Calor

Rosé: o vinho típico do verão

Essa bebida badalada na França harmoniza muito bem com o nosso clima tropical


A bebida rosa combina perfeitamente com as altas temperaturas do Brasil

Há muitos anos persigo a história real dos vinhos rosé. E assisto com satisfação a força que a mídia internacional começa a depositar nesse importante vinho, que para a fortuna dos amantes do pink chega em boa hora. A história real do rosé tem como marco de iniciação a Provence, na França. Qualquer apreciador de vinhos do planeta que tiver a oportunidade de ir a essa região vai mudar seus conceitos e considerar o rosé um vinho alternativo, com lugar garantido à mesa. A capital das flores da terra de Asterix, Nice, tem entre seus atrativos uma bela culinária baseada em frutos do mar e faz qualquer enófilo se apaixonar pelo vinho rosé. Tanto na "Old Nice" quanto na parte moderna, seja no almoço ou no jantar, em dias de verão e primavera, a predominância é de vinhos rosés nas mesas de restaurantes, bistrôs e bares.

O rosé é um vinho produzido por meio da maceração de uvas tintas que permanecem menos tempo em contato com as cascas. Sua produção tem como berço mundial essa maravilhosa região francesa que encanta o mundo com suas belas praias e seu glamour. Mas não é só na Provence que esses vinhos têm espaço; em países europeus como Itália, Portugal e Espanha, os rosados ou rosatos também têm importância. Esse estilo de vinho também pode ser produzido a partir do blendde tintos com brancos, mas essa produção é menos apropriada e proibida na França, em todas as regiões onde o rose é produzido. As mais destacadas ficam ao sul do Vale do Rio Rhône e na Provence. Podemos encontrar ótimos rosés da apelação controlada (AOC) em Cotes de Rhône, principalmente de Tavel, uma apelação controlada dedicada aos rosés. Na Provence, temos, além dos mais cobiçados Rosés da Côtes de Provence, os deliciosos Bandol nas cercanias da belíssima Toulon.

Leia mais:

Qual a maneira correta de abrir espumantes?

Vinho rosé: os segredos do vinho do verão

Clericot: um dos drinques mais tomados no verão

Ainda na França, o Languedoc Roussilon vem despontando na produção de deliciosos rosés a excelentes preços. De todo o Languedoc, Minervois é a região que mais coloca no mercado rosés de qualidade. Em todas essas regiões ao sul da França, as uvas que têm destaque são a Grenache (a mais importante de todas), a Cinsault e a Mourvedre.

Podemos encontrar bons vinhos rosés em Bordeaux e no vale do Loire. Nessas regiões, as uvas mais utilizadas são os Cabernets (Sauvignon e Franc) e a Merlot. Mais raros e de excelente qualidade são os pouquíssimos rosés da Borgonha, produzidos a partir da Pinot Noir.

Na Itália, o vinho rosé está consagrado e tem seu lugar garantido na tavola. A produção de rosés é forte no sul da bota, mas quando falamos de qualidade três regiões devem ser destacadas na produção de rosés de qualidade. A Toscana vem produzindo a cada dia melhores vinhos rosados a partir Sangiovese. A região do Lago de Garda tem na uva Gropello um ícone para produção de rosés especiais. Por último, no norte da Itália, mais especificamente no Alto Ádige, há excelentes rosés à base das uvas locais Moscato Rosa e Lagrein.

Em Portugal, os rosés deliciosos estão por toda a parte. Os destaques são os rosados do Douro, Estremadura e Ribatejo. Foi dessa última região que veio o melhor rosé de nosso painel, principalmente em relação à complexidade aromática. Normalmente os rosés apresentam pouca intensidade aromática, o que, aliás, faz com que seja mais fácil apreciá-los gelados e sem muito compromisso. Em relação à variedade de uvas utilizadas nos vinhos rosados portugueses encontram-se muitos à base de blends, bem como varietais de Touriga Nacional, por exemplo.

Na Espanha, os rosados são quase uma religião. Talvez o país tenha sido o que menos sofreu com o preconceito do rosé. O consumo deste vinho sempre esteve em alta. As regiões de destaque são Rioja, Navarra e Penèdes. Assim como na França, quem comanda por aqui é a Garnacha (nome da Grenache na Espanha), seguida das Tempranillo e Merlot.

