e, ao norte, a planta de envelhecimento em garrafa. O arco da abóbada, feito de tijolo, oferece ótimas condições naturais de temperatura e umidade

 

O andar superior da vinícola é dividido em dois blocos. O primeiro é dedicado ao início do processo, a recepção da uva. Ele emerge da terra, pois envolve a descida da uva até a área de processamento. O outro é dedicado ao final do processo: a degustação. Ele recebe grande contribuição de luz natural, apresenta as melhores vistas e tem ligação direta com a adega de envelhecimento, com a enoteca e com o lagar.

Ambos os blocos são fechados por uma cobertura, que abriga o espaço de chegada das uvas e se inclina para estimular a captação de água, que é incorporada em um tanque adjacente à vinícola com capacidade suficiente para suas necessidades de água, além de ter os painéis fotovoltaicos integrados.

“Queríamos transmitir uma pequena, eficiente e poderosa imagem de vinícola, ao mesmo tempo arriscada, de acordo com os princípios que governam Valdemonjas; nós pensamos que o projeto de um edifício compacto, semienterrado, que emerge da terra, como uma escultura, ajuda a reforçar a imagem de uma nova marca de vinhos Ribera del Duero, cuja qualidade já foi reconhecida”, finalizam as arquitetas.


Notícias Enoarquitetura Vinícola sustentável.Enoarquitetura Verde Vinícola Valdemonjas

Artigo publicado nesta revista

Revista ADEGA 154 · Agosto/2018 · Vertical de Romanée-Saint-Vivant

E as visões de Aubert de Villaine


CHÂTEAU MARGAUX

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também POSTER DESCRITORES AR Bolsa de Gelo + Par de Taças

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas