Revista ADEGA

Escola do vinho

Primitivo ou Zinfandel?

Dois nomes de uma mesma uva, será mesmo? Entenda as diferenças e semelhanças entre elas

Eduardo Milan em 3 de Outubro de 2018 às 12:01

Primitivo e Zinfandel são clones diferentes de uma mesma variedade croata

Antes de mais nada, será que há um erro gramatical no título deste artigo? Afinal, Primitivo e Zinfandel são “a uva” ou “as uvas”? Geneticamente, as duas cepas são bastante semelhantes. É bastante lógico que a similaridade genética acabe por se traduzir em similaridade de aromas e sabores. De fato, os traços em comum existentes entre os vinhos elaborados a partir de uma e de outra foram notados pelo professor da Universidade da Califórnia/Davis, Austin Goheen – obviamente familiarizado com a Zinfandel – durante uma viagem à Puglia em 1967, quando provou tintos de Primitivo. Esse foi o pontapé inicial de estudos que, através de análises ampelográficas e de DNA, acabaram constatando e declarando que, realmente, Primitivo e Zinfandel são clones distintos de uma mesma variedade, a croata Crljenak Kastelanski.

A Zinfandel é reconhecida mundialmente como “a” uva da Califórnia, onde é largamente cultivada, seja para a elaboração de varietais ou blends. Teria chegado aos Estados Unidos ainda sem nome, em 1829, pelas mãos de George Gibbs. Na região de Boston, passou a ser chamada de zenfendel ou zinfindal. Já em 1949, com a “Corrida do Ouro”, a uva chegou à Califórnia, passando a ser cultivada em Napa e em Sonoma.

A Primitivo é cultivada principalmente na região da Puglia, no sul da Itália, normalmente relacionada ao famoso “Primitivo di Manduria”. Acredita-se que a Crljenak tenha sido trazida da Croácia para a Puglia pelo mar Adriático no século XIII. Já na Itália, a cepa foi batizada de primativo, do latim primativus, que significa “a primeira a amadurecer”. De fato, as videiras dessa variedade florescem mais cedo, com os frutos amadurecendo antes de outras cepas.

 

Trajetórias distintas, vinhos similares

Clone?

Falar em “clones” no mundo do vinho nada tem a ver com atividades de laboratório, trabalhos de mutações genéticas ou ficção científica. Na verdade, um clone de uva nada mais é do que um subtipo de uma espécie de planta (no caso, da videira), selecionado pelo vitivinicultor para ser cultivada por conta de características específicas, tais como melhor adaptabilidade a uma região e clima, tamanho dos bagos, produtividade etc.

Os tintos de Zinfandel, em geral, são ricos e encorpados. Isso porque essa uva tende a amadurecer de forma irregular, desigual, e, dessa forma, quando a maturação chega para todo o cacho, alguns bagos fatalmente já começaram a desidratar, tomando a aparência de passas. Essa concentração determina sabores intensos de frutas vermelhas e negras, além de elevado teor alcoólico. Da mesma forma, os vinhos produzidos com Primitivo, via de regra, têm como traço característico a estrutura, o alto teor alcoólico e os toques de ameixas e de especiarias. Ambos apresentando taninos macios, acidez moderada e, geralmente, tendendo para um sabor mais frutado, que gera uma sensação de doçura mais pronunciada. Talvez isso explique o porquê do sucesso da cepa por aqui.

 

Confira vinhos feitos com Zinfandel avaliados por ADEGA.

 

Confira vinhos feitos com Primitivo avaliados por ADEGA.


Notícias Zinfandel Primitivo Crljenak Kastelanski clone

Artigo publicado nesta revista


Douro Primeira Prova

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
Digital
1 ano
Digital
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaDigitalDigital
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241224
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 432,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 64,80R$ 100,00
Desconto
EconomizaR$ 151,20R$ 332,00
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também Guia ADEGA Guia ADEGA Vinhos do Brasil 2018/2019 + Poster "as cores do vinho"

Boletim Revista ADEGA

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas