Revista ADEGA
Busca

Reunião dos Super

Produtores históricos de rótulos Supertoscanos criam associação

Todas as 16 vinícolas fundadoras possuem pelo menos um rótulo Supertoscano aclamado pela crítica


O comitê para “Supertoscanos históricos” foi criado por um grupo 16 de produtores
O comitê para “Supertoscanos históricos” foi criado por um grupo 16 de produtores

Um comitê para “Supertoscanos históricos” foi criado por um grupo 16 de produtores de vinho, com planos de realizar um evento inaugural nos Estados Unidos em 2022. Paolo Panerai, de Castellare di Castellina, é o presidente do recém-formado Comitato Historical Super Tuscans, com Davide Profeti, de San Felice, como vice-presidente. Piero Antinori, cujos Tignanello e Solaia são alguns dos supertuscos mais conhecidos, é o fundador honorário do comitê. 

A associação tem sede em Castelnuovo Berardenga, perto de Siena, e seus membros fundadores incluem, além de San Felice, Antinori e Castellare di Castellina, os produtores Montevertine, Castello di Monsanto, Isole e Olena, Badia a Coltibuono, Querciabella, Castello di Fonterutoli, Ambrogio & Giovanni Folonari, Riecine, Felsina, Castello di Volpaia, Castello di Ama, Castello di Albola e Brancaia. 

“Inicialmente, pretendia apenas organizar um evento para celebrar o 50º aniversário do nosso Vigorello, que foi o primeiro vinho produzido apenas com uvas tintas na zona de Chianti Clássico, numa época em que o regulamento exigia a utilização de uvas brancas”, disse o vice-presidente Profeti, explicando como surgiu a ideia de criar o novo grupo. “Então comecei a olhar para quem, no Chianti Classico, havia lançado vinhos de acordo com uma filosofia semelhante nos anos seguintes ... e a ideia de fazer mais do que apenas um único evento começou a tomar forma”. 

Todas as 16 vinícolas fundadoras possuem pelo menos um rótulo Supertoscano aclamado pela crítica, feito com uvas cultivadas na área de Chianti Classico antes de 1994. “Limitamos a antes de 1994, porque não apenas esses produtores pioneiros desistiram da denominação, mas rebaixaram seus vinhos para vinho de mesa, porque a Toscana IGT [indicação geográfica genérica para toda a região] que a maioria de nós usa hoje só chegou em 1994”, afirmou Profeti. 

A decisão inicial do comitê de restringir os membros fundadores ao limite geográfico da área de Chianti Clássico – o que explica ausências como Sassicaia – foi devido ao fato de que “o conceito de vinho Supertoscano nasceu precisamente como uma reação aos regulamentos de Chianti, ou seja, a impossibilidade de usar apenas uvas tintas”, disse Profeti. No entanto, os rótulos que foram lançados depois de 1994 e que são feitos fora da região do Chianti Classico agora podem se inscrever para se tornarem membros. “Ao limitar os membros fundadores ao Chianti Classico, queríamos enfatizar que essa área foi a chave para o desenvolvimento da ideia dos Supertoscanos, no entanto, também queríamos criar uma associação que fosse livre e aberta. Portanto, agora qualquer pessoa pode se inscrever, desde que cumpra nossos critérios de renome internacional, bem como qualidade – que será avaliada por um júri de degustação – e distribuição comercial”, conclui. 

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui

Redação
Publicado em 18/03/2022, às 15h20 - Atualizado às 16h00


Mais Mundovino