DOC

Os grandes vinhos de Rioja, na Espanha

Os rótulos de Rioja estão entre os grandes ícones espanhóis


Um dos baluartes de Rioja é o uso da madeira, tanto que os vinhos são denominados qualitativamente de acordo com o tempo que passam em barrica

A Espanha é um retalho de diferentes denominações de origem ligadas ao vinho. Entre as mais importantes está Rioja, no nordeste do país, às margens do rio Ebro, com 63.593 hectares de vinhedos distribuídos no território das três províncias que margeiam o rio: La Rioja, Álava e Navarra. Cem quilômetros de distância separam Haro, a cidade mais ocidental, de Alfaro, a mais oriental. O vale ocupado por vinhedos tem cerca de 40 quilômetros de largura máxima.

As primeiras vinhas desse vale remontam ao período romano e a cultura do vinho foi mantida durante a Idade Média pelos monges. Aliás, Gonzalo de Berceo, monge em San Millan de la Cogolla, considerado o primeiro poeta do idioma castelhano, chegou a exaltar em versos o vinho local. No entanto, durante séculos, a principal cultura local foi a de cereais. O vinho só tomaria lugar de destaque na Idade Moderna, com o aparecimento das cidades e o florescimento do comércio.

Leia mais:

Vinhos da Espanha

Como ler rótulos da Espanha?

Marqués de Riscal: a estrela de Rioja

 

[Colocar Alt]

Gonzalo de Berceo, monge em San Millan de la Cogolla, considerado o primeiro poeta do idioma castelhano, exaltou o vinho de Rioja

Um dos principais marcos do vinho na região foi a criação do Conselho Real de Colhedores, em 1787, que visava promover o cultivo da videira, contribuir para melhorar a qualidade dos vinhos e facilitar o comércio dentro dos mercados do norte, de modo que sua dedicação prioritária foi construir e melhorar estradas e pontes para unir as cidades vinícolas de Rioja com Vitória e o porto de Santander.

 

O auge, porém, foi com a fundação de vinícolas históricas em meados do século XIX, a chegada da estrada de ferro e dos compradores franceses, devido à crise da filoxera. Enólogos ilustres como Luciano Murrieta (Marqués de Murrieta), Camilo Hurtado de Amezaga (Marqués de Riscal) e Rafael López Heredia (Viña Tondonia) introduziram o conceito de qualidade nos vinhos de Rioja.

Desde então, as vinícolas de Rioja têm estado à frente de muitas revoluções na indústria do vinho espanhol, especialmente durante a revolução tecnológica da década de 1970. A Denominação de Origem Qualificada foi dada em abril de 1991, fazendo com que Rioja se tornasse a primeira região a receber o status de DOCa.

Três zonas

A denominação de origem Rioja possui três zonas distintas de produção: Rioja Alta, Rioja Alavesa e Rioja Oriental (até 2018 denominada Rioja Baja)

A DOCa Rioja possui três zonas distintas de produção: Rioja Alta, Rioja Alavesa e Rioja Oriental (até 2018 denominada Rioja Baja). Rioja Alavesa fica a oeste da cidade de Logroño, na margem norte do rio Ebro. Os vinhedos estão em solos predominantemente calcário-arenosos e os vinhos lá produzidos são provavelmente os mais sutis e elegantes da região. Os climas em Rioja Alta e Rioja Alavesa são bastante similares e, devido à influência do Atlântico, não ocorrem temperaturas extremas. Em Rioja Oriental, a leste de Logroño e na margem sul do Ebro, o clima é mais continental, com verões quentes e invernos rigorosos. Os solos são bastante argilosos e chove pouco. Os vinhos da região costumam ter menor potencial de guarda do que os das outras regiões.

Da tradição da madeira

Um dos baluartes da DOCa Rioja é o uso da madeira, tanto que os vinhos são denominados qualitativamente de acordo com o tempo que passam em barrica, indo do genérico, passando pelo Crianza, depois Reserva e, por fim, Gran Reserva. No entanto, desde 2017, a região criou uma nova forma de dividir os vinhos qualitativamente ao dar mais ênfase à sua origem, além do tempo em barrica.

Dessa forma, criou-se a seguinte divisão: vinhos de zona, vinhos de município e vinhos de vinhedos singulares (que seriam os mais representativos da região). E esses três tipos de vinhos então são divididos novamente em quatro categorias: genérico, Crianza, Reserva e Gran Reserva. Uma das características dos vinhos de Rioja é a aptidão que possuem para o envelhecimento. De acordo com o processo um vinho é enquadrado nas seguintes categorias:

[Colocar Alt]

Além da divisão por “tempo de estágio”, os vinhos ainda são divididos em: vinhos de zona, vinhos de município e vinhos de vinhedos singulares (que seriam os mais representativos da região)

Genérico

São geralmente vinhos em seu primeiro ou segundo ano, que mantêm suas características primárias de frescor e fruta. Esta categoria também pode incluir outros vinhos que não se enquadram nas categorias de Crianza, Reserva ou Gran Reserva, embora tenham sido sujeitos a processos de envelhecimento, uma vez que estes não são certificados pelo Conselho Regulador.

Crianza

São vinhos pelo menos em seu terceiro ano que permaneceram pelo menos um ano em barris de carvalho. Nos vinhos brancos, o período mínimo de envelhecimento em barril é de seis meses.

Reserva

Corresponde a vinhos selecionados com um envelhecimento mínimo entre barricas de carvalho e garrafa de três anos, dos quais um pelo menos nas primeiras, seguido e complementado com envelhecimento mínimo em garrafa de seis meses. Nos vinhos brancos, o período de envelhecimento é de dois anos, dos quais pelo menos seis meses em barris.

Gran Reserva

São vinhos de grandes safras que foram envelhecidos durante um período total de sessenta meses, com um mínimo de dois anos em barris de carvalho e dois anos em garrafa. Nos vinhos brancos, o período de envelhecimento é de quatro anos, dos quais seis meses pelo menos em barrica.

Os grandes!

Indubitavelmente, os vinhos riojanos que mais chamam a atenção dos enófilos são os Gran Reserva. Alguns deles são cultuados mundo afora. Os Gran Reserva costumam ter taninos firmes e de fina textura, em que a acidez vibrante dita as regras, com a fruta, em geral, aparecendo adornada por notas de especiarias, de couro, de tabaco e de evolução (oxidativa pelo duradouro estágio em madeira). Independentemente do estilo que cada vinícola busca – mais ou menos frutado, madeira mais ou menos evidente, mais ou menos corpo –, o ponto em comum desses tintos é a grande complexidade aromática e gustativa, devido aos longos estágios em barrica e em garrafa, com a vantagem de serem lançados ao mercado já com alguns anos de evolução, ou seja, com conjunto mais integrado e relativamente pronto para beber, beneficiando os menos pacientes.

Em termos gerais, são vinhos com grande capacidade de evoluir em garrafa e que oferecem consistência, um padrão mínimo elevado e muito boa relação entre preço e qualidade. Os Gran Reserva da Rioja nada ficam a dever a outros vinhos ícones europeus e, por isso, merecem destaque em nossas taças. 

Veja também:

A legislação espanhola do vinho

+ Vinhos de Rioja avaliados pela ADEGA

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Arnaldo Grizzo e Eduardo Milan

Publicado em 8 de Novembro de 2019 às 15:00


Notícias Grand Rioja Vinho espanhol vinhos da Espanha

Artigo publicado nesta revista

Gran Reserva

Revista ADEGA 163 · Maio/2019 · Gran Reserva

Conheça os Grandes Vinhos de Rioja + Seleção com ícones