[Colocar Alt]

O rosé é um estilo de vinho ideal para o clima tropical do Brasil

Os nossos vizinhos, Chile e Argentina, produzem cada vez mais rosés à base de vários tipos de uvas, tais como Cabernet Sauvignon e Malbec. Normalmente, esses vinhos são de cor e corpo mais intensos se compararmos aos delicados vinhos da França. Para quem quer tentar um rosado mais intenso, o negócio é ficar com os vinhos do Mercosul, pois alguns deles lembram mais um vinho tinto do que propriamente um rosé.

Poucos sabem, mas na década de 50 do século passado, o vinho mais apreciado pelos franceses era o rosé. Vocês podem imaginar isso? Pois bem, é a pura verdade. O escritor inglês P. Morton Shand, em seu livro A Book of French Wines (1960), relata que acompanhou várias pessoas, durante o outono francês de 1957, em eventos como almoços e jantares. Ele concluiu que "homens sós ou com acompanhante demandavam vinhos rosés mais freqüentemente que tintos e as mulheres sempre escolhiam vinhos rosés ao invés de brancos".

No final do século, o rosé havia perdido seu lugar ao sol. Em julho de 1997, a revista americana Wine Spectator publicou uma pesquisa com a seguinte pergunta: "Quantas garrafas de vinho rosé você abriu nesse ano?" A resposta foi: 73,6% dos pesquisados respondeu zero; 19,5% abriu uma garrafa, 2,3%, de 2 a 5 garrafas. A conclusão é simples e imediata: menos de 30% dos entrevistados havia aberto pelo menos uma garrafa de rosé no ano. Hoje, se fizéssemos a mesma pesquisa no Brasil, seguramente os números não estariam longe dos resultados norte-americanos há 22 anos.

[Colocar Alt]

Os rosés do Mercosul são menos delicados do que os franceses

Puro preconceito. O rosé tem um belo espaço na mesa de qualquer apreciador de vinhos no mundo e deveria ter maior aceitação no Brasil, se considerarmos o clima que, sem dúvida, propicia melhores condições para o consumo. Ele seria uma bela opção para aqueles enófilos que só gostam de vinho tinto e acham que o vinho branco não tem espaço. A maioria dos rosés apresenta, como alguns tintos, boa intensidade de frutas vermelhas e um corpo mediano que harmoniza com uma grande gama de pratos. Ainda tem a vantagem de não se sobrepor à comida, o que acontece com os ultraencorpados vinhos tintos que têm ganhado destaque nos últimos tempos.

[Colocar Alt]

Harmonização de rosé com o provençal Meissonier. Esse vinho também vai bem com churrasco de carne

Um rosé de boa procedência é agradável, leve e possui boa intensidade, ideal para pratos mais suaves. Pode ser uma grande companhia para um churrasco de carne ou de peixe, para um picnic, ou até mesmo para apreciar uma bela praia acompanhado de alguns petiscos. Se você ainda não provou uma bouillabaisse, uma paella valenciana, uma caldeirada e um arroz à marinera com um rosado, não sabe o que está perdendo.

O importante, para os mais aficionados por vinho, é ter a consciência de que o rosé é, em algumas situações, uma alternativa para brancos e tintos e, para alegria de muitos, é um vinho fácil de se gostar. É descomplicado até no preço, já que é difícil encontrar um rosé de mais de U$$ 40 a garrafa, ou mesmo com mais de 90 pontos na tabela do crítico Robert Parker. A mais importante dica é que os vinhos rosés devem ser degustados jovens. De preferência, com um ou dois anos no máximo, pois não são vinhos de guarda.

Veja também:

+ Rótulos de rosé avaliados pela ADEGA

+ Dicas de harmonização com vinho rosé

ASSINE JÁ A REVISTA ADEGA. DESCONTOS DE ATÉ 76% 

Luiz Gastão Bolonhez

Publicado em 25 de Dezembro de 2019 às 10:00


Notícias vinho verão rosé vinho rosé

Artigo publicado nesta revista