Mundovino

Lalou Bize-Leroy: a maga dos grandes vinhos da Borgonha, incluindo o Romanée-Conti

“As uvas são médiuns da mensagem da sua terra, que gravou em sua carne os estigmas da rocha, o perfume de suas vinhas em flor e as forças do cosmos”


Quando pensamos no vinho mais caro do mundo é o mítico Romanée-Conti, do domaine de mesmo nome que primeiro vem à cabeça. Mas se você der uma olhada na lista dos 50 mais caros do planeta, certamente vai notar um nome recorrente e que hoje lidera a lista: Domaine Leroy.

Atualmente, no top 50 do site Wine-Searcher (que mapeia preços de varejistas do mundo todo) há nada menos que 16 vinhos de Leroy. Isso mesmo! Quase todos com valor acima de US$ 3 mil por garrafa.

O mais caro, seu Musigny, apelação de origem da cidade borgonhesa de Chambolle-Musigny, beira os US$ 25 mil. 

E, se considerarmos que a família Leroy é dona de metade do Domaine de la Romanée-Conti (ou DRC), somam-se aí mais quatro rótulos no top 50, contabilizando 20 dos 50 vinhos mais caros do planeta. Nada mal, não? 

A vinícola é comandada desde 1955 por Lalou Bize-Leroy, neta do fundador François Leroy.

E desde 1988, Lalou decidiu deixar a agricultura biológica e passar tudo para a cultura biodinâmica. 

Dessa forma, além dos preparos e observação dos astros, Leroy não planta clones. Quando uma vinha morre, ela é substituída por uma seleção massal do próprio vinhedo, uma técnica que envolve a seleção das melhores plantas e uma recombinação delas, considerada como um método de melhoramento mais natural que a clonagem.

A devoção de Lalou ao terroir é tamanha que ela afirma ser capaz de reconhecer a origem das uvas só de prová-las. 

Afinal, diz ela, o termo “maker” (“produtor”, em português) não se enquadra na Borgonha, uma vez que não é possível “produzir o vinho”. 

“Nós somos guardiões. Nós olhamos, observamos, tomamos algumas decisões, mas são as uvas que vêm primeiro – elas nos guiam. Nosso trabalho é olhar, observar e tentar entender. Esse é nosso trabalho, nosso papel. Sim, nós tomamos decisões, mas realmente não fazemos nada”, garante. 

Sua relação com o lugar é tão visceral e sua forma de produzir (ela provavelmente prefere “originar”) vinhos é da forma mais natural possível.

Graças à sua determinação em refletir o lugar, há cerca de 30 funcionários em tempo integral cuidando dos vinhedos entre maio e setembro, época mais crítica do ciclo da uva. Suas fermentações, obviamente, ocorrem somente com leveduras indígenas – ou seja, não há a inoculação de leveduras – e, quando há safras complicadas, os rendimentos são drasticamente reduzidos em prol da qualidade do vinho.

Aos 89 anos, Lalou continua atuante e ferrenha defensora da biodinâmica e do terroir da Borgonha. Em entrevista recente ao site Les Echos, ela resumiu: “Richebourg, Saint-Vivant, Musigny, Chambertin, Corton-Charlemagne não falam da mesma forma. É nossa missão fazer com que as suas vozes sejam ouvidas. As uvas são médiuns da mensagem da sua terra, que gravou em sua carne os estigmas da rocha, o perfume de suas vinhas em flor e as forças do cosmos. Vinificar é tentar compreender esta transmutação da planta em líquido vivo, a alquimia, uma tremenda lição de vida”. 

» The King’s Man, filme com ganhador do Oscar, ganha Vinho do Porto raro e caro

» Incrível: helicóptero e mar de velas espantam geada na França

» Um passeio pelos mais de 200 km da maior adega do mundo

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

André De Fraia

Publicado em 14 de Abril de 2021 às 07:30


Mundovino Lalou Bize-Leroy Domaine Leroy Borgonha Vinho mais caro do mundo Vinho