Mundo Vino

Falsificador de vinhos de Bordeaux é condenado a 18 meses de prisão na China


 O CIVB - Conselho de Vinhos de Bordeaux, venceu um processo contra uma empresa chinesa. O páis oriental está no centro da questão dos vinhos falsificados

Um falsificador de vinhos de Bourdeaux na China foi condenado a 18 meses de prisão em Xangai, após ação conjunta do Conselho de Vinhos de Bordeaux (CIVB) e a polícia local. O falsário levou vinhos falsos de diversas apelações bordalesas a uma feira comercial na cidade de Chengdu. De olho nos recorrentes problemas do mercado chinês, o CIVB desconfiou da empreitada e alertou as autoridades.

Além de apreender os vinhos do expositor, a polícia descobriu um lote falsificado de 10.000 garrafas. A condenação inclui também multa de cerca de R$ 78 mil para a empresa envolvida, e R$ 39.000 para o indivíduo culpado.

 

LEIA MAIS

» Antinori e Frescobaldi entram na dança das cadeiras do vinho italiano

» Os segredos da uva Merlot, que brilha no Petrus de Pomerol e amacia vinhos brasileiros

 

Mercado enorme em ascensão, a China está no centro da questão dos vinhos falsificados. Recentemente, o CIVB venceu um processo contra uma empresa chinesa por violação de marca registrada, no Tribunal Popular da Província de Shandong.

Em 2019, o Penglai Yunque Chateau, de Shandong, foi acusado pelo CIVB de violar a marca registrada coletiva 'Bordeaux'. Foi relatado que a empresa estava vendendo produtos vitivinícolas que não eram feitos da região vinícola designada, no entanto, ostentavam rótulos com 'Bordeaux', e eram falsamente anunciados como “importados diretamente da região com qualidade garantida”.

 

A polícia expôs um lote falsificado de 10.000 garrafas, além de apreender os vinhos do expositor. Cerca de R$ 78 mil de multa para a empresa envolvida, e R$ 39.000 para o indivíduo culpado são os valores inclusos na condenação de ambos

O tribunal decidiu que o uso indevido da marca levou à concorrência desleal. Portanto, a CIVB entrou com o processo para interromper a infração e compensar suas perdas. Como resultado, o tribunal declarou que o Penglai Yunque Chateau deve à CIVB cerca de R$ 400 mil.


Da redação

Publicado em 25 de Junho de 2020 às 15:21


Notícias

Artigo publicado nesta revista