Mundovino

Disputa relacionada à classificação de Saint-Émilion 2012 deve ter fim só em 2020

Proprietários alegam que reclassificação de 2012 beneficiou injustamente alguns grupos


[Colocar Alt]

Hubert de Boüard e Philippe Castéja serão intimados para o julgamento no ano que vem

A saga em torno da classificação de Saint-Émilion de 2012 deve ir a tribunal no próximo ano. Hubert de Boüard, proprietário do Château Angélus, e Philippe Castéja, proprietário do Château Trotte Vieille, serão intimados a um julgamento após serem acusados de terem “conflitos de interesses ilegais” em relação à classificação. Os promotores alegam que de Boüard estava “presente em todas as etapas do processo de elaboração da classificação de 2012”, enquanto Castéja “manipulava” para garantir a promoção de sua propriedade. Ambos negam as acusações.

Leia mais:

+ Vinhos Saint-Émilion avaliados pela ADEGA

Dicas de passeios pela cidade de Saint-Émilion

Cheval Blanc, um dos mais novos entre os Châteaux bordaleses

 

A reclassificação de 2012 da denominação causou algumas indignações, com reclamações de algumas propriedades de que teriam sido preteridas na promoção a um status mais alto ou então injustamente rebaixadas, enquanto outras, que foram promovidas, tiveram um “favoritismo indevido” e tudo teria sido “manipulado”.

Boüard e Castéja são acusados de usar sua influência e o resultado da classificação viu Angélus elevado ao mais alto nível, de “Grand Cru Classé A”, e Trotte Vieille manteve seu status como “Grand Cru Classé B”, apesar de adquirir e incorporar uma propriedade com classificação mais baixa pouco antes da reclassificação.

Os acusadores são os proprietários do Château La Tour du Pin Figeac, do Corbin-Michotte e do Croque-Michotte, que se sentiram ofendidos com a forma como suas propriedades se saíram na classificação de 2012, que eles alegam ser injusta.

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Da redação

Publicado em 26 de Outubro de 2019 às 17:00


Notícias

Artigo publicado nesta revista

Degustação Histórica

Revista ADEGA 167 · Setembro/2019 · Degustação Histórica

Os ícones de Bordeaux 1982