Mundo Vino

Operação contra a máfia siciliana chega a um dos maiores grupos vinícolas da Itália

Operação policial vincula vinícola siciliana à Cosa Nostra


 

Vinícola Feudo Arancio na Sicília

Uma operação “antimáfia” apreendeu mais de € 70 milhões em ativos – incluindo vinhedos e edifícios – que foram confiscados condicionalmente da vinícola siciliana Feudo Arancio. A vinícola faz parte do Gruppo Mezzacorona, com sede em Trentino, no norte da Itália, e é um dos maiores grupos vinícolas do país, com mais de 900 hectares de vinhedos nas províncias sicilianas de Agrigento e Ragusa. Eles negaram veementemente qualquer irregularidade. 

LEIA MAIS

» Sicília e a biodiversidade do vinho

» Os vinhos da Sicília

Guardia di Finanza de Trento  uma agência italiana do ministério da economia  tem investigado possíveis ligações de lavagem de dinheiro entre Mezzacorona e o grupo mafioso Cosa Nostra. A apreensão foi ordenada pelo Tribunal de Trento após um apelo de um promotor que estava investigando a infiltração do crime organizado na economia de Trentino. 

O grupo Mezzacorona refutou as alegações: “O grupo Mezzacorona sempre cumpriu seu compromisso empreendedor de maneira correta e séria e para proteger seus membros, funcionários e acionistas”, disseram em comunicado, que solicitava urgência à autoridade judicial, para resolver o problema o mais rápido possível para proteger a renda e o trabalho de 1.600 membros, 480 acionistas e 500 funcionários. 

Todas as operações nas vinhas e as atividades comerciais do Feudo Arancio continuam normalmente. Gruppo Mezzacorona pede à autoridade judicial com a máxima rapidez que os esclarecimentos sejam feitos o mais rápido possível”. 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

 

Da redação

Publicado em 5 de Outubro de 2020 às 17:00


Notícias cosa nostra Sicília vinho máfia

Artigo publicado nesta revista