Mundovino

Champagne 2021: “foi uma colheita muito humana”, diz a mestre da cave da Krug

A safra desafiadora na Europa pode trazer boas surpresas


Colheita 2021 em Champagne promete boas surpresas

Com ano difícil em Champagne, produtores driblaram a colheita ruim fazendo com seus blends

Nos comentários sobre as condições climáticas deste ano em Champagne, durante o lançamento da safra de Krug 2008 em Londres na segunda-feira, Julie Cavil, mestre da cave da vinícola, contou que foi uma safra extremamente difícil, mas lembrou em particular as emoções dos produtores durante todo ano até a colheita.

» Pesquisa sobre mudanças climáticas sugere possibilidade de duas safras por ano

“Ano rico de sentimentos, fomos de norte a sul, de oeste a leste para provar todas as uvas e foi um ano cheio de histórias humanas: tem sido muito difícil para os produtores, e há lembranças tristes e felizes, com todos se perguntando se tinham tomado as decisões certas se havia arrependimentos e dúvidas, por isso é uma colheita muito humana”, comentou.

Com a região passando por problemas de perigos naturais, embora de forma desigual em seus 34 mil hectares, da geada ao granizo e do verão diante a um difícil ataque de mofo, seguido por botrytis com a colheita prestes a começar, 2021 tem sido uma das colheitas mais complicadas na memória viva para muitos produtores de Champagne.

Em relação aos vinhos, embora foi falado que teria uma ideia melhor no início do próximo ano, a chef de cave disse estar confiante na qualidade da colheita após a amostragem precoce – e comparou os vinhos de 2021 com os da safra fria e úmida de 2013.

Lembrando os participantes do evento de lançamento, que o Champagne produz ótimos resultados usando colheitas de menor qualidade mesclando vinhos de uma variedade de safras, Cavil serviu aos convidados o Krug Grand Cuvée edição 169 – o lançamento atual da expressão multi-vintage da casa, que é baseada na safra de 2013.

» Bordeaux Wine Week 2022. Novo evento promete ser um marco no calendário dos enófilos

“A edição de número 169 da marca Krug foi recriada por volta de 2013, que não foi um grande ano, teve muita chuva e foi a última safra tardia, e em outubro, enfrentamos a podridão; os vinhos eram ácidos”, lembrou.

“Nós contrabalançamos isso com outras safras – você tem 146 vinhos diferentes na sua taça agora, de 2013 a 2000, e alguns dizem que essa é uma boa edição, mas não foi uma boa safra em Champagne, então recriamos o Krug Grand Cuvée a cada ano, independentemente do clima”, finaliza Julie.

» Receba as notícias da ADEGA diretamente no Telegram clicando aqui  

Assine ADEGA

Glaucia Balbachan

Publicado em 29 de Outubro de 2021 às 08:00


Mundovino Champagne Colheita Enologia Safra 2021 França Espumante